O Sacerdócio, por Hugh Nibley

hughnibleyHugh Nibley (1910-2005)

O sacerdócio deixa de ser eficaz quando exercido “em qualquer grau de iniqüidade” (D&C 131:37), mas ele opera pelo espírito e o espírito não é enganado, mas é extremamente sensível ao menor sinal de fraude, fingimento, auto-justificação, ambição, crueldade, etc.. “Quando nos propomos… a exercer controle ou domínio ou coação sobre a alma dos filhos dos homens, em qualquer grau de iniqüidade, eis que os céus se afastam; o Espírito do Senhor se magoa e quando se magoa, amém para o sacerdócio ou autoridade desse homem” (D&C 121:37). Mas e o domínio justo do sacerdócio? Este pode ser facilmente reconhecido, pois opera apenas por “persuasão, com longanimidade, com brandura e mansidão e com amor não fingido; com bondade e conhecimento puro, que grandemente expandirão a alma, sem hipocrisia e sem dolo… com as entranhas cheias de caridade a todos os homens” (D&C 121:41-45). Mesmo nas eternidades o poder do sacerdócio flui “sem ser compelido… eternamente” (D&C 121:46).

Quem pode negar tal poder a outro? Nenhum homem. Quem pode conferi-lo a outro? Nenhum homem. Gostamos de pensar que a Igreja se divide entre aqueles que o tem e aqueles que não o tem; mas é a mais pura tolice achar que podemos dizer quem o tem e quem não o tem. Apenas Deus sabe quem é justo e até que ponto justo; no entanto, “os direitos do sacerdócio são inseparavelmente ligados com os poderes do céu” e estes “não podem ser controlados ou exercidos a não ser de acordo com os princípios de retidão” (D&C 121:35). O resultado é que se há alguém que realmente porta o sacerdócio, ninguém está em posição de dizer quem é – apenas pelo poder de comandar os espíritos e elementos tal dom é aparente. Mas no que se refere a comandar ou dirigir outras pessoas, cada homem deve decidir por si mesmo.

O Senhor nos deu uma dica valiosa, entretanto: a certeza de que dentre aqueles que “portam” o sacerdócio, quase nenhum realmente o possui. Que os direitos do sacerdócio “nos podem ser conferidos, é verdade”, fazendo de nós formalmente portadores do sacerdócio, mas “quando nos propomos… a exercer controle ou domínio ou coação sobre a alma dos filhos dos homens, em qualquer grau de iniqüidade”, o sacerdócio é vão. E isto é assim em “quase todos” os casos na Igreja: “aprendemos, por tristes experiências, que é da natureza e índole de quase todos os homens, tão logo suponham ter adquirido um pouco de autoridade, começam a exercer imediatamente domínio injusto. Portanto muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (D&C 121:39-40).

O que se deve fazer para ser escolhido?

Primeiro, não se deve colocar seu coração nas coisas deste mundo (D&C 121:35) – isto basta para o sacerdócio como algo para se exibir; de forma que não se aspire às honras dos homens; isto basta para o sacerdócio como algo de prestígio. Não se pode exercer qualquer poder do sacerdócio em qualquer grau de iniqüidade – isto é em total reconhecimento do fato de que “é a natureza de quase todos os homens” fazer exatamente isso assim que pensam ter poder e autoridade.

Aqui sobram algumas poucas pessoas humildes, despretensiosas e espirituais como os únicos portadores de um sacerdócio válido. São os “poucos humildes seguidores de Cristo” que são a força da Igreja ao longo da história do Livro de Mórmon.

Que ironia. No que se refere ao mundo inteiro, o sacerdócio é algo de valor, o qual é cruel de ser restringido a alguém, pois incrementa o status e dignidade de uma pessoa entre os seus, seja dentro ou fora da Igreja. E, no entanto, o que torna esse sacerdócio completamente nulo e vão é tratá-lo como algo a ser aspirado entre os seus. O sacerdócio é basicamente um arranjo entre o indivíduo portador do sacerdócio e seus irmãos nos mundos eternos, tão pessoal e privado quanto qualquer coisa pode ser.

Podemos ainda reconhecer que o que quer que digamos ou façamos em retidão pode ser mal interpretado. A única maneira de deixar as coisas mais fáceis para nós é seguir o caminho do mundo. Seria difícil negar que a paz e a prosperidade da Igreja em anos recentes têm sido grandemente o fruto da disposição de seguir o caminho que mundo segue.

Onde toda a verdade é incluída em um grande todo, levantar uma questão é levantar muitas outras, e qualquer assunto relevante ao evangelho inevitavelmente leva à discussão da coisa inteira.

Mas o sacerdócio não é tudo? Não nesta terra. Nesta terra ele não é nada, e assim que tentamos usá-lo para qualquer tipo de status, poder, domínio ou autoridade, ele automaticamente é cancelado.

Para repetir, como tendemos a fazer por falta de inteligência, para aqueles que portam o sacerdócio nesta terra, ele é, segundo o profeta Joseph Smith, “um fardo oneroso” e não um prêmio. Ninguém pode dar ordens a outro pelo sacerdócio.  Ninguém pode usá-lo para adquirir prestígio, fama ou riqueza.  Longe de impressionar os semelhantes, ele é tratado com desdém por eles. No momento em que se tenta obter honra, glória ou exercer domínio pelo sacerdócio, “amém ao sacerdócio desse homem” – ele automaticamente se torna vão e nulo. Que proveito ele tem então? Sobre quem ele exerce domínio? Sobre os espíritos e sobre os elementos – não sobre o próximo, que em nenhuma circunstância pode ser privado do seu completo livre arbítrio.

Ainda que alguns possam duvidar, não encontro motivo para me vangloriar do meu sacerdócio – nada é mais fácil do que conferi-lo a mim, mas isso é só o início; pois para que seja um poder real, requer um grau de concentração, dedicação e auto-disciplina que poucos jamais alcançam. E para os demais, o sacerdócio não é uma bênção, mas um risco terrível. O sacerdócio não é a insígnia de uma patente para ser usado como uma pena no chapéu.

Nós realmente acreditamos na Primeira Visão? Milhares de Santos dos Últimos Dias atestam isso a cada domingo de jejum; mas quando o melhor, mais completo e antigo relato da Primeira Visão, ditado a Frederick G. Williams pelo Profeta, aos 26 anos, foi descoberto e publicado em 1968, não causou o menor interesse na Igreja. Aparentemente é o suficiente saber que Deus falou novamente desde os céus – não interessa o que Ele disse.

A lição mais útil é o silêncio do céu sobre este assunto particular à luz de nossa própria e terrível ignorância. Há uma ligação entre os dois.  Onde as pessoas não buscam sabedoria e conhecimento, Deus não os dará a elas, de forma que permanecem em ignorância e sem pedir ajuda do alto.

Nada agrada mais a Deus do que seus filhos buscando “mais luz e conhecimento” – foi por isso que Adão, Abraão, Enoque, Moisés e Joseph Smith foram agraciados com as mais ricas bênçãos. Nada o desagrada mais do que “buscarem poder e autoridade e riquezas” (3 Néfi 6:15). Ao longo dos anos, os Santos dos Últimos Dias têm consistentemente buscado não aquele, mas estes últimos. É correto e apropriado que possamos ficar de molho por um tempo.

“Busquei as bênçãos dos pais… desejando também ser possuidor de grande conhecimento e ser maior seguidor da retidão e possuir maior conhecimento” (Abraão 1:2).

Duas vezes ele repete: ele quer conhecimento.

Até o final, mesmo depois de ter aprendido todas as doutrinas de salvação, Adão ainda “busca mais luz e conhecimento” e por tal conhecimento nós devemos buscar eternamente. Mas o que ouvimos? Um ex-reitor da BYU anunciou pomposamente numa convenção de educadores que na BYU não estamos buscando a verdade, porque temos a verdade! É assim que estamos hoje. É comum na BYU os alunos protestarem quando lhe é ensinado algo que não conheciam antes: “Por que murmurais por receberdes mais palavras minhas? … E porque disse uma palavra não deveis supor que não possa dizer outras; pois meu trabalho ainda não está terminado nem estará até o fim do homem nem desde aí para sempre” (2 Néfi 29:8-9).

O fato é que os Santos dos Últimos Dias “não procuram conhecimento nem compreendem grande conhecimento, quando lhe é dado com clareza, sim, tão claramente quanto o podem ser as palavras” (2 Néfi 32:7). Simplesmente não estão interessados.

Como sabemos pouco. Como queremos saber pouco. A informação está lá, muito mais abundante do que nos dispomos a entender, caso a busquemos. Esperar por uma revelação sobre o assunto é tolice enquanto não esgotarmos todos os recursos já colocados à nossa disposição.

O forte preconceito foi há muito estendido aos índios por mórmons em altas posições, ainda que os mórmons sejam os únicos no mundo a acreditar que os índios são nada menos que do puro sangue de Israel.

Tais atitudes são fortalecidas pelo esnobismo da classe média americana; os mórmons gostam de se ver como WASPs – no entanto, foram os americanos cristãos, protestantes, brancos, rurais, que o Senhor com seus próprios lábios desaprovou, falando ao jovem profeta, como hipócritas; disse Ele: “estão todos errados.. seus credos são uma abominação à sua vista… esses mestres são todos corruptos: eles se aproximam de mim com seus lábios, mas seus corações estão longe de mim, tendo aparência de religiosidade, mas negam o seu poder” (Joseph Smith- História 1:19).

Há aqueles na Igreja que identificariam Sião com “Executive Residence, o condomínio exclusivo para as pessoas certas”.

É necessário repetir: sobre quem o sacerdócio exerce poder? Sobre os espíritos e sobre os elementos – nunca sobre o próximo, cujo livre arbítrio é absoluto e inalienável.

Cristo ordenava os espíritos e eles o obedeciam; ele ordenava os elementos e eles o obedeciam. Mas ele não comandava homens e repreendeu os apóstolos em Cafarnaum por sugerirem isso: “quantas vezes tentei reuni-los… e não o fizeram”.

O que é então o sacerdócio sobre esta terra? Foi Brigham Young e os Doze que escreveram no Times and Seasons em 1839, chamando o sacerdócio de um “dever oneroso”, um fardo a ser carregado”. Muito poucos homens, inclusive na igreja, estão realmente qualificados. Em termos de prestígio, status, poder, influência, prazer, privilégio, “poder e autoridade e riquezas” (3 Néfi 6:37), o sacerdócio não tem absolutamente nada a oferecer. O mundo ri dele, os Santos dos Últimos Dias dele abusam ou o ignoram, e aqueles que o tomam seriamente o fazem com “temor e tremor”.

Tradução de Antônio Trevisan Teixeira

Fonte: Sunstone, dezembro de 1990, pp. 10-11.

17 comentários sobre “O Sacerdócio, por Hugh Nibley

  1. Abaixo o site da sunstone.

    https://www.sunstonemagazine.com/

    Estranho a afirmativa de Nibley dizendo que os espiritos não tem livre arbítrio.
    No meu entender tem sim, só que decidem pelo certo, obedecem o certo, fazem o correto…

    Se o Sacerdocio pode comandar espiritos e elementos, não esqueçamos que tambem somos espiritos e os nossos corpos é um universo de elementos.

    Excelente artigo

  2. Obrigado Carlos… Interessante que a Fundação de Educação Sunstone tem como “missão patrocinar fóruns abertos de pensamento e experiência Mórmon.”

    Quanto aos espíritos mencionados por Nibley, acredito que o mesmo tenha se referido aos espíritos imundos, ou seja, o poder do sacerdócio para a realmente exorcizar, quando necessário.

    Obs. Ainda continuo curioso quanto a quais detalhes adicionais da Primeira Visão são mencionados no relato que Frederick G. Williams ouviu do Profeta.

    • O contexto da Narrativa do Elder Nibley é – Nós somos ignorantes nas coisas de Deus e permaneceremos assim porque não o buscamos para descobrir a verdadeira fonte de conhecimento indicado por Ele – O Espírito de Revelação. Denota no parágrafo seguinte a relação entre o SILÊNCIO DOS CÉUS e nossa IGNORÂNCIA.

      Concernente aos fatos escritos por Frederick G. Williams elas são Narrativas diferentes, para plateias diferentes em circunstâncias diferentes que causaram um reboliço entre os críticos da “História” dos fatos narrados pelo profeta acerca da Primeira Visão,

      Essa descoberta deixa claro que foram circunstanciadas por interesses pessoais do profeta Joseph Smith, provocando a ideia de que ele estaria criando (por má fé) alguns detalhes presentes em uma narrativa e inexistentes em outras.

      No entanto, isso não descaracterizou a essência da mensagem – Qual seria – O ESPÍRITO DE REVELAÇÃO foi restaurado na Terra, e qualquer pessoa digna e desejosa de receber a ordenança do batismo pode receber o DOM DO ESPÍRITO SANTO e seus respectivos dons de revelação e testemunho, e Joseph Smith e Oliver Cawdery, embora não fossem perfeitos, foram os primeiros desta Dispensação do Sacerdócio a recebê-los.

      (nota: o mau de todo historiador é querer interpretar tudo do mesmo modo: em tempos diferentes, para plateias diferentes e com circunstâncias desconhecidos ou parcialmente conhecidas).

      • O “mau de todo historiador” é a dificuldade para explicar conceitos historiográficos básicos e simples para leitores inteiramente ignorantes de historiografia, raciocínio lógico, e honestidade intelectual.

        Ricardo, sugerimo-lhe investir em algum livro texto introdutório de história. Leia um pouco sobre análises textuais, fontes primárias, e contextualização histórica. Com um pouco mais de compreensão básica, você entenderá porque seu comentário sobre “mau de todo historiador” não tem absolutamente nenhuma relevância com o mundo real (em contraste com o mundo imaginário criado na sua fantasia pessoal) e, quem sabe, aprenda a analisar racionalmente a evolução das narrativas de Joseph Smith (e de seus contemporânios) sobre a agora-chamada “primeira visão”.

        Alías, você pode ler todos os relatos traduzidos para português aqui.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.