Cristóvão Colombo na Doutrina Mórmon

No dia 12 de outubro de 1492, três navios espanhóis sob a liderança do genovês (italiano) Cristóvão Colombo avistaram a ilha de San Salvador nas Bahamas, passando os próximos três meses explorando as ilhas das Bahamas, de Cuba, e de São Domingo no Caribe, e para sempre alterando a história da humanidade e do planeta Terra.

Retrato de Homem, supostamente Cristóvão Colombo, por Sebastiano del Piombo (1485–1547)

Retrato de Homem, supostamente Cristóvão Colombo, por Sebastiano del Piombo (1485–1547)

O que pensam mórmons sobre Colombo, sua façanha, e seu legado histórico?

Em junho de 1829, Oliver Cowdery anotou a seguinte profecia ditada por Joseph Smith, na voz do profeta hebreu Néfi, determinando a visão mórmon da figura histórica de Cristóvão Colombo:

“E olhei e vi entre os gentios um homem que estava separado da semente de meus irmãos pelas muitas águas; e vi que o Espírito de Deus desceu e inspirou o homem; e indo esse homem pelas muitas águas, chegou até a semente de meus irmãos que estava na terra da promissão.” (1 Néfi 13:12)

De acordo com o Livro de Mórmon, Colombo foi um homem “inspir[ado]” pelo “Espírito de Deus” para chegar às Américas, onde encontraria os ameríndios (i.e., “a semente d[os] irmãos [hebreus de Néfi]”). Ademais, ainda de acordo com o texto do Livro de Mórmon, os ameríndios, todos descententes dos “irmãos” de Néfi (i.e., Lamã e Lemuel), sofreriam genocídio nas mãos de Colombo e seus conterrâneos conforme a inspiração divina:

“E aconteceu que vi o Espírito de Deus inspirar outros gentios; e eles saíram do cativeiro, atravessando as muitas águas. E aconteceu que vi muitas multidões de gentios na terra da promissão e vi que a ira de Deus estava sobre a semente de meus irmãos; e eles foram dispersos pelos gentios e foram feridos.” (1 Néfi 13:13-14)

Colombo e conterrâneos eram étnicamente puros, sendo brancos e “belos e formosos” como os ameríndios hebreus eram antes de serem amaldiçoados com sua pele morena, e isso era um sinal de que Deus apoiaria o genocídio de ameríndios pelos invasores europeus:

“E vi que o Espírito do Senhor estava sobre os gentios e eles prosperaram e receberam a terra por herança; e vi que eram brancos, muito belos e formosos, como era meu povo antes de ser exterminado. E aconteceu que eu, Néfi, vi que os gentios que haviam saído do cativeiro humilharam-se diante do Senhor; e o poder do Senhor estava com eles. E eu vi que as pátrias-mães dos gentios estavam reunidas sobre as águas e também sobre a terra, para batalhar contra eles. E vi que o poder de Deus estava com eles, e também que a ira de Deus estava sobre todos os que se achavam reunidos para batalhar contra eles.” (1 Néfi 13:15-18)

Igreja SUD na década de 1990

A enciclopédia oficial publicada pela Igreja SUD, a Enciclopédia do Mormonismo, descreve a posição SUD sobre Colombo:

“Santos dos Últimos Dias geralmente consideram Colombo como tendo cumprido uma profecia contida no início do Livro de Mórmon. Néfi 1 anotou uma visão do futuro dos descendentes de seu pai. Depois de prever a destruição de sua própria semente, Néfi viu um gentio “separado da semente de meus irmãos pelas muitas águas”, e viu que o Espírito de Deus “desceu e inspirou o homem, e indo esse homem pelas muitas águas, chegou até a semente de meus irmãos que estava na Terra Prometida” (1 Ne.13:12). Néfi parece dar um relato preciso dos motivos de Colombo. Mesmo que ele estivesse bem familiarizado com as ciências de sua época e suas viagens fossem vistas por alguns historiadores como principalmente um triunfo econômico da Espanha sobre Portugal, Colombo, aparentemente, tinha motivos maiores para sua viagem e sentiu-se espiritualmente levado a descobrir novas terras. Documentos recentemente reconhecidos demonstram que a escatologia medieval, as escrituras e inspiração divina eram as principais forças urgindo-o a velejar. Suas notas nas obras de Pierre d’Ailly e seu próprio inacabado Livro de Profecias fundamentam sua visão apocalíptica do mundo e seus sentimentos sobre seu próprio papel profético.

Entre os temas deste livro estava a conversão dos pagãos. Colombo cita Sêneca, “Os anos virão … quando o Oceano vai perder os laços pelos quais foram confinados, quando uma imensa terra deve situar-se revelada” (Watts, p. 94). Acreditava-se escolhido por Deus para encontrar aquela terra e entregar a luz do cristianismo para os nativos de lá. Ele foi chamado Christoferens (o portador-de-Cristo). Um mapa contemporâneo de suas viagens o retrata levando o infante Cristo em seus ombros através das águas. Ele acreditava que deveria ajudar a inaugurar a era de “um só rebanho e um só pastor”, citando João 10:16 (cf. 3 Ne.15:21), e falou de encontrar “o novo céu e nova terra.”

Escrevendo ao rei Ferdinando e à rainha Isabella para obter apoio financeiro, Colombo testemunhou que uma voz lhe tinha dito que ele tinha sido vigiado desde a infância para prepará-lo para descobrir as Índias. Ele sentiu que a ele foram dadas chaves divinas às barreiras oceânicas que só ele poderia desbloquear (Merrill, p. 135). Numa segunda carta, ele enfatizou seu papel profético: “A razão, a matemática, e os mapas do mundo não eram de nenhum uso para mim na execução do empreendimento das Índias. O que Isaías disse [e.g., Isa 24:15] foi completamente cumprido” (Watts, p. 96). Inconscientemente, Colombo também cumpriu a profecia de Néfi.”

As 4 viagens de Cristóvão Colombo (atribuição)

As 4 viagens de Cristóvão Colombo (atribuição)

Na revista oficial da Igreja SUD Ensign, em sua edição de outubro de 1992, o professor de história na universidade da Igreja SUD De Lamar Jensen celebrou o quinto centenário da descoberta de Colombo com um artigo entitulado ‘Colombo e a Mão de Deus’:

“Colombo tornou-se mais um símbolo que uma pessoa. Neste quinto centenário de sua primeira viagem para as Américas, é hora de olhar para o homem e sua fé em Deus.

Esta não é uma boa temporada para Cristóvão Colombo. Os 500 anos de sua descoberta da América foi marcada por mais condenação do que elogios, especialmente na imprensa popular. Há muitas razões, no entanto, para se reconhecer a coragem de Colombo, persistência e convicções inabaláveis.

A maioria das pessoas que viveram cem anos atrás e que comemoram o quadricentenário da primeira viagem de Colombo honraram Colombo como um herói que praticamente sozinho derrubou as paredes da ignorância medieval. Esta imagem heróica foi perpetuado em parte devido às suas realizações e, em parte devido à criação do mito de vários autores do século XIX. (…)

Muitos destes mitos foram desmascarados ao longo dos anos, incluindo a noção de que Colombo era a única pessoa do seu dia a acreditar que a Terra era redonda e que a rainha Isabel penhorou as suas jóias para financiar a primeira viagem. Estas e outras lendas morrem lentamente. Muitos ainda resistem a qualquer tentativa de mostrar Colombo como um ser humano, com vícios, bem como virtudes. (…)

O que, então, sabemos do real Colombo? Quais foram seus motivos que motivaram seu esforço para mudar o mundo? Talvez o maior recurso motivador de sua vida foi a sua fé. Seus escritos e os registros mantidos por seus contemporâneos indicam que Colombo tinha fé inabalável de que ele era um instrumento nas mãos de Deus.

E, de fato, o Livro de Mórmon afirma que ele era. Em visão, Néfi “olhou e viu um homem entre os gentios, que estava separado da semente de meus irmãos pelas muitas águas; e vi o Espírito de Deus, que ele … desceu e inspirou o homem; e saiu pelas muitas águas, chegou até a semente de meus irmãos, que estavam na terra prometida.” (1 Ne. 13:12).

A compreensão de Colombo de seu desígnio pode bem ter sido limitado, mas sua convicção de ser uma parte dele deu-lhe uma autoconfiança, mesmo teimosia, que tanto surpreendeu e exasperou seus contemporâneos.

(…) Seu biógrafo contemporâneo, Bartolomé de Las Casas, acrescenta que ele era um “homem alto e imponente, bem-humorado, amável, ousado, corajoso e piedoso. … Ele observou os jejuns da igreja mais fielmente, confessou e partilhou do Sacramento muitas vezes, lia os escritos canônicos como um membro de uma ordem religiosa e odiava blasfêmia e profanos palavrões.”

Fernández de Oviedo o chamou de “um homem de vida honesta, … justo no discurso, discreto e de um grande talento criativo; um bom latinista e cosmógrafo mais instruído; gracioso quando queria ser, irascível quando irritado”.

Não há dúvida de que Colombo queria subir socialmente, mas ele achou que era necessário, a fim de realizar seus objetivos. Ele também revelou uma teimosia exasperante e tinha uma forte tendência não só a exagerar, mas para reordenar realidade em sua mente para torná-la adaptada a seus preconceitos.

Colombo tinha pouca educação formal, mas ele se tornou extremamente competente em línguas, cosmografia e ciência náutica, atribuindo todas as suas habilidades para a inspiração do Espírito Santo. “Para a execução do empreendimento das Índias, fiz uso nem de razão nem matemática, nem mapas do mundo”, escreveu ele.

Talvez nada irritou seus contemporâneos mais do que a afirmação franca de Colombo que ele fora divinamente escolhido. “Deus me fez o mensageiro do novo céu e da nova terra, da qual Ele falou no Apocalipse de São João, depois de ter falado dele pela boca de Isaías”, escreveu Colombo a um amigo e confidente da rainha”, e ele me mostrou onde encontrá-la”.

Colombo estava convencido de que a chave para a sua empreitada fora os dons espirituais lhes dados pelo Senhor: “Ele deu as artes de marinharia a mim em abundância, e deu-me o que era necessário a partir de [astronomia], geometria e aritmética; e deu-me a inventividade adequada em minha alma.” Colombo tinha certeza de que Deus providenciara esses dons para serem usados em seu serviço, “incentivando-me a ir para a frente, e sem deixar eles me inflamar com um sentido de grande urgência.”

Nós não temos nenhuma maneira de saber como ou quando “o Espírito de Deus … desceu e inspirou o homem.” Talvez ele veio em sua juventude em Gênova, ou durante suas primeiras viagens no Mediterrâneo. Talvez o seu entusiasmo desenvolvido depois que ele veio para o movimentado porto de Lisboa como um jovem de vinte e cinco anos e conheceu sua futura esposa, a nobre senhora portuguesa Dona Felipa Perestrelo. Talvez a inspiração veio enquanto ele e sua noiva moraram na Madeira, cerca de 400 milhas no Atlântico. Ou pode até ter sido ao mesmo tempo em expedições comerciais, ao norte até a Islândia e ao sul ao longo da costa da Guiné da África. Sabemos apenas que pelo tempo que ele apresentou seu projeto ao rei de Portugal em 1484, ele estava obcecado com a idéia de encontrar uma rota ocidental através do Atlântico para as Índias.

(…) A convicção de Colombo que a Ásia (ou Índias, como os europeus a chamavam) poderia ser alcançada mais rápido e facilmente navegando para oeste não se originou com ele. Outros acreditavam na possibilidade de tal viagem, uma crença promovida pelos escritos de Plínio, Estrabão, Seneca, Marinus de Tiro, e Cláudio Ptolomeu. Em cada uma delas, Colombo encontrou apoio para o seu empreendimento. Plínio, por exemplo, ensinou que a Índia não estava longe de Espanha – uma idéia que ecoou por escritores contemporâneos, como o cardeal Pierre d’Ailly, que em seu Imago mundi escreveu: “entre a Índia e Espanha há pouco mar.”

A novidade da idéia de Colombo não era que a Terra era redonda, todo grande geógrafo e pesquisador desde os antigos gregos aceitara uma terra esférica, assim como marinheiros e pessoas cultas da época. Pelo contrário, era que a Terra não era tão longe ao seu redor como todos acreditavam. A autoridade geográfica mais respeitada no tempo de Colombo era Ptolomeu, que tinha calculado a circunferência da Terra em 21,840 milhas (a medição moderna é 25,902 milhas). Colombo preferia as estimativas do matemático árabe al-Farghani que surgiu com uma medida de cerca de 20.000 milhas.

Mais importante para Colombo, no entanto, fora a razão de terra para água. Aqui ele fez seus maiores erros de cálculo. Marinus de Tiro tinha sugerido que a terra estendia-se por 225 graus ao redor da Terra, deixando apenas 135 graus de água entre Portugal e China. Mas mesmo isso fora longe demais para Colombo. Esdras não tinha escrito (no Apócrifa) que em seis partes do globo estão terras habitáveis e somente em uma parte de água? Portanto, Colombo reduzira a largura do mar por 28 graus para explicar uma Ásia maior e, em seguida, mais 30 graus para o Japão, porque Marco Polo tinha relatado (sem vê-lo, é claro) que a ilha de Cipango (Japão) estava a 1.500 milhas da costa de Cathay (China). Colombo tinha subtraído mais de 9 graus, quando ele decidiu zarpar das Ilhas Canárias.

Assim, ele calculou a distância entre as Canárias para o Japão em cerca de 2.400 milhas. Ele estava errado, é claro; a distância real é de 10.600 milhas. Mas curiosamente, o que fica aproximadamente a 2.400 milhas a oeste das Canárias era um continente inteiramente novo, desconhecido para todos na Europa ou na Ásia.

(…) Mas Colombo não seria dissuadido. Ele continuou a promover o seu projeto tão tenazmente que deu origem a histórias diversas e mitos para explicar sua certeza dogmática. Há tantas falhas nestas histórias que é incrível que alguém ainda os creia, muito menos  estudiosos críticos modernos. No entanto, algumas pessoas estão dispostas a acreditar em quase qualquer coisa para explicar a convicção inabalável de Colombo, em vez de aceitar a sua afirmação de que ele fora levado por Deus. “Eu podia sentir sua mão sobre mim”, escreveu Colombo, “de modo que ficou claro para mim que era viável navegar daqui para as Índias, e ele me deu a vontade de fazê-lo.”

No final, os monarcas espanhóis podiam ver que o projeto de Colombo tinha mérito, uma vez que prometeu um novo suprimento de ouro e proporcionou uma oportunidade sem precedentes para difundir a mensagem cristã. No entanto, as exigências de Colombo para os títulos e privilégios eram tão grandes que sua empreitada não foi finalmente aceita até janeiro 1492 (…)

Velejando para o oeste das Canárias em um oceano desconhecido testou a coragem de ambos Colombo e sua tripulação. A maioria dos homens tinha dúvidas persistentes sobre o empreendimento. Ninguém nunca tinha tentado tal viagem e vivido para contar sobre isso. No entanto, não havia aparentemente nenhuma hesitação na mente de Colombo. Sua fé na orientação divina era tão forte como nunca. Enquanto a terra desaparecia lentamente atrás dele, Colombo ajoelhou-se no convés de popa de seu navio-chefe para agradecer a Deus e buscar sua ajuda para o grande empreendimento adiante.

A passagem de ida foi relativamente tranqüila. Os ventos alísios de nordeste levou-os adiante com “brisas mais doces dos que em Abril em Sevilha”, escreveu Colombo, mas também levou-os cada vez mais longe para o desconhecido. Depois de trinta e dois dias, os homens tinham crescido tanto em medo da longa viagem que eles começaram a murmurar, pedindo a Colombo para voltar antes que fosse tarde demais. Eles tinham chegado a mais de 2.300 milhas. Quanto tempo eles deveriam ir neste oceano sem fim? Colombo assegurou-lhes que iriam chegar em breve.

Dois dias depois, nas primeiras horas de 12 de Outubro, terra foi avistada, e após o amanhecer Colombo e seus oficiais passaram em terra em uma pequena ilha nas Bahamas chamada Guanahani pelos nativos. Colombo nomeou-a San Salvador para honrar o Salvador. Sem saber, ele havia cumprido a profecia na visão de Néfi. (Ver 1 Ne. 13:12).

Duas coisas surgiam com primazia a Colombo: Agora que ele tinha localizado as Índias, ou então ele achava, sua próxima tarefa era localizar as riquezas que prometera aos soberanos espanhóis. Ele também deveria preparar os nativos que encontrou para receber o cristianismo – Pois Colombo, nomeado em homenagem a São Cristóvão, o “portador-de-Cristo”, viu-se como um embaixador da fé para essas almas perdidas separados da palavra de Cristo. Repetidamente em seu diário e em cartas posteriores aos soberanos, ele referiu-se à disposição das pessoas para receber o cristianismo.

Pelos próximos dois e meio meses Colombo cruzou o Caribe ao sul de seu primeiro desembarque, pensando que ele iria em breve chegar ao Japão ou mesmo o continente da China. Em vez disso, ele descobriu mais ilhas, grandes e pequenas, incluindo Cuba e Hispaniola (ilha hoje partilhada pelo Haiti e República Dominicana). Ele não conseguiu encontrar a riqueza que ele esperava, mas ele nunca perdeu a esperança, na expectativa de cumprir a sua promessa aos monarcas para dar-lhes ouro, especiarias, algodão, e “mil outras coisas de valor.” Sua incapacidade de cumprir tais promessas, eventualmente, contribuíram para sua queda. (…)

Depois de sobreviver a uma tempestade violenta no Atlântico na viagem de regresso, Colombo chegou a Palos apenas horas antes da chegada de Pinzón. Pinzón morreu dentro de alguns dias, deixando Colombo para receber sozinho os elogios pela descoberta. O próprio Colombo desvia muito do louvor a Deus. Em uma carta aos monarcas, ele escreveu: “O eterno Deus Nosso Senhor dá a todos aqueles que andam em sua vitória caminho sobre as coisas que parecem impossíveis. E isso é notadamente um desses; pois, embora os homens tinham falado ou escrito destas terras, tudo foi conjectura. … Toda a cristandade deveria sentir prazer e fazer grandes festas e dar solenes graças à Santíssima Trindade com muitas orações solenes para a grande exaltação que terão na conversão de tantas pessoas à nossa santa fé.”

No entanto, a decepção acompanhou as viagens que se seguiram de Colombo. Na segunda, ele descobriu que os homens que havia deixado em La Navidad tinha sido morto pelos nativos, e suas explorações não conseguiram produzir muita riqueza. Na terceira viagem, ele foi incapaz de controlar uma rebelião aberta, que havia irrompido na nova colônia que ele havia fundado em sua segunda viagem. Em outubro de 1500, Colombo foi preso e deportado para a Espanha em cadeias.

A humilhação foi esmagadora. Em uma carta a um amigo, Colombo escreveu: “A única coisa que me sustenta é a minha esperança nele que criou todos; o seu apoio tem sido sempre perto. Em uma ocasião não muito tempo atrás, quando eu estava profundamente angustiado, ele levantou-me com o braço direito, dizendo: ‘Ó homem de pouca fé, levante-se, sou Eu, não tenha medo’.”

Mais tarde, durante sua quarta viagem, Colombo recebeu outra garantia divina durante um momento extremamente perigoso quando ele estava prestes a abandonar toda a esperança. “Exausto, eu adormeci, gemendo,” ele relatou aos soberanos. “Eu ouvi uma voz muito compassiva, dizendo: ‘Ó tolo e lento para acreditar e para servir teu Deus, o Deus de todos! … Tu gritas por ajuda, duvidando. Responda, quem tem te afligido tão grandemente e por isso, muitas vezes, Deus ou o mundo? … Nem um jota da sua palavra falhará; tudo o que Ele promete, Ele cumpre com juros; É esta a maneira dos homens? Eu disse que o que o teu Criador fez por ti e faz para todos os homens. Agora, em parte, Ele te mostra a recompensa pela a angústia e perigo que tu suportou a serviço dos outros’. Eu ouvi tudo isso como se eu estivesse em um transe, mas eu não tinha resposta para dar a palavras tão verdadeiras, mas só podia chorar por meus erros. Ele, quem quer que fosse, que falou para mim, terminou dizendo: ‘Não temas; tem confiança; todas essas tribulações são escritas sobre mármore e não são sem causa’.”

Livro de Profecias de Colombo

Entre a terceiro e quarta viagens, Colombo ocupou-se com a compilação do seu Livro de Profecias, na qual ele esperava demonstrar o significado histórico e profético de suas descobertas e seu próprio papel como “portador-de-Cristo”.

A maioria das autoridades em Colombo têm ignorado o Livro de Profecias, desculpando-se por ele, ou então denunciando-o como a invectiva de uma mente desequilibrada. Isso é lamentável, porque o livro é vital para a compreensão do pensamento e do caráter de Colombo. Colombo era um homem piedoso e um estudante diligente da Bíblia. Ele a lia com cuidado, usando os comentaristas bíblicos mais reputados da sua época. Ele também alegou receber a iluminação do Espírito Santo.

O Livro de Profecias, conforme compilado por Colombo com a ajuda de seu amigo, o padre Gaspar Gorricio, é uma coleção de passagens bíblicas e interpretações do plano de Deus para o desenrolar dos acontecimentos mundiais. Seus principais temas são de que a profecia estava sendo cumprida pela descoberta de novas terras e povos e que a consumação da obra de Deus estava se aproximando rapidamente. Colombo sugeriu que antes dos dias finais, a mensagem do evangelho deveria ser levado a todo o mundo e que Jerusalém deveria ser resgatada e o templo reconstruído.

Colombo acreditava que ele era o instrumento humano chamado por Deus para realizar parte do plano divino. “Com uma mão que podia ser sentida”, ele escreveu para o rei e a rainha, em uma carta introdutória, “o Senhor abriu minha mente para o fato de que seria possível navegar daqui para as Índias, e ele abriu a minha vontade com o desejo de realizar o projeto. Este foi o fogo que ardia dentro de mim quando eu vim para visitar as suas Altezas. … Quem pode duvidar que este fogo não era apenas meu, mas também o Espírito Santo, que me incentivou com um brilho de iluminação maravilhosa de suas Sagradas Escrituras.”

(…) O Livro de Profecias não era a invectiva de uma mente doente. Foi o trabalho de um homem religioso que não tinha medo de colocar suas idéias em ação e sua própria vida em perigo. Colombo conhecia as escrituras, assim como ele conhecia o mar, e ele viu uma conexão entre os dois. O tema central de seu livro era que Deus tinha esboçado na Bíblia Seu plano para a salvação de toda a humanidade e que ele, Colombo, estava desempenhando um papel atribuído a ele nesse plano.

A conclusão da excelente introdução de Delno West para a tradução inglesa do Livro de Profecias resume claramente o caráter e os motivos do almirante: “Cristóvão Colombo olhava para si mesmo como um homem de destino que tinha sido dado um dom carismático para compreender a Escritura, navegação, mapas, ventos, marés, astronomia, cosmografia, matemática e ciências afins. Seu entendimento de sua missão, ou empreendimento, foi elaborado a partir da Bíblia ou provado pela Bíblia, e ele sabia que ele estava abrindo novas terras ricas em ouro e outros objetos de valor. Acreditava-se uma pessoa escolhida para trabalhar para o bem de toda a cristandade na abertura do resto do mundo a mensagem do evangelho. Ele sabia que ele iria ser mal compreendido e difamado, mas aceitou isso como o lote de uma pessoa divinamente escolhida”.

Em nossos dias, a difamação aumentou em intensidade, mas a nossa consciência do que Colombo realizou sob a direção de Deus deve nos lembrar do nosso próprio endividamento e responsabilidades como benfeitores de sua fortaleza. Sua principal preocupação, como o nosso deve ser, não era o que as pessoas iriam pensar dele, mas o que Deus iria pensar dele.”

Mapa do Oceano Atlântico de acordo com Paolo dal Pozzo Toscanelli (1474) que profundamente influenciou Cristóvão Colombo, com um mapa das Américas sobreposto para comparação

Mapa do Oceano Atlântico de acordo com Paolo dal Pozzo Toscanelli (1474) que profundamente influenciou Cristóvão Colombo, com um mapa das Américas sobreposto para comparação

Historiadores, Historiografia, e os Fatos

Não obstante toda a adulação mórmon de um Colombo inspirado e guiado por Deus em uma missão profética desde 1829 e a narração de Joseph Smith a Oliver Cowdery do Livro de Mórmon, historiadores descrevem uma figura histórica completamente diferente. Na mesma época que o artigo da Igreja SUD há 24 anos, por exemplo, a revista brasileira Super Interessante comentava (ênfases nossas):

“Livros como o recente The conquest of Paradise (A conquista do Paraíso) do americano Kirkpatrick Sale, apresentam um homem de paixões vulgares, devorado pela ganância do ouro, obcecado pelos títulos de nobreza, geógrafo contuso misturando astronomia com astrologia, navegador insensato, certo de que recebia ordens diretamente de Deus e que, apesar das quatro viagens à América, nunca conseguiu entender onde tinha chegado. Além do mais, de uma ferocidade bestial com os nativos indefesos, trazendo consigo da civilização européia apenas a forca, a fogueira e a espada, além da tuberculose e da varíola, o que fez dele o fundador da maior empresa de genocídio e devastação ambiental da história da humanidade. “Perto de Colombo”, comenta o ativista americano Russel Means, “Hitler não passaria de um delinqüente juvenil”.

Mas, afinal, que era o verdadeiro Colombo? Seria realmente o paranóico que numa certa manhã de junho de 1494 decidiu que Cuba não era uma ilha e sim um continente, obrigou toda a tripulação a jurar solenemente essa “verdade” e avisou que se soubesse de alguém afirmando o contrário mandaria imediatamente arrancar sua língua? (…)

Desde cedo parece ter escolhido a vida no mar. Em 1472 já navegava como corsário. Quatro anos mais tarde, andava engajado na frota de treze navios do corsário francês Coullon, o Velho, e nas costas de Portugal participou da abordagem de cinco navios mercantes que seguiam para a Inglaterra. Durante o combate, seu navio foi a pique e ele salvou-se nadando. Compreende-se que, nos seus escritos posteriores, tenha deixado na sombra essa parte do seu passado. Embora o corso não fosse uma atividade vergonhosa como a pirataria, causava inimizades prejudiciais a quem, como ele, iria procurar financiamento para viagens junto aos poderosos da época. Portugal, onde foi parar pelo acaso do naufrágio e onde viveria oito anos, dos 25 aos 33, foi a terra que lhe mudou o destino. Era o tempo dos pilotos formados na Escola de Sagres e das grandes navegações pela costa da África. Desde 1434, quando Gil Eanes dobrou o Cabo Bojador, após quinze tentativas infrutíferas, elas iam se estendendo, cada vez mais distantes. Em 1488, Bartolomeu Dias ultrapassou o Cabo da Boa Esperança, anunciando a grande vitória de Vasco da Gama que em 1498 haveria de descobrir o “verdadeiro caminho marítimo para as Índias”.

A idéia desenvolvida por Colombo, como se sabe, também era chegar às Índias, mas navegando para oeste de maneira a dar uma volta em torno da Terra. Baseando-se nos dados do cosmógrafo árabe Alfraganus (Al Fragani), imaginou que o grau terrestre tivesse 56 milhas e meia na linha do equador (o que é correto para milhas árabes, de 1975,5 metros, mas inteiramente errado para as italianas, de 1477,5 metros). Supôs, a seguir, baseado em diversos autores europeus, que todas as terras firmes desde Portugal até a extremidade de oriental da Ásia, se estendessem por 283 graus, deixando apenas 77 graus para os oceanos. Sem dúvida, um erro muito maior.

Com base nesse duplo engano, concluiu que saindo das Ilhas Canárias e navegando 2 760 milhas para oeste, chegaria ao Japão. Era um cálculo inteiramente absurdo, mas vinha muito a calhar. Se revelasse a distância real, mais de quatro vezes maior, nunca teria encontrado quem lhe financiasse a tentativa. Estava certo, aliás, na sua concepção básica, a de que poderia alcançar o Oriente pelo Ocidente, proposta muito arrojada para a época. Embora a teoria da Terra esférica já estivesse aceita nos círculos mais cultos, havia aspectos desconcertantes que contrariavam o senso comum. Como fariam os antípodas, obrigados a andar de cabeça para baixo? Por que não caíam no espaço sideral? E o que se encontraria pelo caminho? Não seria lógico que o gelo dos pólos fosse contrabalanceado por alguma região de fogo no equador?

Colombo não conseguiu interessar o rei português, Dom João II, nos seus projetos. (…) Acabou conseguindo, mas só porque certas circunstâncias históricas intervieram. No início de 1492, os espanhóis expulsaram definitivamente os árabes de seu território. Na rendição formal de Granada em 6 de janeiro de 1492, com o jovem califa Boabdil entregando a Isabel de Castela e Fernando de Aragão as chaves da fortaleza de Alhambra, terminavam sete séculos de presença árabe na Península Ibérica.

Livres da guerra de reconquista, os soberanos espanhóis passaram a se interessar pelos novos horizontes anunciados por Colombo. As negociações finais para a expedição ainda se arrastaram por alguns meses. Ao contrário do que diz a tradição, a rainha Isabel nunca penhorou as jóias para financiá-la. Dos três navios, dois (Pinta e Niña) foram providenciados pela cidade de Palos, por ordem da coroa, que entendia castigar sua população por certas ofensas que ninguém sabe mais quais seriam. O terceiro navio, Santa María, assim como as demais despesas, foram financiados por empréstimos arranjados por Luis de Santángel, banqueiro intendente geral dos reis católicos, o principal aliado de Colombo na corte.

A Pinta e a Niña eram caravelas e a Santa Maria uma nau. (…) A tripulação das três seria de noventa homens.

Colombo assumiu o comando da Santa Maria, que era a nau capitania; Martín Alonso Pinzón o da Pinta; e seu irmão, Vicente Yáñez Pinzón, o da Niña. Saíram de Palos com destino às Ilhas Canárias e de lá, no dia 6 de setembro de 1492, iniciaram a grande aventura no rumo do Ocidente. (…)

Foi somente na manhã de 12 de outubro que a primeira ilha das Bahamas apareceu aos olhos do marinheiro Rodrigo de Triana, que navegava a bordo da Pinta. Segundo o calendário juliano, em vigor no século XV, era realmente 12 de outubro; pelo calendário gregoriano que vigora atualmente, seria 21 de outubro. O local exato onde Colombo desembarcou pela primeira vez na América é outro motivo de controvérsia. Nada menos que doze ilhas reivindicam a primazia. Ele tinha, aliás, todo interesse em guardar segredo para não ser seguido por outros navegadores, sobretudo os portugueses.

Nessa primeira viagem, o navegador demorou-se apenas quatro semanas nas Bahamas. Descobriu dezenas de ilhas, entre elas Hispaniola, dividida atualmente entre Haiti e República Dominicana.. Ali fundou Isabella, a primeira “cidade do Novo Mundo. Travou, igualmente, contatos iniciais com os nativos da região— que se chamavam a si próprios de tainos (os valorosos); passaram a ser chamados índios, pois os descobridores acreditavam que haviam chegado às índias, que estariam pouco mais adiante. De volta à Espanha, Colombo foi recebido na corte com grandes honrarias e muitos banquetes. O descobridor voltou à América, que ainda não tinha esse nome três vezes, mas nunca chegou a uma conclusão definitiva sobre onde se encontrava.

Na segunda viagem, de 1493 a 1496, comandou uma frota de dezessete navios, e mais de 1000 homens, com o propósito de iniciar a colonização a partir de Hispaniola. De lá saiu para diversas expedições exploratórias nas ilhas de Guadelupe, Porto Rico, Jamaica e sobretudo Cuba, que ele imaginou ser a extremidade do continente asiático. Na terceira viagem, de 1498 a 1500, chegou a avistar realmente a América do Sul, junto à foz do Rio Orinoco, região hoje pertencente à Venezuela. Mas, vítima de uma de suas crises de misticismo, cada vez mais agudas e freqüentes, imaginou que havia chegado ao paraíso descrito na Bíblia.

Na quarta viagem, de 1502 a 1503, nada descobriu de importante. Mas deu livre curso à imaginação e escreveu dois livros. O primeiro, conhecido como “O livro dos privilégios”, traz o título oficial de “Cartas, privilégios, cédulas e outras escrituras de Dom Cristóvão Colombo, almirante maior do Mar Oceano, vice-rei e governador das ilhas e terras firmes”. E uma coletânea de documentos através dos quais Colombo pretende salvaguardar seus privilégios. O segundo, “O livro das profecias”, é uma tentativa de convencer os soberanos da importância cósmica de seus feitos. Nele, repete incansavelmente que foi escolhido diretamente por Deus como instrumento de Sua vontade.

Colombo morreu em 1506, dono de uma fortuna considerável, mas ainda julgando-se incompreendido e espoliado nos seus direitos. Na verdade, caíra muito no conceito dos reis da Espanha. O que mais o prejudicou não foram suas teorias desatinadas, mas a prática do dia-a-dia como governador das terras descobertas. Nesse ponto, não há quem discorde: Colombo foi um dos administradores mais desastrados de que se tem notícia. Os próprios espanhóis da colônia de Hispaniola viviam num permanente estado de falta de víveres, divididos em grupos amotinados, que o governador mais irritava do que apaziguava, governando com a forca e a chibata. A situação chegou a tal ponto que, em 1500, os reis perderam a paciência e mandaram Francisco de Bobadilla como interventor. Colombo, que acabara de mandar enforcar sete colonos e se preparava para enforcar mais cinco, foi preso e mandado de volta para a Espanha, com algemas nos pulsos.

Mas tudo o que os colonos espanhóis sofreram nas mãos do seu vice-rei parece insignificante, comparado com o que eles impuseram aos nativos da América. Esse é o grande crime histórico, o genocídio em escala continental que os historiadores revisionistas pretendem colocar em evidência às vésperas do quinto centenário. Curiosamente, os primeiros encontros dos espanhóis com os nativos foram amigáveis, quase idílicos. Eis o que o próprio Colombo anotou no seu diário de bordo da primeira viagem, sobre os tainos: “Eles se tornaram tão nossos amigos que era uma maravilha (…) Eles trocam e dão tudo o que possuem com a melhor boa vontade (…) São muito gentis e não sabem o que seja o mal, não mentem nem roubam (…) amam seus vizinhos como a si mesmos, falam suavemente e estão sempre sorrindo”.

Em outros trechos do mesmo diário, no entanto, o navegador pergunta se eles não seriam úteis como escravos, a serem enviados à metrópole em troca de bois, ou para trabalharem nas minas de ouro a serem descobertas. Porque; desde o início, o ouro é sua grande paixão. Muito embora os tainos entregassem aos espanhóis todos os adereços de ouro que possuíam em troca de quinquilharias, isso não bastava. Em 1495, Colombo decidiu obrigar todos os maiores de 14 anos a entregar uma certa quantidade de ouro a cada três meses; quem não conseguisse teria as mãos amputadas a machado, para sangrar até morrer. Como se não bastasse, instituiu a escravidão disfarçada no sistema de encomendas, quando a autoridade colonial atribuía uns tantos índios a determinado colono (encomendero).

O salário, quando existia, era simbólico; os castigos, sempre brutais. A pena mais comum para as “faltas” dos índios era a amputação do nariz ou das orelhas; “em casos mais graves, eram decapitados ou destroçados por cães; ou, ainda, queimados vivos, treze de cada vez, em homenagem a Cristo e seus apostolos”. Freqüentemente aldeias inteiras eram dizimadas: a regra era matar 100 índios para cada espanhol morto. Quem deixou bem anotadas essas informações, e muitas outras, foi o frade dominicano Bartolomeu de Las Casas, que acompanhou de perto os primeiros anos da colonização.

Autor de um monumental História das Índias, que só foi publicada no século XIX, Las Casas tornou-se célebre em seu próprio tempo por uma série de cartas e panfletos, um dos quais, a Brevíssima Relação da Destruição das Índias, é o classico no qual se baseiam os historiadores revisionistas. Segundo os cálculos de Las Casas, viviam na Ilha de Hispaniola, antes da descoberta, 3 milhões de nativos. (…) em 1542, cinqüenta anos após a descoberta, restavam apenas algumas centenas.”

Colombo claramente ambicionava fortunas e glória. Durante mais de uma década negociou tanto com a Coroa Portuguesa como com a Coroa Espanhola, e entre eles com a Coroa Inglesa, para não apenas conseguir financiamento para sua empreitada, mas também para garantir uma parcela de todas as fortunas que conseguisse com ela, além de títulos de Almirante do Oceano [Atlântico] e Governador das terras conquistas em perpetuidade, para si e para seus herdeiros. Apenas quando a Coroa Espanhola lhe prometeu tais garantias, Colombo aceitou o financiamento oferecido.

Ainda em seu primeiro dia no Novo Mundo, Colombo anotou em seu diário pessoal, sob a data de 12 de outubro de 1492, considerações sobre como seria fácil escravizar os nativos que havia encontrado em San Salvador por sua docilidade, simpatia, e tecnologia de guerra defasada, como dariam excelente escravos, e como exibiam ornamentos de ouro que forneceriam ótima pilhagem.

Ainda em sua primeira viagem, e contando com uma minúscula frota de 2 caravelas (sua principal embarcação, a nau Santa Maria, naufragou na costa de São Domingo ou Hispaniola), Colombo capturou 25 índios Lucaya para demonstrar à corte castelhana quão magníficos escravos forneceriam. Desses, apenas 7 chegaram vivos à Europa, oferecendo uma boa ideia de como Colombo tratava seus escravos.

Em sua segunda viagem, com 1.200 homens, muitos deles soldados armados até os dentes, e 17 naus, Colombo retornou pronto para assentar uma colônia e verdadeiramente iniciar seu plano de exploração. Imediatamente, milhares de novos escravos foram capturados entre os Lucaya, e mais viriam de outras tribos ou etnias ao longo de suas explorações.  Entre os Arawak, 1.500 homens foram capturados, dos quais 500 enviados para a Europa como troféus e escravos, sendo que apenas 200 deles chegaram ao Velho Continente com vida.

Colombo punia severamente os que se recusavam captura e escravidão placidamente e se rebelavam contra as forças do Governador. Rebeldes capturados eram entregues a cães famintos para serem devorados vivos, enquanto alguns eram mantidos para servir como alvos-vivos para treinamentos de guerra. Alguns poucos, como os Lucaya, eram preservados para prática de esporte como animais de caça desportiva, dos quais o próprio Colombo se animava em participar.

Escravas sexuais eram uma das moedas que Colombo utilizava para motivar seus colonos espanhóis e suas tropas. Meninas entre 9 e 10 anos de idade eram capturadas e trocadas entre os europeus como escravos sexuais, sob ordens de Colombo. Michele de Cuneo, amigo de infância de Colombo, escreveu em uma carta:

“Enquanto eu estava no barco, eu capturei uma linda mulher caribenha, quem o Senhor Almirante [Colombo] me ofereceu como presente. Quando a levei para a minha cabine, ela estava nua — como é o costume deles. Eu me enchi de desejo para satisfazer meu prazer com ela e tentei satisfazer meu desejo. Ela não estava disposta, e me tratou com suas unhas de modo que eu desejei nunca ter começado. Mas — para encurtar uma longa estória — eu tomei um pedaço de corda e a açoitei com vigor, e ela soltou berros incríveis que você não acreditaria se os ouvisse. Eventualmente, chegamos a um acordo, eu lhe garanto, de modo que você acreditaria que ela fora criada em uma escola para putas.”

O próprio Colombo viria a descrever essa prática comum em uma carta desenhada para se defender perante a Coroa de acusações de má administração:

“100 castelanos são o suficiente para se comprar tanto uma mulher como uma fazenda, isso é muito comum, e há muitos traficantes sempre à busca de novas meninas; Aquelas entre 9 e 10 anos de idade são as que estão em alta demanda, e por meninas de todas as idades paga-se bem.”

Nessa época, Colombo estava sob investigação por Francisco de Bobadilla a mando pela Coroa. Inclusive, de Bobadilla foi designado Governador em 1500 para substituir Colombo, e imediatamente foi recebido por denúncias contra Colombo por tirania, tortura, e mutilações.

O relato de suas investigações foram encontradas nas últimas décadas:

“Cristóvão Colombo, o homem creditado com a descoberta das Américas, era um tirano ganancioso e vingativo que reservou algumas de suas punições mais violentas para seus próprios seguidores, de acordo com um documento descoberto por historiadores espanhóis.

Como governador e vice-rei das Índias, Colombo impôs disciplina de ferro na primeira colônia espanhola nas Américas, no que é hoje o país caribenho da República Dominicana. Punições incluiam cortar orelhas e narizes das pessoas, desfilar mulheres nus pelas ruas e vendê-las como escravas.

“O governo de Colombo foi caracterizado por uma forma de tirania,” relatou Consuelo Varela, uma historiadora espanhola que tem visto o documento, a jornalistas.

Um homem pego roubando milho teve o nariz e as orelhas cortadas, foi colocado em grilhões e depois foi leiloado como escravo. Uma mulher que se atreveu a sugerir que Colombo era de nascimento humilde foi punido por seu irmão Bartolomé, que também tinha viajado para o Caribe. Ela foi despida e desfilada ao redor da colônia na parte traseira de uma mula.

“Bartolomé ordenou que sua língua fosse cortada”, disse Varela. “Cristóvão felicitou-o por defender a família.”

Foi constatada a prova em um relatório, anteriormente perdido, elaborado na época para os monarcas espanhóis quando ficaram preocupados pela crescente onda de rumores de barbárie e avareza de Colombo. O documento foi escrito por um membro de uma ordem de cavaleiros religiosas, a Ordem de Calatrava, que havia sido solicitada para investigar as alegações contra Colombo pela Rainha Isabel e pelo Rei D. Fernando, que governaram a Espanha juntos na época.

O relatório, por Francisco de Bobadilla, estava largado em um arquivo do estado na cidade espanhola de Valladolid até o ano passado. Bobadilla já tinha sido nomeado governador das Índias, em substituição de Colombo, na época do relatório.

O documento de 48 páginas reúne provas de inimigos e apoiadores do reinado de sete anos de Colombo. Varela, uma das duas historiadoras espanhóis a ter estudado o documento, descreveu a vida na colônia como “terrível e dura”.

Bobadilla recolheu os testemunhos de 23 pessoas que tinham visto ou ouvido falar sobre o tratamento dado por Colombo e seus irmãos. “Mesmo aqueles que o amavam tiveram de admitir as atrocidades que aconteceram”, disse Varela.

Colombo e seus irmãos foram obrigados a viajar de volta para a Espanha. Colombo estava em cadeias, mas, embora ele nunca tenha recuperado seus títulos, ele foi libertado e autorizado a navegar de volta para o Caribe.

“Colombo e seus irmãos surgem no texto como tiranos,” disse Varela. “Agora pode-se entender por que ele foi demitido e nós podemos ver que havia boas razões para fazê-lo.

“Os monarcas queriam alguém que não lhes dessem problemas. Colombo não resolvia problemas, ele os criava”.”

Colombo era, contudo, realmente obcecado com ouro. Nativos eram torturados, mutilados, queimados vivos, e assassinados para serem incentivados a entregar e produzir ouro ao seu Governador.

Com relação a sua religiosidade, Colombo era profundamente místico e supersticioso. Tão certo que sua leitura da Bíblia lhe oferecera revelação pessoal para a circunferência da Terra que ele tinha certeza absoluta que houvera encontrado a Ásia e nunca aceitou que se tratava que outro continente inteiramente diferente. Ele passou uma década explorando o Caribe para encontrar o caminho correto para o Japão e para a Ásia continental entre as ilhas caribenhas. Entre suas buscas, ele estava certo de que havia encontrado o Jardim do Éden na costa da Venezuela.

Embora sempre demonstrara desejo de converter povos ao cristianismo (ele também anotou em seu diário, ainda no 12 de outubro de 1492, como seria fácil converter os nativos pois sob sua ótica eles “não possuem religião” e, especialmente, militarmente “vulneráveis”), sua ideia de “conversão” sempre manifestou-se sob a forma de força militar e escravidão. Ademais, Colombo tornou-se ainda mais religioso e supersticioso após ser preso em 1500 e perder todos os seus títulos e fortunas, passando a descrever suas façanhas em tons religiosos ao invés das metas mercantis outrora laureadas aos reis espanhóis. Após perder seus espólios, Colombo passou a interpretar a obra de sua vida como o cumprimento de escatologia cristã e enxergava-se como o objeto de profecias bíblicas. Nesse período, incluindo os seus últimos anos de vida, Colombo escreveu o famoso Livro de Profecias, onde ele discorria sobre o fim do mundo e a Segunda Vinda de Cristo, anotando as profecias que marcariam a proximidade desses eventos, e como ele as havia ajudado a cumprir:

  1. O Cristianismo deveria se espalhar por todo o mundo, e ele havia encurtado as distâncias e exposto novos povos ao Cristianismo;
  2. O Jardim do Éden deveria ser encontrado, e ele o havia achado na costa da Venezuela;
  3. Uma última cruzada deveria retomar a Terra Santa dos muçulmanos para a preparação para a volta de Cristo;
  4. Um último Imperador Mundial deveria ser escolhido, e de acordo com Colombo, os reis espanhóis Isabella e Fernando seriam os melhores candidatos, especialmente com o seu novo crescente poder global, em grande parte propiciado pelas suas próprias façanhas.

Colombo, portanto, reformulava sua visão de mundo religiosa para situar-se no meio de eventos globais e da história do mundo e do cristianismo. Ademais, argumentava desesperadamente (até sua morte) com a Coroa Espanhola a restituição de seus títulos e direitos financeiros para si e seus descendentes.

Conclusão

Baseando-se no texto canônico ditado por Joseph Smith em 1829, muitos mórmons sentem-se na obrigatoriedade de defender como divinamente inspirado um homem que torturava, mutilava, e matava homens, mulheres, e crianças por dinheiro e por prazer, e cuja religiosidade fundamentava-se na superstição e beirava o fanatismo irracional. Seu grande feito, o motivo de sua fama e legado, e a expressa razão de sua inclusão no Livro de Mórmon, nada mais fora o fruto de uma obstinação inteiramente baseada na ambição gananciosa por riquezas e títulos, e em grosseiros erros de cálculos resultantes de uma leitura supersticiosa e fanática de textos sacros em contraposição aos melhores cálculos racionais de sua época.

Considerando o vasto conhecimento historiográfico e científico acumulado nos quase dois séculos entre 1829 e hoje, não seria hora de abandonar essa visão infantilizada da fábula de Cristóvão Colombo, o descobridor, deixar de deturpar as evidências históricas para defender tal visão, e simplesmente aceitar uma visão mais adulta e nuanceada, compatível com as evidências, de Colombo como representante do predatório e voraz mercantilismo europeu renascentista?


Referências

Colombo, Cristóvão; Cohen, JM [tradutor] (1969). The Four Voyages of Christopher Columbus. Penguin.

Colombo, Cristóvão (1991). First Voyage to America: From the log of the “Santa Maria”. Dover.

Sale, Kirkpatrick (1991). The Conquest of Paradise: Christopher Columbus and the Columbian Legacy. Plume.

Zinn, Howard (2003). A People’s History of the United States. Harper.

5 comentários sobre “Cristóvão Colombo na Doutrina Mórmon

  1. “O Jardim do Éden deveria ser encontrado, e ele o havia achado na costa da Venezuela”

    Colombo errou: o Jardim do Éden seria encontrado no século XIX, no Estado de Missouri, nos Estados Unidos, por Joseph Smith.

  2. Quero discordar e espero que aceite a minha critica!

    Porque discordo fielmente disso, e Cristovão Colombo foi um bobão, esclerotico. Antes dele diversos piratas ja passaram pela America. Acontece que os livros de historia não contam essa versão, a igreja LDS não fala isso; não acredito! O profeta da restauração só quer nos alertar do que existe na America do Norte, alem do mais ele havia dito que haveria uma Nova Jerusalém.

  3. Ao meu ver essa profecia ainda nao foi cumprida, as razoes pela qual eu acredita que nao foram cumpridas sao as seguintes:

    (1) O Espirito de Deus desce sobre esse homem separado pelas muitas aguas ( O Espirito de Deus nao habita em templos impuros; muitas aguas para os Nefitas era o Pacifico e nao o Atlantico, creio tambem que os descendetes de Lehi habitvam na maior parte o Oeste das Americas como Chile; Peru; Mexico etc… e nao o Leste)

    (2) “Os gentios sairam do cativeiro” Me parece que a Europa era o lugar mais livre do mundo na epoca da colonizacao das Americas, o termo cativeiro denota um povo no cativeiro e liberto pelo poder de Deus.( Colombo e seus seguidores nao sairam do cativeiro mas sim de livre vontade e nao creio que eles tinham o poder de Deus com eles)

    (3) De acordo com a profecia os descendentes de Lehi foram dispersos, porem os Nativos Norte Americanos vivem em reservas protegidas pelo governo federal e nao estao dispersos, muito pelo contrario estao bem coligados e protegidos.

    (4) Seguidas vezes o anjo diz a Nefi que o poder de Deus estava sobre os gentios e que a mae patria deles estava reunida tanto no mar como na terra para batalhar contra eles mas o poder de Deus estava com eles, isso indica que foi Deus que lutou essa batalha por eles, entendemos pelo poder de Deus sendo o poder de mover montanhas, fazer exercitos fugirem; mover os rios de seu curso etc… Nao ha nenhuma evidencia de que nada disso tenha ocorrido com Colombo e sua tropa, nem entre outros colonizadores.

    (5) Outro fator importante a considerar no mesmo capitulo e que o anjo mostra a Nefi a formacao de uma igreja abominavel, sendo ela a igreja do Diabo e sendo ele proprio o fundador, no mesmo verso ele menciona um livro escrito por (um) Judeu, muitos acreditam ser a Biblia mas se lermos com cuidado vemos que esse livro contem os convenios de Deus e que saiu da boca de UM Judeu e sabemos que a Biblia nao foi escrita por uma so pessoa e jamais conteve os convenios ou a plenitude do Evangelho como o anjo disse, alem disso ele diz que esse tal livro era semelhante as placas de Latao mas em MENOR numero que as placas de latao, a Biblia se estivesse em placas de latao seria muito maior em numero do que as placas trazidas por Lehi obtidas de Labao, tanto que Nefi apos matar Labao foi capaz de carregar as placas sozinho! Nao seria o caso se as placas fossem maiores que os registros contidos na Biblia, Nefi teria que ter um caminhao e ajuda de varias pessoas para carregar tal registro, o Anjo deixa claro que o livro que os gentios carregam com eles e de fato MENOR que as placas de latao, portanto nao pode ser a Biblia, eu entendo que esse livro ainda ira surgir no futuro e tera grande valor para os gentios pois tera poder de convencer nacoes, tribos e povos sobre a divinidade de Cristo e depois disso a igreja do Diabo ira obter esse livro e alterar os ensinamentos o que causara muitos a errarem novamente. O anjo declara tambem que havera outros livros que irao convencer todas nacoes e povos sobre Cristo, Nem a Biblia ou o Livro de Mormon atuais tem tido esse poder, meramente convence aqueles que acreditam neles muito menos aqueles que nao sao Cristaos, de fato mais e mais pessoas estao deixando de acreditar na Biblia e no LM, por isso o anjo diz que surgira outros livros mais convincentes.

    Esse meu comentario e baseado no Livro de Mormon e varios artigos que li sobre o assunto, se alguem puder acrescentar ou corrigir qualquer erro, por favor?

    • A minha interpretacao e que essas profecias ainda nao aconteceram, agora se uma pessoa nao acredita na divinidade do Livro de Mormon ela naturalmente vai achar que Joseph Smith escreveu o Livro de Mormon, neste caso vc estaria certo em categorizar esses eventos como no passado, se alguem acredita no Livro de Mormon ela geralmente vai aceitar a narrativa da igreja SUD de que essas profecias foram cumpridas com Cristovao Colombo, ao olhar mais cuidadosamente e novamente acreditando no Livro de Mormon, Colombo e a colonizacao das Americas nao se encaixa com essas profecias dada a Nefi pelo Anjo.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s