Jornais Avaliam Novo Site da Igreja Mórmon

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias lançou ontem um novo site dedicado a melhorar a relação entre a instituição, seus membros, e especialmente seus membros LGBT e familiares.

Membros da Igreja SUD pedem resignação em protesto a política homofóbica da Igreja de discriminar contra crianças em famílias LGBT, em frente ao histórico templo de Salt Lake City, 14 Nov 2015. (Jim Urquhart/Reuters)

Membros da Igreja SUD pedem resignação em protesto a política homofóbica da Igreja de discriminar contra crianças em famílias LGBT, em frente ao histórico templo de Salt Lake City, 14 Nov 2015. (Foto: Jim Urquhart/Reuters, publicada pelo The Washington Post)

Jornais norte-americanos como o The Washington Post, o The Wall Street Journal, e o The Salt Lake Tribune, a rede CNN, e o noticiário de Utah Gephardt Daily avaliaram-no. Seguem, abaixo, trechos da cobertura jornalística de cada um:

A última vez que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias publicou um site sobre a relação da Igreja com a homossexualidade, a igreja intitulou sua página na Web “Mórmons e Gays”.

Desta vez, eles estão chamando de “Mórmon e Gay.” Não dois grupos separados. Apenas um único.

Você pode ser gay ao ser mórmon, afirma o novo site – contanto que você nunca faça sexo gay.

∼¤∼

Para esse fim, a igreja lançou seu chamativo novo site terça-feira, preenchido com vídeos de alto valor de produção de pessoas gays e lésbicas que explicam como eles conseguem permanecer mórmon e encontrar realização sem entrar em relações do mesmo sexo.

Mas para os defensores de inclusão LGBT, as palavras de boas vindas do novo site ficam muito aquém do suficiente. Aceitando pessoas homossexuais sem acolher as relações homossexuais, dizem eles, não é uma verdadeira aceitação. E este site não introduz qualquer alteração à posição estrita da igreja, que no ano passado declarou que qualquer pessoa em um relacionamento do mesmo sexo é um apóstata e seus filhos não podem ser batizados a menos que eles tenham mais de 18 anos e renunciem a relação de seus pais e mudem-se para fora de sua casa.

∼¤∼

“Isso é altamente problemático”, disse John Dehlin, fundador do popular podcast Estórias de Mórmons, sobre o esforço da Igreja para as pessoas homossexuais, antes de ver o novo site. “Eles estão agindo como a igreja mais homofóbica em todo o cristianismo. E, no entanto, eles estão tentando enviar esta mensagem dupla de que os gays são bem-vindos.”

Mas para Dehlin, esses exemplos [expostos nas entrevistas em vídeos no site] são enganosos. “Eles estão desfilando exceções dramáticas, em detrimento da grande maioria que vai descobrir que esses estilos de vida são tóxicos”, disse ele.

Como parte da pesquisa para o seu doutorado, Dehlin disse que ele ajudou a conduzir uma pesquisa com 1.612 gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros que eram atualmente ou foram previamente mórmons. Sua equipe de pesquisadores descobriu que dois terços havia deixado a Igreja Mórmon. Aqueles que permaneceram na igreja – ou entrarem em casamentos heterossexuais apesar de sua homossexualidade ou permaneceram no celibatário – relataram níveis muito mais altos de depressão e baixa qualidade de vida e auto-estima do que aqueles que deixaram a igreja.

“Estes estudos sugerem que ser gay e mórmon é tóxico para a maioria das pessoas, e é insustentável para a maioria das pessoas”, relata Dehlin.

∼¤∼

Em uma igreja fundada no conceito de revelação contínua, muitos membros questionam o que essas “atualizações futuras” poderiam ser – incluindo se a igreja vai revogar a sua política controversa sobre os filhos de pais homossexuais.

Em novembro passado, a igreja atualizou seu Manual de Instrução para os bispos de todo o mundo com uma nova política de restrição de filhos de casais do mesmo sexo proibindo-nos de bençãos ou batismo na Igreja. A política também afirmou a postura mórmon de longa data que o casamento homossexual é considerado apostasia e motivo de excomunhão. A política foi vazada na internet e rapidamente ganhou intenso escrutínio público.

Em uma tentativa de diminuir a tempestade de críticas, um líder da igreja sênior, D. Todd Christofferson, enfatizou que o amor estava por trás da decisão de proteger as crianças de sentirem-se em conflito entre sua família e sua fé. Christofferson, que tem um irmão gay, também liderou a criação do site “Mórmon e Gay” , de acordo com um porta-voz da igreja.

∼¤∼

A linguagem do site pode ser mais suave, mas a posição da Igreja sobre as relações homossexuais permanece forte e intransigente: Ser gay não é pecado; apenas agir nisso é.

Isso deixa Josh Searle – um mórmon gay em Idaho que entrou relações do mesmo sexo antes de ser disciplinado pela fé e [agora] retornando ao rebanho – com poucas opções.

“Eu estou condenado a viver uma vida de miséria e solidão enquanto eu tento viver uma vida celibatária? É a minha escolha permanecer solteiro e tentar ser celibatário emocionalmente ou mentalmente saudável, ou mesmo possível?” Searle pergunta em um dos vídeos apresentados no site.

Vivendo como um membro gay celibato “é difícil”, ele admite. “Há sacrifícios a serem feitos, noites solitárias, e tristeza que o olho não pode ver. Mas Deus me abençoou com momentos em que eu enfaticamente digo que eu estou aqui para manter o curso.”

O ativista mórmon e gay Kendall Wilcox aplaude o novo site, especialmente a vontade da igreja em permitir que os entrevistados usem termos como “gay e lésbica”, em vez de insistir no termo menos comum “atraído pelo mesmo sexo.”

∼¤∼

John Dehlin, um ativista social e produtor do podcast popular e controverso “Estórias Mórmons”, diz que ele foi atingido com um medo tão logo ele viu o site “Mórmon e Gay”, que estreou terça-feira pela A Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Santos dos Últimos Dias.

“Eu acho que este site vai levar a mais suicídios. Eu espero que ele não vá levar a mais suicídios, mas temo que isso é o que vai acontecer. O site manda uma mensagem muito tóxica para os membros LGBT da Igreja, tóxica e confusa. Estudos mostram que o caminho mais saudável para a maioria dos mórmons LGBT é deixar a Igreja e entrar em um relacionamento comprometido. Esse é o caminho que leva aos melhores resultados. Isso já foi publicado em várias revistas médicas.

O site ainda se refere a ser LGBT como um desafio ou uma provação a se superar, uma doença ou uma condição. Ele deixa basicamente duas opções: Ou manter-se em celibato, que é um estilo de vida tóxico, ou entrar em um casamento de orientação mista, que não só tem uma taxa de divórcio de 75% e leva a pontuações de qualidade de vida que são mais baixos que para pessoas que sofrem de lúpus. Eles estão dizendo que para ficar na Igreja basta adotar um desses dois estilos de vida muito tóxicos.

A escolha de Clayton como porta-voz também foi dolorosa, porque ele foi um dos principais líderes na batalha de 2008 contra a Proposição 8 da Califórnia, destinada a legalizar o casamento gay. Eles escolheram-no como o porta-voz do site de “amor”. Isso é adicionar insulto à injúria.

Você é bem-vindo aqui, mas só se você manter uma vida de injúria, tristeza e miséria.

A Igreja também enfatiza aumentar a sua fé como uma maneira de lidar com este problema, que é a pior recomendação possível. As pessoas vão esperar que Deus tire isso (a homossexualidade) para longe deles, e quando Ele não o faz, isso vai fazê-los sentirem-se quebrados e além do poder de Deus. E isso é o que pode levar a mais suicídios.”

∼¤∼

Nenhuma questão na última década tem dividido igrejas tão profundamente quanto a homossexualidade. Como a opinião pública – e a compreensão científica – sobre a sexualidade mudou com notável rapidez, muitas denominações, incluindo líderes mórmons, tiveram de lidar com uma questão difícil: Como é que eles vão manter a doutrina tradicional de que os atos homossexuais são pecaminosos, embora aceitando e ministrando para os mórmons gays e lésbicas que sinceramente desejam permanecer parte de sua igreja?

Revelado na terça-feira, “Mórmon e Gay” é uma resposta a essa pergunta. A página da web apresenta mensagens de vídeo e ensaios de cinco membros da igreja, incluindo Rosas, que se identificam como pessoas com atração pelo mesmo sexo, gays, lésbicas ou bissexuais. Os materiais são destinados a facilitar a compreensão empática e fornecer informações sobre identificação sexual, a doutrina da igreja e recursos de saúde mental.

Os líderes sêniors da igreja chamam esses novos materiais “simplesmente uma atualização” da página “Mórmons e Gays”, lançado em 2012 em um domínio não afiliado com o site oficial da igreja. (“Mórmons e Gays” agora redireciona para a nova página “Mórmons e Gay”.)

∼¤∼

A mais importante – alguns diriam gritante – omissão no novo site é que não há menção da política gay anunciada em novembro passado, declarando todos casais SUD do mesmo sexo como “apóstatas” e proibindo seus filhos de serem abençoados ou batizados na fé até que eles tenham 18 anos de idade.

“Espero que isso signifique que a política está sendo considerada para uma mudança”, diz Jones. “Ou talvez eles estejam apenas tentando não mencioná-la até porque eles não querem críticas públicas.”

Quanto à oposição da Igreja ao casamento do mesmo sexo, o site deixa claro que isso não é negociável.

A “doutrina do casamento entre um homem e uma mulher”, os materiais declaram com naturalidade, “é um ensinamento [mórmon] fundamental.”

E, o site declara: “Isso não vai mudar.”

∼¤∼

Evolução Mórmon Sobre Homossexualidade

Antes de 1950

Homossexualidade é considerada pela Igreja como o “pecado que não deve ser mencionado”

1952

“Homossexualidade” é mencionada publicamente por um líder sênior da igreja pela primeira vez, que a chamou de “abominação” comparável a masturbação e bestialidade.

1969

Homossexualidade é considerada “curável” por um líder sênior da igreja; Ser “forçado” a relações heterossexuais é encorajado.

1976

A universidade da Igreja Brigham Young University conduz tratamentos de eletrochoque  em 14 mórmons gays.

1978-81

A Igreja encara crítica pública por se opor à Emenda Constitucional pelos Direitos Iguais [das mulheres], argumentando que ela estenderia proteção legal a “casamentos homossexuais e lésbicos”.

1990s

Líderes começam a se referir a homossexualidade como atração pelo mesmo gênero, reconhecendo a realidade da atração sexual enquanto condenando o pecado de agir por esses sentimentos.

2008-09

A Igreja tenta balancear “liberdade religiosa e não discriminação” no ativismo político, fazendo campanhas contra a legalização de casamento gay na Califórnia e apoiando leis antidiscriminação em Salt Lake City.

2012

A Igreja usa o termo “gay” em comunicações públicas pela primeira vez. Em uma série de vídeos sobre “Mórmons e Gays”, líderes pedem para membros encontrarem “coisas em comum” enquanto se mantém “fiéis a suas crenças religiosas”.

2015

O “Manual de Instruções” para líderes da igreja é atualizado com uma nova política proibindo a benção e o batismo de crianças de casais homossexuais. O casamento homossexual é considerado uma apostasia e motivo para excomunhão.

2016

A Igreja lança uma nova seção “Mórmon e Gay” em seu site oficial, no qual líderes mórmons clamam por um aumento em diálogos sobre homossexualidade, e mórmons gays compartilham suas experiências como membros da igreja ativos e celibatos.

5 comentários sobre “Jornais Avaliam Novo Site da Igreja Mórmon

  1. “A mais importante – alguns diriam gritante – omissão no novo site é que não há menção da política gay anunciada em novembro passado, declarando todos casais SUD do mesmo sexo como “apóstatas” e proibindo seus filhos de serem abençoados ou batizados na fé até que eles tenham 18 anos de idade.”

    O site é apenas o que a igreja mórmon sabe fazer muito bem: marketing.

  2. O que me espanta e o fato de durante todos esses anos nenhum dos Apostolos ou Presidentes/Profetas se quer receberam uma unica revelacao sobre o assunto. Ninguem se preocupou em perguntar ao Senhor? Se cremos ou pelo menos declaramos para todo o mundo que a igreja e guiada por revelacao entao o silencio de Deus sobre esse assunto tao importante em nossa epoca e no minimo constrangedor para a igreja. Na absencia de revelacoes temos lideres inventando e mudando regras para a igreja o tempo todo para se alinhar com o departamento de publicidade da igreja. Ha alguns anos eu ja havia projetado que a suprema corte Americana iria de fato aprovar o casamento gay nos EUA e que assim que isso acontecesse a igreja iria correr atras para estabelecer uma imagem de apoio mas sem alienar seus membros mais conservadores, a razao principal seria o risco de se encontrar na posicao de ter que negar o direito de gays realizarem uma cerimonia de casamento nas capelas ou templos o que se acontecer causaria ainda mais pressao do governo federal sobre a insencao de impostos que a igreja recebe, sendo o casamento gay um direito protegido pelo governo federal a igreja se encontraria entre a cruz e a espada, creio que isso possa vir acontecer no futuro nao tao distante. Enquanto a igreja continuar com um pe na Babilonia( Sistema corporativo) ela jamais tera o poder dos ceus para estabelecer Siao e sair dessa situacao, ela sera encurralada e pressionada ate o fim.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s