Primeira Presidência Finge Responder Acusações Sobre Finanças

De acordo com reportagem do The Washington Post, a “Igreja Mórmon engana membros [da Igreja] sobre fundo de investimentos isento de impostos de USD 100 bilhões”.

Russell M. Nelson (centro) e seus dois conselheiros na Primeira Presidência, Dallin H. Oaks (esquerda) e Henry B. Eyring (à direita), em janeiro de 2018. | Imagem Cortesia de Intellectual Reserve.

O prestigioso jornal recebeu documentos da denuncia de um funcionário d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias registrada com a Receita Federal dos EUA alegando que a Igreja malversa e desvia USD 100 bilhões de um fundo supostamente destinado à caridade e a ajudas humanitárias.

Naturalmente, considerando o prestígio do jornal e a gravidade das acusações, a reportagem repercutiu nacional e internacionalmente nas mídias e nas redes sociais. Como seria de se esperar, a Igreja respondeu emitindo uma nota oficial diretamente das autoridades máximas da Igreja: A Primeira Presidência.

Não surpreendendo ninguém, a Primeira Presidência apenas fingiu responder as acusações.

Eis a nota oficial:

“Declaração da Primeira Presidência sobre Finanças da Igreja

Declaração fornecida em resposta a histórias na mídia

Levamos a sério a responsabilidade de cuidar dos dízimos e doações recebidas dos membros. A grande maioria desses fundos é usada imediatamente para atender às necessidades da Igreja em crescimento, incluindo mais capelas, templos, educação, trabalho humanitário e esforços missionários em todo o mundo. Ao longo de muitos anos, uma parte é protegida metodicamente por meio de uma sábia gestão financeira e pela construção de uma reserva prudente para o futuro. Esse é um sólido princípio doutrinário e financeiro ensinado pelo Salvador na Parábola dos Talentos e vivido pela Igreja e seus membros. Todos os fundos da Igreja existem por nenhuma outra razão senão apoiar a missão divinamente designada da Igreja.

Atualmente, as reivindicações em circulação são baseadas em uma perspectiva estreita e em informações limitadas. A Igreja cumpre todas as leis aplicáveis ​​que regem nossas doações, investimentos, impostos e reservas. Continuamos a abraçar a  oportunidade de trabalhar com oficiais [do governo] para solucionar as dúvidas que possam ter.”

Esta nota da Primeira Presidência parece cuidadosamente escrita para não explicar absolutamente nada enquanto oferece a impressão de que explicaram e responderam as críticas.

Leitores desatentos ou desonestos encontrarão facilidade para ignorar a reportagem do The Washington Post com o argumento de que a Primeira Presidência já “explicou” e “respondeu” ou mesmo “refutou” tal reportagem.

Leitores atentos ou honestos notarão que a Primeira Presidência esquivou-se de abordar quaisquer detalhes da reportagem, limitando-se a emitir as mesmas platitudes de sempre.

Vejamos em detalhes.

Contexto

Um resumo completo da reportagem encontra-se aqui, mas eis o cerne das acusações que a Primeira Presidência fingiu refutar:

1) A Igreja acumula 17% dos dízimos anuais (USD 1 bilhão) para investimentos financeiros.

“…os líderes da igreja enganam seus membros – e possivelmente viola as regras fiscais federais – armazenando suas doações excedentes em vez de usá-las para obras de caridade… [e usam] as doações isentas de impostos para sustentar um par de empresas [com fins lucrativos].”

“Organizações sem fins lucrativos, incluindo grupos religiosos, estão isentas nos Estados Unidos de pagar impostos sobre sua renda. A Ensign está registrada com as autoridades como organização de apoio e auxiliar integrada da Igreja Mórmon. Isso a permite que ela funcione como uma organização sem fins lucrativos e ganhe dinheiro em grande parte livre de impostos dos EUA.

A isenção exige que a Ensign opere exclusivamente para fins religiosos, educacionais ou outros fins beneficentes, condição que Nielsen afirma que a empresa não cumpre.”

“A igreja normalmente recebe cerca de US $ 7 bilhões por ano em contribuições dos membros, de acordo com a denúncia. Os mórmons, como membros de outros grupos religiosos, devem contribuir com 10% de sua renda para a igreja, uma prática conhecida como dízimo.

Enquanto cerca de US $ 6 bilhões dessa receita são usados para cobrir os custos operacionais anuais, os US $ 1 bilhão restantes são transferidos para a Ensign, que coloca parte de uma carteira de investimentos para gerar retornos, de acordo com a denúncia.

Com base em documentos contábeis internos de fevereiro de 2018, a reclamação estima que o portfólio tenha aumentado de US $ 12 bilhões em 1997, quando a Ensign foi formada, para cerca de US $ 100 bilhões hoje.

A igreja também possui imóveis no valor de bilhões de dólares, de acordo com a denúncia, que se concentra com o excesso de dízimo e diz que a igreja pode ter propriedades adicionais não gerenciadas pela Ensign.

Ao acumular essa riqueza, a Ensign não financia diretamente nenhuma atividade religiosa, educacional ou de caridade há 22 anos, disse a queixa. Nenhum documento é fornecido para apoiar esta reivindicação, que é atribuída às informações que David Nielsen obteve ao trabalhar na empresa.”

2) A Igreja utilizou parte desses fundos oriundos de dízimos para financiar empreitadas com fins lucrativos.

Além de criticar a escala de riqueza acumulada pela igreja, a denúncia de Nielsen acusa os líderes da igreja de agirem de modo inapropriado nas raras ocasiões em que os fundos foram pagos pela divisão de investimentos.

Segundo Nielsen, US $ 2 bilhões da Ensign foram usados ​​na última década para resgatar uma companhia de seguros administrada pela igreja e um shopping center em Salt Lake City, que era uma joint venture entre a igreja e uma grande empresa imobiliária.

Citando uma apresentação interna que ele inclui em sua documentação, Nielsen alega que, em 2009, a Ensign gastou recursos para resgatar a empresa de seguros Beneficial Life, que estava sofrendo com a exposição a títulos lastreados em hipotecas em meio à crise financeira.

Na época, um jornal de propriedade da igreja informou que outra empresa comercial da igreja, a Deseret Management, havia injetado US $ 594 milhões na Beneficial Life para compensar seu déficit. Mark Willes, presidente e executivo-chefe da Deseret Management, teria dito que nenhum dinheiro do dízimo fora usado na transação.

No entanto, a apresentação interna fornecida à Receita Federal por Nielsen refere-se a um “saque” de US $ 600 milhões da Ensign para a Beneficial Life em 2009, citando uma página da apresentação de slides da Ensign intitulada “Framework and Exposures“, datada de março de 2013. Nielsen disse que os fundos foram extraídos especificamente da conta da Ensign que justamente recebe o dízimo excedente. Nielsen disse que a transferência não foi tratada como um empréstimo e não foi registrada como um investimento no balanço da Ensign.

Apesar do resgate, a Beneficial Life anunciou que demitiria 150 de seus 214 funcionários em Utah e deixaria de emitir novas apólices de seguro.

(…)

A denúncia da Nielsen alega ainda que, entre 2009 e 2014, a Ensign injetou US $ 1,4 bilhão em várias parcelas no City Creek Center, um shopping com um teto retrátil no centro de Salt Lake City. O shopping, parcialmente pertencente à igreja, também foi atingido pela crise financeira.”

Nota da Primeira Presidência

A nota da Primeira Presidência apenas finge responder essas duas acusações principais.

O primeiro parágrafo confessa que a denúncia e a reportagem do The Washington Post está correta e é verídica. Eufemismos como “a grande maioria desses fundos”, “uma parte é protegida metodicamente”, “sábia gestão financeira”, e “reserva prudente para o futuro” nada mais escondem os detalhes expostos pelo prestigioso jornal, sem questioná-los.

Passa-se a impressão de que a Primeira Presidência refutou a reportagem do The Washington Post, porém abertamente admitindo que ela está correta.

“Levamos a sério a responsabilidade de cuidar dos dízimos e doações recebidas dos membros. A grande maioria desses fundos é usada imediatamente para atender às necessidades da Igreja em crescimento, incluindo mais capelas, templos, educação, trabalho humanitário e esforços missionários em todo o mundo. Ao longo de muitos anos, uma parte é protegida metodicamente por meio de uma sábia gestão financeira e pela construção de uma reserva prudente para o futuro. Esse é um sólido princípio doutrinário e financeiro ensinado pelo Salvador na Parábola dos Talentos e vivido pela Igreja e seus membros. Todos os fundos da Igreja existem por nenhuma outra razão senão apoiar a missão divinamente designada da Igreja.”

O segundo, e mais curto, parágrafo nada mais limita-se a vaga e ambiguamente declarar que a Igreja cumpre com as leis. Em nenhum momento, a Primeira Presidência refuta as acusações de desvio de dinheiro para empresas com fins lucrativos, detalhadas na reportagem em casos específicos que a Primeira Presidência ignora em sua nota, e escondendo-se atrás da meia-verdade contada repetidas vezes ao longo dos anos, e discutida na reportagem do The Washington Post, que a Igreja não usa dinheiro de dízimos para suas empresas com fins lucrativos.

“Atualmente, as reivindicações em circulação são baseadas em uma perspectiva estreita e em informações limitadas. A Igreja cumpre todas as leis aplicáveis ​​que regem nossas doações, investimentos, impostos e reservas. Continuamos a abraçar a  oportunidade de trabalhar com oficiais [do governo] para solucionar as dúvidas que possam ter.”

Pode-se afirmar tratar-se de meia-verdade porque é óbvio para qualquer leitor atento e honesto que a Igreja está argumentando que os dinheiros investidos em empresas com fins lucrativos não vieram diretamente dos fundos de dízimos, mas apenas dos lucros dos investimentos dos fundos de dízimos.

Como a própria reportagem do The Washington Post admitiu, leis e regras do Fisco que regulamentam o uso de fundos religiosos são notoriamente vagos e abertos para múltiplas interpretações, e certamente a uma empresa multibilionária como a Igreja Mórmon não faltará um exército de advogados bem pagos para argumentar que tais desvios de fundos se encaixem na declaração de que a “Igreja cumpre todas as leis aplicáveis que regem [suas] doações, investimentos, impostos e reservas”.

No frigir dos ovos, a declaração oficial da Primeira Presidência nada mais confirma a veridicidade da denúncia e da reportagem do The Washington Post. Ela admite que acumula dízimos excedentes para investimentos financeiros e ela não nega que desviou os lucros desses investimentos com dinheiro de dízimos para fins lucrativos.

Fingir que a declaração oficial da Primeira Presidência “refuta” a reportagem do The Washington Post exige muita inatenção ou desonestidade. Será isso o efeito pretendido pela Primeira Presidência? Estudantes da história mórmon sabem que isso não seria a primeira vez.


Leia mais sobre empreendimentos financeiros da Igreja (1)

Leia mais sobre empreendimentos financeiros da Igreja (2)

Leia mais sobre empreendimentos financeiros da Igreja (3)

Leia mais sobre empreendimentos imobiliários da Igreja (1)

Leia mais sobre empreendimentos imobiliários da Igreja (2)

Leia mais sobre empreendimentos imobiliários da Igreja (3)

Leia mais sobre remunerações para os executivos da Igreja (1)

Leia mais sobre remunerações para os executivos da Igreja (2)

11 comentários sobre “Primeira Presidência Finge Responder Acusações Sobre Finanças

  1. Acompanho vocês bastante. Gostaria de saber se o Vozes Mórmons é um site jornalístico imparcial ou parcial, se é somente um site para transmitir informações do mormonismo de forma imparcial ou parcial, se é um site que estuda o movimento mórmon de forma imparcial ou parcial e pq não mais temos os nomes de quem postou o artigo, mesmo sendo integrante do corpo do Vozes Mórmons citado em “sobre nós”. Faço esses questionamentos porque alguns artigos não me parecem parciais e sim com o intuito de “atacar” o movimento. Um exemplo é esse artigo, ficou muito legal a análise comparando a publicação do Washington Post com a declaração da Primeira Presidência, porém, a palavra “fingir” conota parcialidade, ou seja, um ponto de vista. Pode ser que esse ponto de vista tenha sido unânime entre os editores do Vozes Mórmons, mas, se a ideia é transmitir informações para reflexão e incentivo ao estudo, se me permitem, sugiro a imparcialidade. Sou ativo na igreja, parabenizo-os pelo trabalho do site abordando diversos conteúdos para estudo e reflexão, todavia fico triste pela parcialidade e pressuposição de ataque ao movimento mórmon.

    • Agradecemos a honestidade e educação de suas perguntas, Eduardo. Acima de tudo, agradecemos sua participação aqui ao longo dos anos.

      Gostaria de saber se o Vozes Mórmons é um site jornalístico imparcial ou parcial

      Não existe “site jornalístico imparcial”. Todo ser humano tem seu próprio viés, suas crenças pessoais, seus interesses, e seus pontos de vista.

      Existem padrões de imparcialidade jornalística, aos quais tentamos nos manter aqui no Vozes Mórmons, assim como os melhores jornais. Respeitamos, acima de tudo, os fatos objetivos e valorizamos documentações verificáveis, e procuramos manter-nos sempre atualizados e atrelados às evidências racionais e confirmáveis.

      “se é somente um site para transmitir informações do mormonismo de forma imparcial”

      Sim, mas não somente. Também promovemos o estudo acadêmico do mormonismo.

      “se é um site que estuda o movimento mórmon de forma imparcial”

      Sim, e a forma como tentamos manter a imparcialidade dos estudos é a inclusão de mórmons de crenças e pontos de vistas diferentes como autores, além de manter um padrão de objetividade em nossas publicações.

      “pq não mais temos os nomes de quem postou o artigo”

      Nós temos. Artigos que não são de autoria coletiva continuam sendo assinados por seus respectivos autores. Basta clicar na seção ao lado direito da tela (em computadores) ou acima (em celulares) de “autores”.

      “Faço esses questionamentos porque alguns artigos não me parecem parciais e sim com o intuito de “atacar” o movimento.”

      Absolutamente nenhum artigo tem o “intuito de atacar o movimento”. Citar fatos não “ataca” nada ou ninguém, mas permite substrato para que cada leitor analise os contextos históricos ou sociais nos quais tais fatos se encontram inseridos. Sem conhecer os fatos, é impossível analisar racionalmente contextos históricos ou sociais.

      “Um exemplo é esse artigo, ficou muito legal a análise comparando a publicação do Washington Post com a declaração da Primeira Presidência, porém, a palavra “fingir” conota parcialidade, ou seja, um ponto de vista.”

      O verbo “fingir” nada mais é que um resumo sucinto de todas as evidências demonstradas e articuladas claramente no artigo.

      Poderíamos ter usado o verbo “mentir”, porém o mais brando “fingir” nos pareceu mais imparcial e menos julgamentoso. Não obstante, ambos seriam factualmente corretos frente aos fatos estabelecidos.

      Como o artigo acima denota, a Primeira Presidência explicitamente afirmou que sua nota oficial pretendia ser uma “[d]eclaração fornecida em resposta a histórias na mídia”, mas como qualquer leitor objetivo e imparcial percebe ao ler a nota, e o nosso artigo esmiuçando a nota, absolutamente nada foi oferecido em termos de “resposta a histórias na mídia” exceto platitudes vagas e tangenciais. (Não vamos nos alongar sobre o assunto pois encontra-se discutido no artigo acima)

      Ou seja, a afirmação da Primeira Presidência de oferecer uma “[d]eclaração fornecida em resposta a histórias na mídia” simplesmente é contradita pelos fatos objetivos. Trata-se de uma inverdade, ou uma mentira, ou um distração. Nós usarmos o verbo “fingir”, ou “mentir”, ou “enganar”, ou “distrair”, etc., estaria amplamente embasado em fatos e argumentos racionais expostos no artigo, e o desconforto com quaisquer destes é mais um reflexo da sua imparcialidade pessoal do que de uma análise imparcial, racional, e neutra dos fatos e dos argumentos em si.

      “Pode ser que esse ponto de vista tenha sido unânime entre os editores do Vozes Mórmons, mas, se a ideia é transmitir informações para reflexão e incentivo ao estudo, se me permitem, sugiro a imparcialidade. Sou ativo na igreja, parabenizo-os pelo trabalho do site abordando diversos conteúdos para estudo e reflexão, todavia fico triste pela parcialidade e pressuposição de ataque ao movimento mórmon.”

      É mister notar que a sua imparcialidade pessoal, em nenhum momento, lhe parece ser um mistério ou uma surpresa. Agradecemos os elogios e sua leitura. Dito isso, nós sugerimos que sua tristeza possa ter mais a ver com seus sentimentos sobre como a Primeira Presidência prometeu uma “resposta a histórias da mídia” e não cumpriu esta promessa.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.