Brigham Young: Amor ao Próximo

O Presidente Brigham Young fez os seguintes comentários sobre o verdadeiro amor ao próximo, no histórico Tabernáculo Mórmon, em fevereiro de 1857:

Brigham Young

Discursando sobre vida eterna, exaltação, e a importância de “conhecer a Deus” para garantir sua exaltação pessoal, Young explica a real natureza do amor cristão necessário para tal:

“Agora, para os fatos no caso; toda a diferença entre Jesus Cristo e qualquer outro homem que já viveu na Terra, desde os dias de Adão até agora, é simplesmente esta: o Pai, depois de ter vivido uma vez na carne, e viver como vivemos, obtido Sua exaltação, alcançado os tronos, ganhou ascendência sobre os principados e potestades, e obteve o conhecimento e poder para criar – para produzir e organizar os elementos em princípios naturais. Ele fez isso depois de Sua ascensão, ou a Sua glória, ou a Sua eternidade, e foi realmente classificado com os deuses, com os seres que criam, com aqueles que têm guardado a lei celestial enquanto na carne, e novamente obtido seus corpos. Então Ele estava preparado para começar o trabalho de criação, como as Escrituras ensinam. Está tudo aqui na Bíblia; Eu não estou dizendo uma palavra que não esteja contida naquele livro.

As coisas foram criadas primeiro espiritualmente; o Pai literalmente gerou os espíritos, e eles nasceram e viveram com ele. Então Ele começou o trabalho de criar tabernáculos terrenos, precisamente como Ele tinha sido criado ele mesmo nesta carne, partilhando do material grosseiro do qual foi organizada e composta a terra, até que seu sistema estivesse carregado com ele, e consequentemente, os tabernáculos de Seus filhos foram organizados a partir dos materiais grosseiros desta terra.

Quando chegou o momento para quando o Seu primogênito, o Salvador, devesse vir ao mundo e tomar um tabernáculo, o próprio Pai veio e forneceu aquele espírito com um tabernáculo ao invés de deixar qualquer outro homem fazê-lo. O Salvador foi gerado pelo Pai do Seu Espírito, pelo mesmo Ser que é o Pai do nosso espírito, e essa é toda a diferença biológica entre Jesus Cristo e você e eu. E a diferença que há entre nosso Pai e nós consiste em que Ele ganhou Sua exaltação, e obteve a vida eterna. O princípio da vida eterna é uma existência eterna, de duração eterna, exaltação eterna. Infinitos são os seus reinos, intermináveis Seus tronos e Seus domínios, e infinita é Sua posteridade; eles nunca deixarão de se multiplicar de agora em diante e para sempre.

Para vocês que estão preparados para entrar na presença do Pai e do Filho, o que estou dizendo agora acabará por não ser mais estranho do que são os sentimentos de uma pessoa que retorna ao lar de seu pai, irmãos, e irmãs, e goza da companhia de seus antigos associados, após uma ausência de vários anos em alguma ilha distante. Ao retornar, ele ficaria feliz em ver seu pai, seus parentes e amigos. Assim também, se guardarmos a lei celestial quando nossos espíritos vão a Deus que lhes deu, veremos que estamos familiarizados lá e claramente perceber que nós sabemos tudo sobre esse mundo.

O irmão Cummings disse a verdade nesta manhã em relação aos pecados do povo. E eu vou dizer que a hora vai chegar, e agora está quase a mão, quando aqueles que professam a fé, se eles forem culpados do que algumas destas pessoas são culpados, irão encontrar o machado posto à raiz da árvore, e eles serão cortados. O que foi deve ser mais uma vez, porque o Senhor está vindo para restaurar todas as coisas. O tempo foi em que Israel estava sob a lei de Deus, a lei celestial, ou o que diz respeito à lei celestial, pois é uma das leis desse reino onde o nosso Pai habita, que se um homem for considerado culpado de adultério, ele deve ter seu sangue derramado, e isso está próximo à mão. Mas agora eu digo, em nome do Senhor, que se este povo não pecar mais, mas viver fielmente a sua religião, seus pecados serão perdoados, sem tirar-lhes a vida.

Você está ciente de que quando o irmão Cummings chegou ao ponto sobre amar nosso próximo como a nós mesmos, ele poderia dizer sim ou não, conforme o caso pode ser, isso é verdade. Mas eu quero conectá-lo com a doutrina que você lê na Bíblia. Quando vamos amar o nosso próximo como a nós mesmos? Em primeiro lugar, Jesus disse que nenhum homem odeia a sua própria carne. É admitido por todos que cada pessoa ama a si mesmo. Agora, se nós, com razão, amarmos a nós mesmos, queremos ser salvos e continuar a existir, queremos ir para o reino onde podemos desfrutar da eternidade e não ver mais tristeza nem morte. Este é o desejo de cada pessoa que acredita em Deus. Agora pegue uma pessoa nesta congregação que tenha conhecimento no que diz respeito a ser salvo no reino de nosso Deus e nosso Pai, e ser exaltado, aquele que conhece e compreende os princípios da vida eterna, e vê a beleza e excelência de eternidades diante de si em comparação com as coisas vãs e tolas do mundo, e suponha que ele é subjugado por uma falha grave, e que cometeu um pecado que ele sabe que vai privá-lo da exaltação que ele deseja, e que ele não pode atingi-la sem o derramamento do seu sangue, e também sabe que por ter seu sangue derramado ele vai expiar por esse pecado, e ser salvo e exaltado com os Deuses, existe um homem ou mulher nesta casa que não diria, “derrame o meu sangue para que eu possa ser salvo e exaltado com os deuses?”

Toda a humanidade se ama a si mesmo, e deixe que estes princípios sejam conhecidos por qualquer indivíduo, e ele ficaria feliz em ter seu sangue derramado. Isso seria se amar, até a sua exaltação eterna. Você vai amar seus irmãos ou irmãs da mesma forma, quando eles cometerem um pecado que não pode ser expiado sem derramamento de sangue? Você vai amar esse homem ou mulher o suficiente para derramar o seu sangue? Isso é o que Jesus Cristo quis dizer. Ele nunca disse a um homem ou uma mulher para amar seus inimigos em sua iniquidade, nunca. Ele nunca pretendeu tal coisa; Sua linguagem é deixada como está para aqueles que leem e que têm o Espírito possam discernir entre a verdade e o erro; foi então assim deixada para aqueles que possam discernir as coisas de Deus. Jesus Cristo nunca quis que amássemos um homem iníquo em sua iniquidade.

Agora pegue os iníquos, e eu posso me referir para quando o Senhor teve que matar as almas de todos em Israel que saíram do Egito, exceto Calebe e Josué. Ele os matou pelas mãos de seus inimigos, pela peste e pela espada, por quê? Porque Ele os amava, e prometeu a Abraão que Ele iria salvá-los. E ele amava Abraão porque ele era um amigo para seu Deus, e se apegaria a Ele na hora da escuridão, portanto, Ele prometeu a Abraão que Ele salvaria a sua semente. E Ele não poderia salvá-los baseado em nenhum outro princípio, pois haviam perdido seu direito à terra de Canaã, por transgredir a lei de Deus, e eles não poderiam ter expiado os seus pecados se tivessem vivido. Mas se eles fossem mortos, o Senhor poderia fazê-los subir na ressurreição, e dar-lhes a terra de Canaã, e Ele não poderia fazê-lo sob qualquer outro princípio.

Eu poderia me referir para a abundância de casos em que homens foram justamente mortos, a fim de expiar pelos seus pecados. Eu vi dezenas e centenas de pessoas para as quais teria havido uma chance (na última ressurreição haverá) se suas vidas tivessem sido tomadas e o seu sangue derramado no chão como uma fumaça de incenso para o Todo-Poderoso, mas que agora são anjos do diabo, até que o nosso irmão mais velho, Jesus Cristo, os levante – conquistando a morte, o inferno e a sepultura. Eu conheci muitos homens que deixaram esta Igreja para os quais não há chance alguma para a exaltação, mas se o seu sangue houvesse sido derramado, que teria sido melhor para eles. A maldade e a ignorância das nações proíbem praticar este princípio em pleno vigor, mas o tempo virá quando a lei de Deus estará em pleno vigor.

Isso é amar o nosso próximo como a nós mesmos; se ele precisa de ajuda, ajudá-lo; e se ele quer a salvação e é necessário derramar o seu sangue sobre a terra, a fim de que ele possa ser salvo, derramá-lo. Qualquer um de vocês que compreendem os princípios da eternidade, se você cometeu um pecado que exige o derramamento de sangue, com exceção do pecado para a morte, não ficaria satisfeito nem descansaria até que seu sangue fosse derramado, para que você possa ganhar essa salvação que você deseja. Essa é a maneira como se amar a humanidade.” (Journal of Discourses 4:219)


Leia outro discurso de Brigham Young sobre expiação por sangue

Leia mais sobre o que Brigham Young achava de médicos

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre Adão

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre negros

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre poligamia e expiação

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre a palavra de sabedoria

Leia mais sobre a proibição de ordenação de negros ao Sacerdócio

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre honestidade

3 comentários sobre “Brigham Young: Amor ao Próximo

  1. Sinceramente tem ocasiões que eu acho que o êxodo de Brigham Young para as montanhas rochosas deixou algumas sequelas mentais no mesmo. Esta é uma destas ocasiões,

  2. Nossa !!, que loucura !! Se seguirmos tal raciocínio, ele mesmo teria que derramar seu sangue, depois de tantas mulheres que teve ! Que maluco !!

  3. Um conceito que desvirtua os ensinamentos de Jesus Cristo:
    “Não há maior AMOR que este, de dar a sua VIDA por um amigo”.
    Mais lhe vale derramar seu próprio sangue e vida como sacrifício por quem você ama.
    Minha opinião? Devaneios Tremius de Brigham Young.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s