Quando Seu Cônjuge Perde A Fé

Texto por Robert Kirby

 

Foto: kronick_

Foto: kronick_

A coluna de hoje é um teste. Um teste curto, ainda. Consiste de apenas uma pergunta. Você está pronto?

Eis a pergunta: Todas as outras coisas na sua vida permanecendo iguais, você se divorciaria de seu cônjuge se ele ou ela parasse de (ou começasse a) acreditar em Deus? Vamos supor que ele ou ela ainda ame você, ainda estivesse empregado(a), não batesse nas crianças e fosse respeitoso(a) das suas crenças. Vamos supor, também, que isso não envolvesse nenhuma prática maluca como esposas extras, sacrifícios animais, mudar-se para um coletivo ou assassinar os infiéis.

Nada mudou além do fato/crença que ele(a) não mais poderá acompanhá-lo(a) ao reino celestial, estar com você em Cristo ou permanecer com você no racionalismo sem deus.

Supondo que você seja um ateu e está casado com a mulher dos seus sonhos. Certo dia, do nada, ela chega em casa com a triste notícia de que aceitou Jesus. Ela começa a frequentar a igreja. Ela ora.

Em todos os outros sentidos, ela ainda é a mulher dos seus sonhos. Só que, agora, vocês não creem nas mesmas coisas. Você suspeita que ela perdeu a razão. Ela se preocupa que você vai para o inferno.

Divórcio? Uma vida longa de resmungação rabugenta?  Ou vocês tentam contornar as diferenças?

Muitos casamentos fracassam por causa de mudanças em crenças compartilhadas. Se você acha que isso não é verdade, então você talvez não esteja prestando atenção. Pode estar acontecendo agora nesse instante sem que você sequer se dê conta.

Todo mundo muda. Às vezes estas mudanças são enormes. Às vezes elas são pequenas. E às vezes elas são tão sutis que a pessoa que está mudando sequer se dá conta até que ela esteja completa.

A verdade é que ninguém acaba casado com a mesma pessoa que levou para o altar tantos anos antes. Ainda bem. Eu me casei com 22 anos. Tonto do jeito que sou hoje, era muito pior antes.

Mas não estamos falando de mudanças em gostos musicais, ou hobbies, ou mesmo de partidos políticos. Uma crença religiosa compartilhada — intensa, nenhuma, indiferente — é uma das fundações de um relacionamento compatível. Você não imagina que fará diferença, até que isso mude.

Vamos supor que você é a pessoa que mude. Um dia você está sentado na reunião do Sacerdócio e de repente todas as suas suspeitas suprimidas por anos se consolidam em total descrença. Você conta isso para sua esposa. Ela em lágrimas lamenta a sua morte espiritual, mas promete visitá-lo no Reino Terrestrial.

Mas aí vem o problema: Ela não abandona você ou a Igreja. E agora? Você vai focar na diferença ou nas coisas que você ama nela? Você ainda tentará ser digno do amor dela em todos os outros aspectos?

Muitas pessoas nessa situação sequer tentam. Ela resmunga pra você sobre a Igreja. Você tira sarro das crenças dela. Até que religião não é mais o problema principal. É apenas o campo de batalha onde vocês brigam por todas as outras coisas.

No final das contas, seu cônjuge não é a pessoa com quem você tinha imaginado ter se casado. Mas se você está disposto(a) a abandonar esta pessoa, por quem jurou amor eterno, por causa de uma mudança em crenças pessoais, então nem você é.

Vocês não acaba se divorciando por causa da religião. Mais provavelmente, vocês se divorciam porque um ou ambos não conseguem mais distinguir a diferença entre controle e amor.

 

 

robert-kirbyTexto Original por Robert Kirby publicado pelo The Salt Lake Tribune. Reproduzido com permissão. Seu livro mais recente ‘Sopa de Kirby para a Alma (Coleção de Humor Mórmon)’ encontra-se disponível em formato eletrônico.

 

 

 

19 comentários sobre “Quando Seu Cônjuge Perde A Fé

  1. Acho que a palavra chave em qualquer tipo de relacionamento, inclusive, antes de amor é o respeito. Respeito pelo o que a pessoa é de forma bem ampla, respeito por suas convicções, gostos… Para mim o amor é isso, sabemos que a pessoa tem defeitos como todos, mas aceitamos esses defeitos, porque do contrário não seria a pessoa que amamos. Isso não implica em gostar dos defeitos, mas aceitá-los sem querer mudar o parceiro. Isso é amar de verdade e com plenitude. É muito triste estar com alguém que quer você, mas ao modo dela, então essa não é a pessoa certa. Acredito que com o passar do tempo todos mudamos, amadurecemos sentimentos, idéias, opiniões, uns ficam mais rabugentos, mas se existe amor tudo é superado. Realmente acredito que duas pessoas que pensem de forma diferentes possam conviver e ter um bom relacionamento, mas isso depende de uma superioridade emocional. Claro que é preciso haver algum interesse em comum e flexibilidade também de ambas as partes. Um cede hoje o outro amanhã. Voltando ao assunto “fé”, acho que a falta ou “excesso” não seria motivo para separação de forma alguma, na minha opinião. Desde que não se tente persuadir o parceiro e impor idéias que sabemos não serem aceitas por ele.
    Certa vez, li em um manual uma história que ficou conhecida como a Síndrome do Grapefruit. Achei interessantíssimo e ao mesmo tempo triste. Um casal foi questionado sobre o que mais os incomodavam no cônjuge. A mulher foi a primeira a sair respondendo e disse que simplesmente não suportava o jeito que o marido comia grapefruit. Como ela passaria a vida inteira vendo-o comer daquele jeito e depois na eternidade. Que normalmente todos cortam ao meio e usam uma colher para retirar a polpa, enquanto o marido tirava gomo por gomo, ou mordia arrancando gomo por gomo. Então, ele foi responder a mesma pergunta e disse que não conseguia mencionar uma única coisa que não gostasse nela. Ela ficou muito envergonhada e não conseguiu conter as lágrimas…Nem eu..rsrs Poxa, que mulher chata e dominadora ao extremo. Deixa o cara comer o grapefruit do jeito que ele quer, pombas. Acho que em alguns casos é por esse tipo de coisa medíocre que os relacionamentos se desgastam. Não temos a noção dos limites.

    • Não foi muito bonito o meu comentário final, mas já melhorei bastante. Continuo tentando deixar de ser tão língua solta, nesse sentido.

      • 🙂

        Eu gostei da sua conclusão: “Deixa o cara comer o grapefruit do jeito que ele quer, pombas.” Novo mantra para terapêutas de casais!

    • Graciela,
      Excelente o seu comentário. É isso mesmo. Em se tratando de relacionamento a dois, acho que tudo tem que ser avaliado com coerência. É necessário se abrir mão de certas coisas, que em outras circunstâncias não se abriria. São dois pesos, duas medidas. Até porque, o ser humano é muito complexo. Mas tudo isso, tem um nome: AMOR. Quem ama, compreende, tem paciência, ajuda, e, sobretudo, PERDOA.

  2. Artigo fraquíssimo e que destoa de alguns muito inteligentes aqui no Vozes Mórmons;
    Uma ou outra coisa se aproveita. Agora tratar um assunto desses, tão delicado e profundo, de modo superficial e sem alguma responsabilidade, me parece um tanto leviano.
    Mas valeu a intenção; quem sabe na próxima, alguém com mais argumento, possa provocar uma reflexão de maior seriedade.

    • Não achei fraco, Saul, achei bem pertinente. Talvez Eu tenha respondido com certa superficialidade. Vários, diferentes textos são publicados aqui e por pessoas diferentes.
      Com certeza, tem razão quando diz ser um assunto delicado e profundo, mas leviano, não. Houve um interesse em ouvir opiniões sobre o assunto e não há mal nenhum nisso. Você não gostou desse e gostou de outros, e assim todos os gostos são contemplados.

    • Sindrome de Otelo – O ciume patológico

      A síndrome de Otelo – Ciúme patológico

      Otelo, o mouro de Veneza é personagem principal do romance do famoso britânico Willian Shakespeare, que conta a história de um homem que ama demais a esposa e que convencido de sua infidelidade, acaba a matando para logo após descobrir a inocência dela.

      O conto de Shakespeare traça muitos paralelos com a nossa vida cotidiana. Nenhum relacionamento esta livre das desconfianças e das tentações que o mundo oferece, ainda mais nos dias de hoje que o apelo sexual esta em cada esquina. Porem existem pessoas que passam dos limites nas desconfianças e qualquer indicio, por mais absurdo que seja, é uma prova cabal da traição do parceiro. De fato, não são todos os relacionamentos que terminam em morte como o caso de Otelo, mas o crime passional, tem aumentado, vemos na TV vários casos de assassinatos ligados a términos de relacionamentos e traições.

      Vamos falar um pouco do ciúme patológico, algo que movimenta grande parte dos casos de procura por terapia.

      O ciúme patológico é definido como a persistente idéia de que o parceiro (a) possui outros relacionamentos, não importando qual seja a realidade da relação amorosa, pois a sensação é que a relação afetiva esta em constante ataque por parte de outras pessoas. Nesse sentido, a pessoa com ciúme patológico interpreta tudo no ambiente como uma prova da infidelidade do parceiro, já que a todo momento o sentimento é de que o relacionamento corre perigo.

      Dizem que o ciúme é algo natural e esperado de qualquer relacionamento, afinal, quem gosta cuida e quer proteger o relacionamento e a pessoa amada. Não existe uma escala que nos diz quando o ciúme passa de “normal” para patológico, mas podemos perceber que o ciúme patológico causa intenso sofrimento para o casal, para o ciumento por que tudo vira uma prova clara da traição e para o parceiro que precisa se submeter a questionários, brigas, controles de todas as formas e todos os passos que dá e em alguns casos pode ter sua integridade física ameaçada.

      A Síndrome de Otelo é diagnosticada quando existem sintomas e sinais específicos e em conjunto. Podemos dizer que as principais características dessa síndrome inclui: ter o controle do pessoa amada, checar contas de telefone, ler e-mails particulares, vasculhar bolsos, agendas, contas de cartão de crédito, contratar detetives, seguir a pessoa, telefonemas constantes, implicar com roupas que o outro use, implicar com amigos (as) e até mesmo parentes, não permitir que o parceiro saia desacompanhado, enfim… os exemplos são muitos.

      É importante ressaltar que a pessoa que sofre do ciúme patológico fundamenta suas ações em distorções e falsas interpretações da realidade. Quando o ciúme ameaça a integridade do relacionamento e qualquer estimulo é interpretado como uma prova de traição, por mais irracional e absurdo que sejam os argumentos usados pelo ciumento, então é preciso ficar atento.

      Quando existe agressão física e ameaças de diversas ordens, o relacionamento não tem mais chances de se tornar saudável sem a ajuda profissional de um terapeuta treinado para tal.

      Quem se envolve com um ciumento patológico vive em constante ameaça, cobranças, brigas e precisa se justificar de tudo que faz a todo o momento. É um tipo de relacionamento penoso e desgastante, transtornos de ansiedade e depressão costumam se instalar na vitima do ciumento.

      A vitima perde a identidade e a paz ( isso quando não perde a vida ), podemos citar o caso de Eloá Pimentel que foi mantida refém por 68 horas e morta por Lindenberg Alves em 2008, enfim, existem muitos exemplos do ciúme patológico que terminaram com a morte do ciumento ou da vitima do ciumento.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.