Novo Apóstolo Brasileiro?

Há 5 dias, nós publicamos um artigo sobre as três vagas no Quórum dos Doze Apóstolos que devem ser preenchidas amanhã.

Vários dos nossos leitores responderam com a esperança que o Cláudio Costa fosse chamado para uma das vagas.

Claudio Costa

A questão é que ele realmente pode ter uma chance boa de ser chamado.

Eis porquê:

Três fatores na seleção de novos Apóstolos parecem favorecer a candidatura de Cláudio Costa.

Em primeiro lugar, Costa tem a idade apropriada.

Dentre os Apóstolos vivos (excetuando-se, aqui, o Profeta), 73% tinha entre 57 e 67 anos de idade quando foram induzidos ao Quórum dos Doze. Contudo, na última década e, coincidentemente, dentre os últimos três Apóstolos chamados, 100% tinham entre 57 e 67 anos de idade. Estatisticamente, os líderes atuais, especialmente sob a liderança de Thomas Monson, favorecem Apóstolos idosos já na “terceira idade”. Costa tem 66 anos atualmente.

O fato inegável dessa preferência pela terceira idade pode ser justificado pela tendência natural dessa fase de vida. Idosos tendem a ser mais conservadores e moderados que jovens ou mesmo adultos em meia-idade, exibindo maior resistência a mudanças e maior propensão a manutenção e defesa do status quo.

Ademais, com relação a idade, Costa ainda tem a vantagem de poder servir de símbolo de diversidade étnica e internacional sem ameaçar ocupar o ofício de Presidente da Igreja com um não-Americano (sendo mais velho que o David Bednar, que obviamente foi escolhido para eventualmente ocupar a Presidência).

Em segundo lugar, Costa tem uma carreira eclesiástica apropriada.

Dentre os Apóstolos vivos (excetuando-se, aqui, o Profeta), 90% subiu pela hierarquia eclesiástica progressivamente, servindo em chamados religiosos ou trabalhando em carreiras no Sistema Educacional da Igreja (SEI). Costa não apenas fez carreira profissional no SEI, como evoluiu gradativamente galgando a escada da carreira eclesiástica: Conselheiro de Bispo, Bispo, Presidência de Estaca, Presidente de Missão, Representante Regional (antigo Setenta Autoridade de Área), Segundo Quórum dos Setenta (Autoridade Geral com mandato de 5 anos), e Primeiro Quórum dos Setenta (com mandato até os 70 anos de idade).

O fato inegável dessa preferência pelo cursus honorum e pelo carreirismo eclesiástico  pode ser justificado pela possibilidade que tal currículo de vida favorece a promoção de homens que demonstram dedicação ímpar à instituição acima de quaisquer outras considerações. Havendo dedicado décadas e décadas (nesse caso, 4 a 6 décadas) de uma vida pessoal à uma instituição, qualquer indivíduo é estimulado a uma devoção fanática à ela, assegurando a supressão de dissonâncias cognitivas e despersonalizando ambições ou interesses idiossincráticas não-institucionais ao longo do tempo.

Novamente, carreiristas tendem a ser mais conservadores e moderados que líderes eclesiásticos com outros interesses ou devoções pessoais ou profissionais, especialmente aqueles que não herdaram suas posições na Igreja como herança familiar e tiveram que provar sua lealdade institucional por décadas, exibindo assim ainda maior resistência a mudanças e maior propensão a manutenção e defesa do status quo.

Em terceiro lugar, Costa exibe um conservadorismo inquestionável.

O fato inegável da preferência por homens que, por natureza de suas idades e suas carreiras institucionais, tendem a ser mais conservadores e reacionais, sugere que essas são características desejáveis, se não pré-requisitas, para o chamado de Apóstolo no século XXI. Considerando isso, Costa já provou seus credenciais clara e inequivocamente. Dado a oportunidade para discursar em Conferência Geral, Costa não perdeu tempo para demonstrar sua lealdade e devoção à instituição, exultando o princípio de obediência cega e inquestionável aos líderes, especialmente ao Profeta, da Igreja.

Em 2003 e 2004, eu frequentei a mesma Ala que o Cláudio Costa. Assistíamos as mesmas aulas de Escola Dominical toda semana, e frequentemente, as mesmas aulas de Sacerdócio. Ele não era o tipo de pessoa que tentava controlar ou monopolizar a atenção ou o tempo das aulas, mas quando expressava suas opiniões, elas invariavelmente demonstravam essa propensão ao conservadorismo e à lealdade cega e invariável à Igreja institucionalmente. Uma anedota pessoal entre nós dois ilustra isso comicamente.

Eu nunca frequentava as reuniões dominicais de terno, apesar de morarmos numa cidade onde o clima perene é sereno. Camisa, gravata, e calça social sport, coberto por uma jaqueta de couro nos dias mais frios. Em várias ocasiões, durante aulas do Sacerdócio, Costa havia feito comentários indiretos sobre vestuário dominical apropriado para “portadores do Sacerdócio”, mas nada que me movesse ou me incomodasse. Certo Domingo, após as reuniões, enquanto eu conversava no corredor com sua simpática esposa, Costa me puxou de lado e me perguntou o meu tamanho de roupa. Percebendo o meu olhar curioso e, francamente surpreso, Costa me informou que ele tinha dois ternos novos que não lhe serviam mais e que ele achava que me serviriam bem. Eu lhe respondi com agradecimentos pela gentileza, mas informando-lhe que não precisava de mais ternos naquele momento e que talvez outra pessoa menos abastada os apreciariam mais. Costa, então, insistiu dizendo que pessoalmente gostaria me-los dar e se eu não os, ao menos, provaria. Concordei, e no Domingo seguinte ele me presenteou com 2 ternos de excelente qualidade e em excelente estado. Os ternos me serviram bem, apesar dele ser menor e mais “encorpado” que eu, e eu lhe agradeci a gentileza e levei os ternos pra casa.

Existe uma regra eclesiástica de vestuário para portadores do Sacerdócio. Ela deve ser obedecida sem ser questionada, seguida sem ser contestada ou violada. Contrariá-la ou não aderir a ela fielmente, por mais inconsequente que possa parecer, é uma questão de relevância e importância suprema. Costa foi gentil e generoso, sem dúvida, mas a lição de moral não poderia ter sido menos óbvia.

Considerando o perfil histórico recente dos Apóstolos, Costa parece ser um bom candidato.


ATUALIZAÇÃO #1 (04/10/15): Não chamaram um Apóstolo brasileiro.

ATUALIZAÇÃO #2 (04/10/15): Já há resumos e impressões de sessões da 185a Conferência Geral Semi-anual no ar. Confira aqui

48 comentários sobre “Novo Apóstolo Brasileiro?

  1. Claudio Manoel Costa não tem nível intelectual para ser apóstolo.Ele não possui curso superior.Ele nunca administrou nada de grande organização ou em termos profissionais, uma empresa de porte ou em termos de profissional liberal uma vida repleta de palestras em lugares sofisticados.Ele não é da elite intelectual nem dentro nem fora da Igreja.Ele não é querido por algumas pessoas que trabalharam com ele.Eu já dei aulas na mesma ala que a família dele frequentava quando o mesmo era da Presidência da Área Brasil Norte ( hoje fechada) e eu digo que ele nunca foi querido por todos que estavam ao redor dele.Por questão de educação não revelarei aqui os conflitos existentes que o mesmo teve e sua esposa também com alguns membros da Estaca.Ele fala inglês e espanhol muito bem, é conservador,é 100% envolvido na Igreja, é elegante,100% honesto.Acredito que essas características não são as únicas.Há muitos até melhores do que muitos membros que estão nos !@ e nunca foram chamados.Corre um rumor aqui de que o Presidente Costa disse o Presidente Hinckley o considerou capacitado para ser dos 12. Rumores.Em termos de qualidade da obra que ele realiza, já conheci melhores em todos os sentidos.
    Um apóstolo brasileiro em nada vai alterar a situação da Igreja no Brasil.O escritório de SLC é quem manda.A história do terno é real.Lembro que o Presidente Costa aqui em Recife implicou com um presidente de Estaca porque o mesmo frequentava a reunião de Sumo-Conselho da Estaca e visitava as alas sem terno, e o que aconteceu?O Presidente da Estaca foi desobrigado.Espero que nenhum brasileiro seja chamado para os 12.

    • Gostaria de saber mais da vida acadêmica dele mas, se vc já disse que ele não tem curso superior tá ok então!

      Surpresa com sua lição de moral vindo dele Marcello, realmente espero que nenhum brazuca seja chamado mas acho que está digamos “em tempo”.

    • Magnolia, vc diz “nao sou mais dessa igreja”, porem nao consegue deixar a igreja! Acho que vc eh mais SUD do que muitos por ai! Uma SUD revoltada sem causa, porem SUD!

      • Deixei ela dá mesma forma que conheci, estou aqui porque ainda gosto de me informar através de gente inteligente como os donos desse site, diferente da maioria dos mórmons ignorantes e analfabetos que vemos por aí mas, por hora não quero citar o nome de deles mas, eles costumam postar muito por aqui viu!

Deixe uma resposta para Magnólia Sá Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.