Julgamentos de Assassino Mórmon Publicados

Os Arquivos do Estado de Utah anunciaram a publicação das transcrições oficiais da Segunda Vara Distrital do Território de Utah para o primeiro e o segundo julgamentos do filho adotivo de Brigham Young, John D. Lee, pelo seu papel no massacre de Mountain Meadows, completo com digitalização e disponibilização em seus arquivos digitais oficiais.

Gibbs, Josiah F. (1910) The Mountain Meadows Massacre, Salt Lake City: Salt Lake Tribune. OCLC 220893397

Foto de John D. Lee, sentado ao lado do seu caixão, minutos antes de ser executado por um pelotão de fuzilamento. Em Gibbs, Josiah F. (1910) The Mountain Meadows Massacre, Salt Lake City: Salt Lake Tribune. OCLC 220893397

Em 11 de setembro de 1857, entre 45 e 68 Mórmons (i.e., membros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) sob a direção imediata de 2 Presidentes de Estaca, 1 Bispo, e vários Sumo-Conselheiros, junto com 15 a 25 ameríndios Paiute induzidos por seus aliados Mórmons, assassinaram 105-140 imigrantes inocentes a sangue frio (incluindo, entre os confirmados, 21 crianças entre 8-12 anos de idade, 14 adolescentes entre 13-17 anos, 23 jovens entre 18-23 anos, 12 mulheres, e 20 homens). Após enterrarem as vítimas da chacina (em covas tão rasas que virariam presas de lobos), os Mórmons sequestraram 17 crianças sobreviventes entre 9 meses e 7 anos de idade e os distribuíram entre seus familiares, juntamente com seus espólios estimados entre USD 28.000,00 e 48.000,00 (aproximadamente USD 700.000,00 e USD 1.200.000,00 em valores atuais).

Imediatamente após a chacina, Brigham Young exigiu relatórios de seus subordinados sobre o ocorrido. Em duas semanas, seu filho adotivo e co-líder do massacre John D. Lee estava em Lago Salgado explicando detalhadamente o que havia ocorrido. Pouco menos de 10 meses após a chacina, o Apóstolo George Albert Smith entrevistou pessoalmente toda a liderança SUD no sul de Utah e muitos dos participantes em uma investigação formal para a Igreja.

Não obstante, a postura inicial da Igreja foi mentir sobre o incidente.  Os Apóstolos George Smith e Amasa Lyman concluíram suas investigações com um relatório acusando os ameríndios Paiute da chacina e elogiando os colonos mórmons por terem “conseguido salvar” 17 crianças. Esta seria a posição oficial da Igreja por 31 anos.

Na década de 1870, com o final da Guerra Civil Americana (1861-1865) e o difícil período de Reconstrução, os olhos do público retornaram à “chacina mórmon”. Depois de árduos anos, e dúzias de testemunhas e suspeitos mórmons que desapareceram como fugitivos da lei, a promotoria pública conseguiu levar um dos culpados a julgamento: O filho adotivo de Brigham Young, John Doyle Lee. Após um julgamento anulado em 1874 (ver abaixo), Young e a promotoria chegaram a um acordo de portas fechadas em que Young cedia colaboração por parte dos mórmons e a promotoria não tentaria novamente incrimina-lo. Testemunhas que haviam desaparecido subitamente reapareceram e Lee foi condenado à morte em 1876 (Young excomungou Lee e Isaac Haight apenas em 1872, após emitidos os mandados de prisão por eles; Em 1961 a Igreja “restaurou as bençãos” de Lee, anulando sua excomunhão).

John D. Lee, filho de Brigham Young pela lei da adoção

John D. Lee, filho de Brigham Young pela lei da adoção

Escreve o historiador arquivista para o estado de Utah sobre os documentos recém publicados:

Os registros neste arquivo de processo cobrem o primeiro julgamento de Lee, que começou em julho de 1875 e terminou com um júri incapaz de veredito, bem como o subsequente segundo julgamento, onde a culpa pelo massacre foi colocado diretamente sobre Lee, o que levou à sua condenação e sentença de morte por fuzilamento.

O Massacre de Mountain Meadows ocorreu em setembro de 1857. O grupo emigrante Baker-Fancher, viajando através de Utah em seu caminho para a Califórnia (de Arkansas), foi atacado por membros da milícia local do Condado de Ferro e alguns índios Paiute. Os emigrantes lutaram e um cerco de cinco dias se seguiu. No quinto dia os membros da caravana foram atraídos para fora sob uma bandeira de trégua e massacrados sob as ordens de líderes da milícia local. Tudo dito, cento e vinte homens, mulheres e crianças com mais de sete anos de idade foram chacinados. Dezessete lactentes e crianças jovens foram poupadas e levadas para as casas de famílias mórmons locais (antes de eventualmente ser reunidas com membros de suas famílias fora de Utah).

Por quase duas décadas, ninguém foi levado à justiça pelos crimes cometidos em Mountain Meadows. A história oficial das autoridades mórmons tornou-se que o massacre fora realizado unicamente por índios Paiute. Antes do massacre, John D. Lee era um pioneiro de destaque na construção de comunidades mórmons no sul de Utah, mas depois que um juiz federal começou a investigar o massacre em 1858, ele passou a se esconder.

Em 1870, a pressão apenas crescia em funcionários federais para trazer os responsáveis pelo massacre à justiça. Neste momento, Lee foi oficialmente excomungado da Igreja SUD e dado instruções por Brigham Young para esconder-se escassa no norte do Arizona.

Com a passagem da Lei Polônia de 1874, o controle mórmon sobre o sistema de justiça territorial foi debelado. John D. Lee foi preso e levado a julgamento na Segunda Vara Distrital do Território, em Beaver.

Os registros dos processos que estão agora online a partir da série 24291 traçam a história processual dos julgamentos de Lee. Durante o primeiro julgamento, a promotoria tentou fixar a culpa pelo massacre de Mountain Meadows em grande parte na hierarquia mórmon, com Brigham Young como sua figura central. Apesar da defesa ter oferecido uma narrativa frequentemente incoerente do massacre, o júri de oito mórmons, um ex-mórmon, e três não-mórmons foi incapaz de chegar a um veredito (com todos, exceto os três não-mórmons, votando para absolve-los).

O segundo julgamento de John D. Lee foi radicalmente diferente da primeiro. A acusação afixou culpa pelos acontecimentos em Mountain Meadows diretamente sobre Lee, e sustentou que Lee fora a força motriz por trás do planejamento, realização, e execução. Conformado com o fato de que ele estava sendo oferecido como um bode expiatório pelo massacre de Mountain Meadows, Lee solicitou que nenhuma defesa fosse feita em seu nome. Finalmente, ele foi considerado culpado de assassinato em primeiro grau por um júri exclusivamente mórmon. Em 28 de Março de 1877, John D. Lee foi levado a Mountain Meadows, onde ele foi executado por fuzilamento. Seu corpo foi então levado para Panguitch, Utah para sepultamento.”

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s