Teodemocracia II

O estabelecimento do Reino de Deus nos últimos dias é um dos temas que norteava as ações de Joseph Smith e os primeiros conversos mórmons na sua busca por Sião. Muitos mórmons modernos e estudiosos iniciantes do mormonismo ficarão surpresos, porém, ao saber que a Igreja estabelecida em 1830 não era vista por Joseph Smith como o Reino de Deus na terra. Quase quatorze anos após a fundação da Igreja de Cristo em Palmyra, Joseph Smith falava sobre o estabelecimento de um alicerce desse reino em tempo futuro:

Acredito ser um dos agentes no estabelecimento do reino visto por Daniel, através da palavra do Senhor, e é minha intenção estabelecer um alicerce que revolucionará o mundo inteiro. (Joseph Smith, maio de 1844, Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p.357)

A organização de um conselho com pretensões teocráticas na cidade de Nauvoo, poucos meses antes de seu assassinato, mostra que Joseph Smith de fato estabeleceu um alicerce do reino divino visto por antigos profetas, através do Conselho dos 50. O que foi esse Conselho? Quais seus objetivos? Que relação tinha com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias?

Este post é a continuação de uma série que iniciei no ano passado sobre Teodemocracia. Para melhor entendimento do conceito, sugiro a leitura deste primeiro artigo.
 

A diferença entre a Igreja de Jesus Cristo e o Reino de Deus

Muitas vezes ouvimos a afirmação de que a IJCSUD é o Reino de Deus na terra. É interessante ver como esse é um conceito moderno e diferente daquele ensinado por Joseph Smith, seus contemporâneos e sucessores imediatos na presidência da Igreja.

Vamos recorrer a uma metáfora para poder entender a diferença entre essas duas instituições.

Cores e tons

B. H. Roberts

Muitas vezes podemos ficar em dúvida se um tecido ou objeto é verde ou azul, porque aquela cor está no limite entre as duas. De forma semelhante, muitas vezes usamos de forma intercalada diversas expressões para nos referirmos à mesma coisa, sem ter certeza da sua singularidade. B. H. Roberts fala do uso intercalado de ‘Igreja”, “Reino” e outras expressões como sinônimos, afirmando, no entanto, que Joseph Smith reconhecia uma distinção entre os dois:

“(…) nas escrituras sagradas (…) as expressões Reino de Deus, Reino dos Céus, a Igreja de Cristo, Igreja de Deus, a Igreja, etc., são muitas vezes usadas intercalada e indiscriminadamente (…). Mas é adequado (…) saber que Joseph Smith (…) reconhecia uma distinção entre “A Igreja de Jesus Cristo” e o “Reino de Deus”. (…) E [Joseph] efetuou a organização de um núcleo do Reino acima referido (…).” (B. H. Roberts, The Rise and Fall of Nauvoo, p. 180, 181)

Mas como distinguir uma organização da outra?

Voltemos ao exemplo das cores. Se perguntarmos aqui quantos tons tem a cor branca, talvez haja quem diga que o branco não tem tons. Um ou outro lembrará do “branco gelo”, pelo que poderá ser questionado se é realmente branco, etc.. No entanto, em uma comunidade esquimó, teríamos listados dezenas de tons da cor branca.

O que faz o povo esquimó ter esta riqueza em sua linguagem? O que os faz perceber tonalidades invisíveis aos nossos olhos? Com certeza, o fato de viverem em meio ao gelo e à neve faz com que sua percepção se aguce a tal ponto que possam distinguir e referir-se a diferentes tons do branco. Também deve ser mencionada aqui a necessidade que devem sentir para se localizar ou interagir a respeito do ambiente em que vivem.

Retomando a citação de B. H. Roberts, ao nos familiarizarmos mais com a história mórmon, poderemos ver que em meio ao branco, há diferentes tonalidades nas expressões usadas para se referir à organização de Deus na terra. Se não estivermos familiarizados com a ideia de que a restauração do evangelho incluiu o estabelecimento de outras organizações além da Igreja de Cristo, não teremos como distinguir as demais organizações, especialmente pelo fato de tais informações não estarem disponíveis nas publicações oficiais da Igreja sud.

Sacerdócio como governo

Joseph Smith definiu o sacerdócio como sendo “uma lei perfeita de teocracia e [que] se coloca como Deus para dar leis ao povo”. Provavelmente pensando nos diferentes níveis de conhecimento e retidão do povo, correspondendo talvez à sua visão dos três graus de glória, Joseph Smith concebeu pelos menos três formas de governo do sacerdócio, investidos em três diferentes organizações – a Igreja de Jesus Cristo, a Igreja do Primogênito ou Ordem Sagrada, e o Reino de Deus. O último abrigaria a porção do sacerdócio destinada ao governo da humanidade, sem pretensões de conversão religiosa ou filiação à Igreja sud. Em outras palavras, o Reino de Deus guiaria os assuntos políticos e sociais da humanidade como a parte mais externa do sacerdócio.

“Mas não é a Igreja”

De acordo com Brigham Young, esse Reino na terra não era a Igreja de Jesus Cristo:

“(…) Esse reino está atualmente organizado e os habitantes da terra não o conhecem. (…) Esse reino cresce a partir da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias mas não é a Igreja.” (Brigham Young, Journal of Discourses 2:310)

É óbvio que os habitantes da terra sabiam da existência de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, tanto que a perseguiram, fazendo com que o corpo principal dos santos buscasse refúgio nas Montanhas Rochosas. No entanto, Brigham Young nos diz que o mundo desconhecia a existência do Reino de Deus. Isso obviamente contradiz o entendimento hoje comum entre os membros da Igreja sud, de que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o próprio reino de Deus na terra. O apóstolo Bruce R. McConckie, por exemplo, em seu clássico Mormon Doctrine, afirma que “a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias como hoje constituída é o reino de Deus na terra. Nada mais precisa ser feito para estabelecer o reino” (Bookcraft, 1979, p. 415).

Aqui poderíamos questionar se tal distinção não seria uma inovação doutrinária introduzida por Brigham Young. Como nos diz B. H. Roberts, foi Joseph Smith quem ensinou esse ensinamento de forma individual e nos círculos mais reservados do sacerdócio e formando de fato um núcleo do Reino.

O Conselho dos 50

O núcleo de tal Reino, referido por B. H. Roberts, foi conhecido como o Conselho dos 50, uma organização estabelecida por Joseph Smith em Nauvoo e que reunia esse número aproximado de homens, incluindo dois “gentios” (não-membros). Era um conselho independente da Igreja SUD e que se ocupava principalmente de estabelecer um governo teocrático que garantisse a liberdade para os mórmons e toda a humanidade. O Conselho dos 50 foi a última organização estabelecida por Joseph Smith, poucos meses antes de seu assassinato.

O Conselho dos 50 foi organizado em Nauvoo no dia 11 de março de 1844. Uma revelação divina deu o nome completo ao Conselho:

“Assim diz o Senhor, este é o nome pelo qual vocês serão chamados, o Reino de Deus e suas Leis, com suas Chaves e poder, e julgamento nas mãos de seus servos, Ahman Cristo.” (William Clayton, An intimate chronicle: the journals of William Clayton, p. 153. Signature, 1995)

Benjamin F. Johnson

Um dos membros originais dos 50, Benjamin F. Johnson assim definiu aquela organização:

o reino de Deus em embrião sobre a terra – uma organização distinta da Igreja, um núcleo de governo popular que existirá para todas as pessoas. (…) formado por representantes de cada nação, principado e tribo (…); um governo de Deus para o povo e pelo povo, no qual o homem será ensinado a governar a si mesmo, o qual continuará ao longo do período milenar como o muro ou governo externo em torno do templo interno do sacerdócio (…). (BenjaminF. Johnson, My life’s review: autobiography of Benjamin F. Johnson. Grandin. Provo, 1997.)

Os planos iniciais do Conselho dos 50, de acordo com seu secretário William Clayton, incluíam dois movimentos aparentemente contraditórios: por um lado, a busca de um novo local, fora dos EUA, para a migração dos santos, sendo a jovem República do Texas uma das mais fortes possibilidades à época; por outro, a campanha de Joseph Smith à presidência dos EUA (ibidem, p. 154). O resultado dos dois movimentos nos é conhecido: a campanha de Joseph Smith foi interrompida com seu assassinato, enquanto o êxodo dos santos para fora dos EUA realmente ocorreu, ainda que pese o fato de que uma nação independente como almejada não foi formada, mas acabou por tornar-se um novo estado norte-americano.

Com a total “americanização” de Utah, especialmente a partir da década de 1890, com o fim do casamento plural e da adoção, a concepção do Reino como uma organização distinta e acima da Igreja de Jesus Cristo foi perdida, passando-se então a adotar uma visão subjetivista e genérica do Reino sendo a própria Igreja, sem reivindicar poder temporal algum.

Os primórdios do séc. XX viram o ocaso e morte do Conselho dos 50. O entendimento de sua existência e funções, no entanto, permanece como uma das mais importantes chaves para a compreensão de Joseph Smith e o mormonismo.

63 comentários sobre “Teodemocracia II

  1. Irmão, semana passada li um livro onde menciona a peregrinação do povo mormom ás montanhas. Foi interessante saber de um home que, após escapar da morte de guerra, peregrinou todo o deserto mas, ao ver sua extensão simplesmente esperou a morte vir sobre ele e uma menininha que ele salvou da chacina. Quando suas esperanças acabaram, surgem as caravanas mormons, que o leva junto. Depois de muitos anos, quando a moça cresceu e se tornou uma das mais belas moças da comunidade, os anciãos foram avisar ao homem que devia oferecê-la a um dos dois homens mais honrados da época. Um deles ‘só tinha três esposas e o outro sete’, conta a narrativa.

    A moça apaixona-se por um vaqueiro e, tendo acabado o prazo que os anciãos deram ao pai adotivo, fugiu para as montanhas. Foram os três: pai, filha e o amor da vida dela.

    Não demorou e os rapazes que a pretendiam disputar os alcançaram e mataram o pai da moça, levaram ela para a comunidade e fez-se o casamento forçado com ela, que morreu dias depois de desânimo e maus tratos.

    O noivo real da moça decide viver o resto de sua vida como perseguidor do assassino de seu amor e nessa viagem chegam à Europa. Finalmente ele se vinga em Londres, o que rende a primeira investigação do mais famoso investigador inglês e mundial: Sherlock Holmes.

    É uma história muito empolgante, conhece?

    O nome do livro é “Um estudo em vermelho”.

    Agora vem a minha pergunta: Como os mormons poderiam ser o “reino dos Deuses aqui na terra” se cometiam tais atrocidades?

    Apóstolo TDS

    • Wandrey,

      “Um estudo em vermelho” é uma apaixonante obra de ficção. De ficção.

      Ela tem relevância histórica, claro, em mostrar a percepção que os europeus (ou o mundo ocidental em geral) tinham a respeito dos mórmons, uma minoria religiosa “estranha” e isolada no oeste dos EUA. Arthur Conan Doyle publicou o livro antes de ir a Utah, usando provavelmente literatura de “exposé”, contrária à poligamia e outras práticas e crenças mórmons. Na “terra dos mórmons”, Doyle deu uma palestra sobre espiritualismo e foi recebido por autoridades da Igreja.

      A literatura e a arte em geral nos dão boas dicas de como certos grupos sociais eram ou são vistos – mulheres, negros, judeus, ciganos, índios, etc. Mas suas representações devem ser vistas com cautela.

      Havia violência em Utah? Claro que sim. Muito da violência no entanto refletia parte do contexto e dinâmica do “velho oeste”, como os crimes de honra, por exemplo. Parte por razões religiosas também, quando indivíduos se colocavam na posição de instrumentos da ira divina contra os perseguidores. Na história mórmon, os membros foram inicialmente vítimas de linchamentos, assaltos, assassinatos, etc. Mas houve também retaliações violentas por parte de mórmons, como assassinatos de norte-americanos não-mórmons ou castração de homens acusados de fornicação, etc. Porém, casamentos forçados e maus-tratos de mulheres – como mencionados no livro de Arthur Conan Doyle – é algo que desconheço totalmente na cultura dos pioneiros mórmons.

      Um abraço e obrigado pelo comentário!

      P.S.: para quem quiser ler em inglês a edição original de A Study in Scarlet, com ilustrações, aqui vai: http://www.artintheblood.com/george/stud1.htm

      • Obrigado, irmão Teixeira. Fiquei satisfeito com suas palavras. Muito legal de sua parte se preocupar em sanar as dúvidas.

        Grande abraço e estarei por aqui, aprendendo de todos vocês

    • Oi, Marcos,

      aqui vai a citação de B. H. Roberts:

      ” . . . the subject is spoken of in holy scripture where the phrases Kingdom of God, Kingdom of Heaven, the Church of Christ, Church of God, the Church, etc., are often used interchangeably and indiscriminately to represent in a general way that divine institution which God in whole or in part from time to time establishes to help man in the matter of his salvation. But it is proper for the reader to know that Joseph Smith when speaking strictly recognized a distinction between ‘The Church of Jesus Christ’ and the ‘Kingdom of God.’ And not only a distinction but a separation of one from the other. . . . Such in substance, was the teaching of the Prophet on this subject. Not publicly, or at least not very publicly; but he taught the foregoing in the counsels of the Priesthood as many testify, and effected an organization as a nucleus of the Kingdom above referred to . . .” (B. H. Roberts, The Rise and Fall of Nauvoo; [Salt Lake City, Utah: Bookcraft, Inc., 1965], p. 180,181)

      Você vai notar que anda tem uma omissão. A motivo para isso é que eu não possuo esse livro, de forma que achei a citação em um artigo que incluía essas reticências.

      • A citação de Brigham Young:

        “As was observed by Brother Pratt that kingdom is actually organized and the inhabitants of the earth do not know it. If this people know anything about it, all right; it is organized preparatory to taking effect in the due time of the Lord, and in the manner that shall please Him. As observed by one of the speakers this morning, that kingdom grows out of the Church of Jesus Christ of Latterday Saints, but is not the Church, for a man may be a legislator in that body which will issue laws to sustain the inhabitants of the earth in their individual rights and still not belong to the Church of Jesus Christ at all.”(J.D. 2:310, 8 July 1855)

        Você pode encontrar qualquer citação tirada do Journal of Discourses online neste link http://www.journalofdiscourses.org/

        Abraços!

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.