Orson Pratt: Ser Mórmon É Ser Polígamo

O Apóstolo Orson Pratt  discursou sobre a eterna instituição do casamento plural na Conferência Geral de outubro de 1874:

CHL PH 4258it014 (1)

“Eu fui solicitado, esta tarde, a pregar sobre o assunto do casamento. É um assunto que tem sido frequentemente apresentado aos Santos dos Últimos Dias, e é certamente de grande importância para os santos, bem como para os habitantes da terra, pois eu presumo que nenhuma pessoa, que acredita na revelação divina, vai dizer que o casamento não é uma instituição divina, e se este for o caso, é uma que afeta toda a família humana…

Esta lei [do levirato], portanto, obrigou os filhos de Israel a ser polígamos; pois em muitos casos, o irmão vivo pode ser um homem casado, e em muitos casos pode haver dois ou três irmãos que teriam esposas e morrem sem deixar descendência, e, nesse caso, seria exercida pelo irmão sobrevivente a tomar todas as viúvas. Esta lei não foi dada para aquela geração apenas, mas para todas as gerações futuras. Alguns podem dizer, que quando Jesus veio, ele veio para acabar com essa lei. Eu duvido. Ele veio para acabar com a lei dos sacrifícios e das ofertas queimadas, e muitas dessas ordenanças e instituições, ritos e cerimônias que referiam-se ao tabernáculo e o templo, porque todos eles apontavam para ele como o grande e último sacrifício. Mas ele veio para acabar com todas estas leis que foram dadas nos cinco livros de Moisés? Não. Existem muitas dessas leis que foram retidas sob a dispensação cristã … As leis relativas à família e à regulamentação das instituições nacionais não tinham a intenção de cessar quando Jesus veio, e elas não expiraram tanto quanto elas foram desconsideradas pela iniquidade dos filhos dos homens. As leis sobre a monogamia, e as leis relativas à poligamia eram tão obrigatórias depois que Jesus tinha vindo, quanto eram antes de ele vir…

Ó, que terrível maldição sobre um homem que se recusou a tornar-se um polígamo, e não obedeceria à lei de Deus! A maldição pronunciada pelo Todo-Poderoso sobre ele, também os anátemas de todas as pessoas, bem como de Deus! A palavra do Senhor foi para que todas as pessoas devessem dizer amém para essa maldição. Agora, se eu tivesse vivido naqueles dias, eu não deveria tê-lo considerado muito desejável trazer-me sob a maldição do céu, e, em seguida, ter a maldição de todas as doze tribos de Israel sobre minha cabeça. Eu não teria gostado nada disso. Eu preferiria ter entrado em poligamia de acordo com o mandamento, mesmo se isso tivesse me submetido a um período de cinco anos em uma penitenciária

E, porquanto o Senhor prometeu restaurar todas as coisas ditas pela boca de todos os santos profetas, desde o princípio, supondo que ele deva começar esta grande obra de restauração em nossos dias, como é que vamos ajudar a nós mesmos? Eu não posso ajudá-lo. Brigham Young, o nosso Presidente, não pode ajudá-lo; Joseph Smith não poderia ajudá-lo. Se Deus vê ser adequado realizar esta grande obra de restauração – a restituição de todas as coisas, ele irá incluir o que o Profeta Moisés disse, e ele vai trazer de volta com isso a pluralidade de esposas…

Agora eu gostaria de ir diretamente ao ponto em relação à poligamia como existe neste momento entre os santos dos últimos dias. Afirmei no início do meu discurso, que a poligamia, ou qualquer outra instituição que foi dada em uma era, não pode ser obrigatória em outra, sem uma nova revelação de Deus. Eu fiz essa afirmação quando estava discutindo esse assunto nesta casa. Eu continuo a dizer, que não estão sob a necessidade de praticar a poligamia [apenas] porque Deus deu leis e mandamentos para sua observância e regulamentação nos tempos antigos. Por que então os Santos dos Últimos Dias praticam a poligamia? Essa é uma pergunta simples. Eu vou respondê-la tão claramente. É porque acreditamos que, com toda a sinceridade de nossos corações, como tem sido afirmado pelo outros oradores deste púlpito, que o Senhor Deus, que deu revelações a Moisés aprovando a poligamia, deu revelações para os Santos dos Últimos Dias, não só aprovando-a, mas ordenando-a, como ele ordenou a Israel nos tempos antigos.

Agora vamos raciocinar sobre este ponto. Se Deus fizesse tais coisas em antigas eras do mundo, por que não o mesmo Ser, se ele crê adequado, executar as mesmas ou semelhantes coisas de outra época do mundo? Alguém pode responder isso? Se Deus achou apropriado dar certas leis, nos tempos antigos, e depois revogá-las; ou se ele cria adequado dar leis que não fossem revogadas, mas apenas afastadas pelas transgressões dos filhos dos homens, que ele tem não um direito, e não é tão consistente para esse mesmo Ser Divino para dar leis, por exemplo, no século 19, a respeito de nossas relações domésticas, como foi para ele fazê-lo nos dias de Moisés? E se ele tem esse direito, como Santos dos Últimos Dias acreditam que ele tem, não são as consciências das pessoas, assim tão sagrado em relação a tais leis nestes dias, como as consciências da Israel antiga? Ou deve haver algum poder para regular as nossas consciências religiosas? Aqui está uma grande questão. Deve nossas consciências religiosas ser regulamentadas pelo governo civil ou por leis civis, ou vamos ter o privilégio de regular-nos de acordo com a lei divina da Bíblia, ou qualquer lei divina que possa ser dada de acordo com a Bíblia antiga? Eu respondo que, quando eu era menino, eu pensava que eu vivia em um país em que eu poderia acreditar em qualquer coisa que concordasse com, ou que poderia ser provada pela Bíblia, se era na lei de Moisés ou nas doutrinas o Novo Testamento. Eu realmente achava que os judeus tinham o direito de rejeitar a Cristo, ou, em outras palavras, se eles não tinham o direito de fazê-lo moralmente, eles tinham o direito, no que diz respeito ao direito civil, a rejeitar este Messias, e acreditar e praticar a lei de Moisés em nossa terra; mas disseram-me que tal liberdade de consciência não deve ser tolerada em nosso governo republicano…

Por quê? Porque o preconceito das pessoas é tão grande que elas não estão dispostas a acreditar em toda a Bíblia, mas somente em tais porções que concordam com as suas ideias. Se estivéssemos instituindo uma prática que o Senhor Deus nunca tivesse aprovado, mas por causa do castigo qual ele havia prescrito penalidades, ou se foram introduzindo algo estranho e contrário à Bíblia, então não haveria alguma desculpa para o povo ao dizer que tais coisas não devem ser praticadas em nome da religião. Mas quando tomamos a Bíblia como um padrão em relação ao crime, é completamente outra coisa; e acho que cada cidadão americano que professa acreditar em qualquer parte ou porção desse registro sagrado, em que todas as leis da Cristandade devem ser fundadas, tem o direito de fazê-lo e praticá-lo, e isso, também, sem ser molestado.

Agora, depois de ter dito tanto em relação ao motivo pelo qual praticamos a poligamia, quero dizer algumas palavras a respeito da revelação sobre poligamia. Deus disse a nós, Santos dos Últimos Dias, que seremos condenados se não entrarmos nesse princípio; e ainda tenho ouvido de vez em quando (Estou muito contente em dizer que apenas alguns desses casos vieram parar no meu conhecimento), um irmão ou uma irmã dizendo: “Eu sou um santo dos últimos dias, mas eu não acredito em poligamia.” Ó, que expressão absurda! Que ideia absurda! Uma pessoa poderia muito bem dizer: “Eu sou um seguidor do Senhor Jesus Cristo, mas eu não acredito nele.” Uma é tão consistente quanto o outro. Ou uma pessoa poderia muito bem dizer: “Eu creio no mormonismo, e nas revelações dadas por intermédio de Joseph Smith, mas eu não sou um polígamo, e não acredita em poligamia,” Que absurdo! Se uma parte das doutrinas da Igreja é verdadeira, o conjunto delas são verdadeiras. Se a doutrina da poligamia, como revelada ao Santos dos Últimos Dias, não é verdadeira, eu não daria a mínima para todas as outras revelações que vieram por intermédio de Joseph Smith, o Profeta; eu renunciaria a todas elas, porque é absolutamente impossível, de acordo com as revelações que estão contidas nesses livros, acreditar que uma parte delas possa ser divino – de Deus – e parte delas ser do diabo; é tolice ao extremo; é um absurdo que existe por causa da ignorância de algumas pessoas. Tenho sido surpreendido com isso. Eu esperava que houvesse mais inteligência entre os santos dos últimos dias, e uma maior compreensão do princípio do que supor que qualquer um pode ser um membro desta Igreja em boa condição, e ainda assim rejeitar a poligamia. O Senhor disse que aqueles que rejeitam esse princípio [da poligamia] rejeitam a sua própria salvação, eles serão condenados, diz o Senhor; aqueles a quem eu revelo esta lei e não a recebem, serão condenados. Agora cabem aqui as nossas consciências. Temos que ou renunciar o mormonismo, Joseph Smith, Livro de Mórmon, Livro de Convênios e todo o sistema de coisas como ensinadas pelos Santos dos Últimos Dias, e dizer que Deus não tem erguido uma Igreja, não chamou um profeta, não começou a restaurar todas as coisas como prometeu, somos obrigados a fazer isso, ou então dizer, com todo o nosso coração, “Sim, nós somos polígamos, acreditamos no princípio, e estamos dispostos a praticá-lo, porque Deus falou dos céus.”

Agora eu quero profetizar um pouco. Não é muitas vezes que eu profetizo, embora tenha sido ordenado a fazê-lo, quando eu era um menino. Eu quero profetizar que todos os homens e mulheres que se opõem à revelação que Deus deu em relação à poligamia vão encontrar-se na escuridão; o Espírito de Deus vai retirar-se deles, desde o momento de sua oposição a este princípio, até que, finalmente, irão para o inferno e serão condenados, se eles não se arrependerem. Isso é tão verdadeiro quanto é que todas as nações e reinos da terra, quando ouvirem este evangelho que Deus restaurou nestes últimos dias, serão condenados se não o aceitarem; assim diz o Senhor. Um deles é tão verdadeiro quanto o outro. Vou citar esta última palavra, como registrado no Livro dos Convênios. O Senhor disse aos élderes desta Igreja, mesmo no início, por assim dizer, “Ide e pregai o Evangelho a toda criatura, e como disse aos meus antigos Apóstolos, assim também eu vos digo que toda alma que acredita em suas palavras, e se arrependerem de seus pecados e forem batizados na água irão receber a remissão de seus pecados, e deverão ser preenchidos com o Espírito Santo; e cada alma em todo o mundo que não acreditar em suas palavras, nem se arrepender de seus pecados, serão condenados; e esta revelação ou mandamento está em vigor a partir desta mesma hora, sobre todo o mundo, tão rápido quanto eles possam ouvi-lo.” Isso é o que o Senhor disse. Da mesma forma, no que diz respeito à poligamia, ou qualquer outro grande princípio que o Senhor nosso Deus revela aos habitantes da Terra.

Agora, se vocês quiserem entrar na escuridão, irmãos e irmãs, comecem a se opor a esta revelação. Irmãs, comecem a dizer ante seus maridos, ou maridos, comecam a dizer ante suas esposas, “Eu não acredito no princípio da poligamia, e tenho a intenção de instruir meus filhos contra ele.” Oponham-se, desta forma, e ensinem seus filhos a fazer o mesmo, e se vocês não se tornarem tão escuros como a meia-noite não há verdade no mormonismo. Eu estou tomando muito tempo. Gostaria de me debruçar sobre uma outra parte mais agradável sobre este assunto, se houvesse tempo.

Eu vou continuar e dizer às pessoas por que a poligamia foi instituída nesta dispensação. Até agora, no que diz respeito a um estado futuro, Deus revelou-nos que o casamento como instituído por ele, é para beneficiar o povo, não neste mundo apenas, mas para toda a eternidade. Isso é o que o Senhor revelou. Não me entenda mal; Não creio isso, dizer que o casamento e dar-se em casamento devem ser executados depois da ressurreição; não declarei nada disso, e não haverá tal coisa depois da ressurreição. O casamento é uma ordenança que pertence a esta vida mortal – a este mundo – esta provação, da mesma forma como o batismo e a imposição das mãos; alcança além da eternidade, e tem uma influência sobre o nosso estado futuro…

O que poderia ser mais importante do que a relação das famílias – esse relacionamento solene e sagrado do casamento? Nada do que podemos conceber. Ele nos afeta aqui e isso nos afeta a seguir no mundo eterno; portanto, se podemos ter essas bênçãos pronunciadas sobre nós por autoridade divina e nós, quando nos acordamos na manhã da primeira ressurreição, descobrimos que não estão sob a necessidade de tanto se casar ou dar-nos em casamento, depois de termos cumprido com o nosso dever de antemão, quão felizes nós seremos para reunir nossas mulheres e nossas crianças em torno de nós! Quão feliz o velho Jacó será, por exemplo, quando na ressurreição, se ele já não tiver sido levantado – um grande número de santos foram levantados quando Jesus levantou-se e apareceram a muitos – se Jacó não se levantou ainda então, e suas quatro esposas, e seus filhos, quão feliz ele será, quando sair da sua sepultura, abraçar a sua família, e se regozijar com eles em uma plenitude de alegria, sabendo que, em virtude do que foi selado sobre ele aqui no tempo, ele reinará sobre a Terra! Não será uma coisa gloriosa, quando esse polígamo que, em virtude de promessas feitas a ele aqui, surgir a reinar como rei e sacerdote sobre a sua semente sobre a terra? Acho que naqueles dias a poligamia não vai ser odiada como é agora. Acho que todas as coisas que foram profetizadas pelos profetas antigos serão cumpridas, e que Jacó vai ter suas esposas, em virtude do convênio do casamento; e que ele vai tê-los aqui na terra, e Ele habitará com eles aqui mil anos, apesar de todas as leis que possam ser passadas para o contrário. E eles serão personagens imortais, cheios de glória e felicidade. E Jesus também estará aqui, e os Doze Apóstolos também vão sentar-se nos doze tronos aqui na terra, para julgar as doze tribos de Israel; e durante um total de mil anos, eles vão comer e beber à mesa do Senhor, de acordo com a promessa que foi feita para eles.

O velho Pai Abraão virá com suas várias esposas, a saber, Sara, Hagar e Quetura e algumas outras mencionados em Gênesis; e para além destes todos os santos profetas estarão aqui na terra. Não acho que haverá qualquer legislação contra a poligamia.

Aos poucos eles vão construir uma cidade polígama, e ela terá doze portas, e de forma a colocar o máximo de honra sobre estas portas quanto possível, vão nomeá-las após as doze crianças polígamas que nasceram para as quatro esposas poligamas de Jacó; e estes bons polígamos antigos serão reunidos nesta bela cidade, a mais bela que alguma vez teve lugar na terra.

Logo algum cristão virá, e vai olhar para estas portas e admirar sua beleza, pois cada portão será construído de uma imensa pérola esplêndida. Os portões serão fechados rápido e muito altos, e enquanto admiram sua beleza, ele observa as inscrições sobre eles. Sendo cristão é claro que ele espera poder entrar, mas olhando para os portões, ele encontrará o nome de Rúben inscrito em um deles. Dirá ele – “Reuben era uma criança polígama; eu irei para a próxima, e ver se há o nome de uma criança monogâmica em qualquer lugar.” Ele, então, visita todas as doze portas, três de cada lado da cidade, e encontra inscrita em cada porta o nome de uma criança poligâmica, e isso porque é a maior honra que pode ser conferida a seu pai Jacó, que está em seu meio, pois ele deverá sentar-se com todos os honestos e retos de coração que vêm de todas as nações para participar das bênçãos daquele reino.

“Mas”, diz este cristão, “Eu realmente não gosto disso; vejo que esta é uma cidade polígama. Eu me pergunto se não há algum outro lugar para mim, já que não gosto da companhia de polígamos. Eles eram muito odiados lá atrás. O Congresso os odiou, o Presidente os odiou, o gabinete os odiou, os Sacerdotes os odiaram, e todo mundo odiou-os, e eu excitei o mesmo ódio, e não me se livrei dele ainda. Eu me pergunto se não há algum outro lugar para mim?” Ah, sim, há um outro lugar para você. Além das portas da cidade há cães, feiticeiros, adúlteros, devassos e todo o que ama e pratica a mentira. Agora pegue a sua escolha, Amém.” — Orson Pratt em Journal of Discourses 17:214 (ênfases nossas)


Leia mais citações e discursos de Profetas e Apóstolos aqui.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s