Ordenação às Mulheres

mulheresCresce, aos poucos, na Igreja SUD uma conscientização coletiva de que mulheres SUD não vêm sendo tratadas ou consideradas com a mesma igualdade de respeito e oportunidade que os homens SUD. Tais reflexões não são novas ou originais, mas o que mais impressiona no presente momento é a penetração social desta ideia. Além de uma crescente mobilização entre mulheres SUD, parece haver uma recíproca preocupação entre a liderança (exclusivamente masculina) SUD.

Não obstante o progresso visto nos últimos anos, há mulheres na Igreja que finalmente estão reinvindicando equalidade total através de um (gigante) passo simbólico: ordenação de mulheres ao Sacerdócio.

Antecedentes

A proposição não é inédita. Na igreja Cristã no primeiro século E.C. era comum ver mulheres em posições de liderança eclesiástica. Junias, esposa de Andrônico, servia como Apóstola. Phoebe servia como Diácona na cidade de Cenchreae. Priscila, esposa de Áquila, era Missionária (συνεργός) com os demais Apóstolos e líder da uma congregação (o equivalente a “presidente de ramo”) na “Ásia” (Turquia). Entre outras mulheres que igualmente serviam como líderes de congregações estavam LídiaEvódia, Síntique, Ninfas, Cloé, e as 4 filhas de Felipe.

Mesmo na tradição Mórmon, há exemplos de ordenação de mulheres. Quando Joseph Smith decidiu incorporar a já organizada (independentemente por um grupo de mulheres) Sociedade de Socorro sob a direção da Igreja, prometeu que iria conferir “poder e autoridade e as chaves do Sacerdócio” à organização de mulheres. Infelizmente, essa abertura foi abortada quando Emma Smith tentou usar a Sociedade de Socorro para coibir os casamentos plurais secretos de Smith e a Sociedade foi desorganizada, até que Brigham Young a reorganizou anos depois. Sob a direção de Eliza Snow, uma das esposas plurais de Young, a organização de mulheres passou a gozar novamente de maiores liberdades, exercendo o seu Sacerdócio para curar, profetizar e realizar outras ordenanças, além de incentivar estudos e carreiras (e até o sufrágio) para mulheres. Infelizmente, essa abertura também foi abortada na virada do século XIX para o XX em concomitância com o fim gradual da poligamia e uma transição de um modelo patriarcal aberto (i.e., poligamia) para um mais velado (i.e., submissividade feminina). O uso do Sacerdócio feminino foi “desencorajado” e a Sociedade de Socorro perdeu sua independência financeira e editorial.

Outra igreja Mórmon, contudo, optou por encerrar esta forma de discriminação baseada em gênero e canonizou na Doutrina e Convênios uma revelação recebida em 1984 pelo bisneto de Joseph Smith, Wallace B. Smith. Desde 1985, mulheres na Comunidade de Cristo são ordenadas ao Sacerdócio normalmente, servindo em diversas posições de liderança, inclusive no Conselho dos Doze Apóstolos e na Primeira Presidência.

Com uma rica tradição de inclusividade às mulheres, tanto nos primórdios Cristãos, como na própria história Mórmon, por que a Igreja SUD insiste em segregar as mulheres para uma condição de status secundário? Esta é uma das perguntas levantadas por muitas mulheres SUD.

Atualidade

Dois artigos recentes no The New York Times descrevem tanto as mudanças recentes dentro da Igreja SUD como a militância de mulheres SUD para serem incluídas dentro da Igreja como “iguais”.

Nos útimos 18 meses, a Igreja reduziu a discrepância de idades entre homens e mulheres para serviço missionário (de 19 e 21 anos, respectivamente, para 18 e 19 anos) e passou a autorizar alguns cargos de lideranças para mulheres missionárias. Além disso, um membro da Primeira Presidência chegou a admitir que a Igreja havia errado no passado justamente enquanto mulheres SUD do movimento ‘Ordain Women’ (n.t., Ordene as Mulheres) tentavam entrar na Reunião do Sacerdócio da Conferência Geral (e protestavam sua exclusão).

Estes passos podem ser vistos como progresso inquestionável. Há duas décadas a Igreja caçava e excomungava mulheres que publicavam artigos acadêmicos sobre Mãe Celestial ou ordenação às mulheres. Hoje protestam e abrem petições online sem serem perseguidas. Há duas décadas, mulheres eram permitidas como missionárias, mas não encorajadas. Hoje são incentivadas a servirem, mais jovens até. Há duas décadas, mulheres eram incentivadas pelo Presidente da Igreja a não trabalharem e não terem carreiras e a serem donas-de-casa integralmente. Oras, há um ano uma mulher até ofereceu uma oração em plena Conferência Geral. A primeira em quase 200 anos. Pasmem! Certamente, houve muito progresso.

Mas não é suficiente ainda, dizem as irmãs da Igreja.

Estas destemidas irmãs da Igreja acreditam que ainda há muito sexismo na abordagem da educação sexual e moral das crianças e adolescentes SUD. Elas se opõe publicamente a uma Autoridade Geral que sobe ao púlpito em Conferência Geral para exortar as mulheres SUD a encontrarem seus propósitos de vida em serviços domésticos. Milhares delas, inclusive, solicitam medidas específicas e práticas às Autoridades Gerais para mitigarem a discrepância no tratamento entre mulheres e homens, como permitir que mulheres abençoem seus filhos, sirvam de testemunhas em ordenanças, possam se selar a seus segundos maridos (após divórcios ou viuvez), ou sejam incluídas nos conselhos de liderança em estacas e nos conselhos gerais.

No frigir dos ovos, tudo repousa na questão de tratar mulheres de maneira egalitária aos homens. Ordenando mulheres ao Sacerdócio, abrem-se as portas para que sirvam em posições de liderança administrativa e institucional. Com as perspectivas femininas sendo levadas em consideração em pé de igualdade com as perspectivas masculinas (que, atualmente, são as únicas), todos os dilemas e desafios vivenciados (e ignorados) por mulheres SUD poderão ser estudadas e consideradas com pertinência e relevância. As mulheres Apóstolas, as mulheres Setenta, as mulheres Bispas e Presidentes de Estaca terão conhecimento pessoal das entrevistas inapropriadas ou do foco exagerado e distorcido em vestimentas, e poderão levantar estas questões nos comitês relevantes. Ademais, a simples visão de mulheres no púlpito, ao leme, e em comando traria às crianças e meninas e adolescentes SUD lições incalculáveis sobre auto-estima feminina, a importância das mulheres na sociedade e na Igreja, e de tratar todas as pessoas, independente de gênero, como iguais perante Deus e os seres humanos.

Experiência Pessoal

Crescendo na Igreja, portando um pênis na Primária e o Sacerdócio na adolescência, eu nunca tinha me dado conta que houvesse diferenças no tratamento entre mulheres e homens. Como membro da classe privilegiada, eu simplesmente achava “natural” que houvesse tais diferenças e ignorava as (poucas) vozes que sugeriam o contrário.

Ela não pode ser considerada menos missionária do que qualquer menino de gravata!

Ela não pode ser considerada menos missionária do que qualquer menino de gravata!

Até a minha missão. Como missionário, eu tive a primeira experiência que me fez realmente considerar a posição feminina.

Na época eu estava servindo como líder de zona, e como tal, era responsável por todos os missionários no meu país. Com a distância da ca

sa da missão, a mim ficava delegado as decisões de autorizações de viagens. Uma das missionárias, Jenny Bartholomew, me ligou no Domingo à noite para passar as estatísticas da semana em sua cidade e aproveitou para me pedir permissão para uma viagem no seu dia de folga.

Eu respondi:

— Ok. Você acha que vocês conseguem voltar antes do anoitecer?

— Eu acho que sim. Mas pode ser que não consigamos.

— Certo. Eu me sentiria mais confortável se vocês fossem com os missionários, então.

— O QUÊ???

— Eu disse que eu me sentiria mais confortável se vocês fossem com os OUTROS missionários. Para segurança.

— Ah, tá! Eu vou falar com eles, então.

Eu adorava a Sister Bartholomew. Ela era muito esforçada, muito trabalhadora, muito mais inteligente que quase todos nós, e certamente a mais adulta da missão (e isso incluindo o Presidente da Missão e esposa). Algumas semanas antes, eu estava visitando a cidade delas, e ela me havia dito que se incomodava como os missionários (homens) tratavam as missionárias como “menos” missionários do que eles. Eu retruquei que achava isso um absurdo, que elas eram idênticas aos outros missionários, e que isso era apenas uma percepção exagerada dela. E ela deixou a conversa por ali.

Eu tenho certeza de que ela se lembrou daquela conversa quando eu cometi o meu ato-falho. Eu estava sendo perfeitamente sincero quando lhe havia dito que as considerava iguais — certamente, eu a considerava mais, pessoalmente, que qualquer outro missionário. Não obstante, eu devo ter ouvido essa distinção tantas vezes, por tantas pessoas (e, infelizmente, pelo Presidente de Missão), que ela se espreitou às minhas palavras de maneira inconsciente e inesperada.

“Eu me sentiria mais confortável se vocês fossem com os missionários.” Como se elas não fossem missionárias! Eu fiquei mortificado. Por semanas, morria de vergonha ao falar com ela, que, graciosamente, jamais tocou no assunto novamente. Contudo, jamais deixou de tocar a minha consciência.

Eu percebi, então, que mulheres na Igreja (e, infelizmente, não apenas na Igreja) passam por desafios que eu, como homem, não consigo nem enxergar direito simplesmente por não vivencia-los. Nós, homens, podemos tentar entender o que vivem as mulheres, mas nunca conseguiremos compreender adequadamente. Por isso, elas merecem ter a voz e a autoridade e o poder para expressar os seus anseios, os seus sonhos, os seus medos, e os seus desafios. E isso nunca ocorrerá enquanto houver homens que acreditam que podem falar (e legislar e profetizar) em seus lugares.

Conclusão

A estrutura social Mórmon em tôrno da Igreja SUD permanece fundamentalmente patriarcal e machista. Acreditar que é um problema que não nos compete solucionar, e que qualquer solução deve vir “de cima pra baixo” é uma postura imoral e preguiçosa. Acreditar que, por ser um problema prevalente em toda a sociedade autóctone seja aceitável que o seja dentro do Mormonismo é ofensivo à própria idéia de que a Igreja deva servir de liderança moral e ética ao Mundo. Parabéns às mulheres que tem a coragem moral de tentar mudar o mundo, e a fé, para que as inclua e as trate dignamente. A nós, homens, nos resta apenas apoiar estas mulheres de coragem.

 

Feminista?

 

17 comentários sobre “Ordenação às Mulheres

  1. Outra vez, sensacional e inteligente artigo Marcello!

    Tem cérebros dentro da Igreja que a esta hora devem estar fritando por terem de pensar ou ao menos considerar isso.

    Que fique SEMPRE extremamente claro: minha admiração pelas mulheres, vai até o ponto de pensar que verdadeiramente e através delas é que este mundo ainda poderá ser melhor e com menos guerra.

    • Não se deixe iludir, não são mulheres que vão trazer paz a terra, pelo contrário o que temos visto no mundo como a sua derrocada, a perda de valores éticos e morais de comportamento devemos ao abandono pelos homens de suas responsabilidades, se queremos perder o mundo de vez, devemos entrega-lo à elas, uma vez que fomos tirados do paraiso, devemos agora sermos banidos também da vida? Não nos iludamos, elas foram as primeiras a terem contato com o grande inimigo, devemos parar de aceitar tacitamente as coisas e começar a pensar num mundo melhor com todos ocupando seu lugar de direito.

      • Robson,

        eu não havia lido neste site um comentário tão chocante e absurdo como o seu. Só para limitar sua ideia à doutrina da Queda: quer dizer que Eva fez algo errado e Adão foi banido do paraíso por culpa de Eva? Tem certeza que isso é mormonismo?!

  2. “Eu percebi, então, que mulheres na Igreja (e, infelizmente, não apenas na Igreja) passam por desafios que eu, como homem, não consigo nem enxergar direito simplesmente por não vivencia-los. Nós, homens, podemos tentar entender o que vivem as mulheres, mas nunca conseguiremos compreender adequadamente.”

    Perfeito!

    • O inverso também é aceitável. Mas, existe um princípio na igreja que é o de que temos um profeta e presidente que nos revela as verdades e dirige a igreja sobre a ordem de Jesus Cristo. Logo todas revelações, normas e mudanças etc… Devem partir do profeta sobre revelação e nunca baseado em nossas opiniões. O evangelho é uma teocracia e não uma democracia então se haverá mudanças ou não elas dependem da revelação que será dada ao profeta.

      Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas.
      Amos 3:7

      Se a igreja perder este elo de direcção , então se torna uma instituição como outra qualquer dirigida por normas;

      Então, esta o questionamento hoje, estamos sendo guiados por revelações dadas directamente por Jesus Cristo a um profeta?

      Ou estamos seguindo adaptações, normas e orientações baseadas em opiniões de homens?

      • Quando Emma Smith pressionou Joseph Smith a enquadrar sua vida de acordo com o movimento de temperança, ele ditou uma revelação para enquadrar a vida de todos os Mórmons de acordo com o movimento de temperança.

        Quando Oliver Cowdery e amigos pressionaram Joseph Smith por causa de seu caso com Fanny Alger e os rumores de poligamia, ele ditou uma revelação (e a incluiu na Doutrina e Convênios) proibindo poligamia e estabelecendo monogamia como um “mandamento eterno” para a Igreja.

        Quando o governo federal pressionou a Igreja a quebrar o “novo e sempiterno convênio” que John Taylor profetizara “jamais ser[ia] revogado… pois é eterno” e que Brigham Young havia profetizado que “a Igreja jamais abandonaria”, Wilford Woodruff organizou um comitê para redigir o texto que seria incluído em Doutrina e Convênios quebrando o “novo e sempiterno convênio” da poligamia.

        Quando a sociedade norte-americana pressionou por quase duas décadas, e quando a sociedade brasileira pressionou com sua própria etno-demografia, contra a segregação racial Mórmon, Spencer Kimball anunciou uma revelação que encerrava uma prática racial que vários profetas e Apóstolos haviam predito que duraria “até a Segunda Vinda”.

        Você pode acreditar que na “igreja… temos um profeta e presidente que nos revela as verdades e dirige a igreja sobre a ordem de Jesus Cristo”, mas acreditar que a Igreja não muda e não se adapta conforme pressões sociais, culturais, e legais é viver com a cabeça enterrada numa caixa de areia cheia de fantasias.

      • Vejo que você escolheu a parte do meu texto que mais agradou-te.

        Eu não disse que não haveriam mudanças, eu disse que se houvessem que deveriam partir do Profeta, para baixo e não de mim para cima! (Leia abaixo)

        então se haverá mudanças ou não elas dependem da revelação que será dada ao profeta.

        Porém, não chamo de adaptação chamo de nova revelação. Pois Deus pode mudar o que lhe aprouver da maneira que bem lhe entender.

        Lembra que os homens tem o livre arbitro e que não é a vontade de Deus interferir nisto.

        Então esta sua citação:
        mas acreditar que a Igreja não muda e não se adapta conforme pressões sociais, culturais,

        Não sei de onde tirou a ideia que eu não acredito em mudanças.
        Pois eu afirmei claramente no meu texto, que o Profeta revela (mudanças) e não há nada de errado nisso. A situação do (mundo) pode mudar e se tornar desfavorável aos Santos. Pensar que toda revelação está imposta como uma verdade absoluta porque o (mundo) não muda, é utopia.

        Algumas revelações são para um tempo específico outras são para eternidades.

        Quando uma revelação é dada ela não se limita a nosso tempo nesta vida, porque existe uma salvação em uma vida futura! Existe o milénio e também a eternidade.

        Porque a igreja não vive uma lei hoje não significa que esta lei foi abandonada e que não será vivida no futuro.

        Esperar por Deus unicamente nesta vida, é não ter a mente e o coração neste mundo…

      • Eu acho que você precisa aprender a ler com mais cuidado.

        Eu não afirmei que você “não acredit[a] em mudanças”. Se você re-ler o meu comentário novamente, desta vez prestando atenção no que está escrito, verá que eu escrevi que seria rídiculo “acreditar que a Igreja não muda e não se adapta conforme pressões sociais, culturais, e legais” (ênfase adicionada). Deu para entender a diferença entre a colocação que você imaginou que eu fiz e a colocação que realmente fiz?

        A sua falta de atenção explica (mas não justifica) o comentário cretino de que eu tivesse “escolh[ido] a parte do [s]eu texto que mais agradou-[m]e”? Se você re-ler o seu comentário inicial novamente (com cuidado e pensando no que está escrito) e re-ler a minha resposta novamente (com cuidado e pensando no que está escrito), dar-se-á conta que o seu argumento principal fora que quaisquer mudanças na Igreja são verticais (i.e., de cima pra baixo), e que o meu argumento principal é listar vários exemplos históricos quando tais mudanças foram, justamente, pressionadas horizontalmente (ou, melhor, de baixo pra cima). Eu não escolhi parte nenhuma do seu texto, eu respondi ao seu argumento central.

        Coloco-lhe, então, duas perguntas para sua reflexão: 1) Não seria mais digno admitir estar errado na sua colocação inicial e re-formula-la? e 2) Você vai começar de novo?

  3. Aqui na Comunidade de Cristo no Brasil temos uma Evangelista, que eh um chamado para ministrar bênçãos Patriarcais, e claro temos Patriarcas, mas hoje se usa evangelista por ser um termo que pode ser usado para se referir a homens e mulheres. Hoje temos Apóstolos mulheres, Setentas mulheres, Bispos mulheres, e uma conselheira na Primeira Presidência, e a igreja cresceu grandemente a partir das primeiras ordenações de mulheres na igreja. Ate mesmo o Livro de Mórmon tem sido mais lido e estudado por causa da participação feminina na liderança da igreja, tanto na universidade da igreja como em seus institutos e seminários a presença feminina tem feito maravilhas pelo evangelho restaurado.

  4. Quando tento entender os motivos pelos quais as mulheres não recebem o sacerdócio acabo ficando confuso, mas entendo perfeitamente que o sacerdócio deve ser ministrado por homens, principalmente para que não caiamos novamente na grande apostasia que imperou o mundo por milhares de anos. Sou solidário a ideia de que o sacerdócio deve ser ministrado por homens, para que não nos desencaminhemos novamente pela escuridão da eterna noite.

  5. Esta parte achei curioso:

    Estes passos podem ser vistos como progresso inquestionável. Há duas décadas a Igreja caçava e excomungava mulheres que publicavam artigos acadêmicos sobre Mãe Celestial

    MÃE CELESTIAL

    Porque até alguns anos atrás, lembro que no livro princípios do evangelho, na aula sobre nosso Pai Celestial. Era ensinando e destacado o texto (temos pais celestiais). Também, ressalto o hino que diz

    (pois temos pai e mãe também, estas verdade tão sublime nós recebemos do além.)

    Logo, não consigo imaginar a igreja perseguindo mulheres, que citem em textos o que está escrito no próprio livro Princípios do Evangelho (ou pelo menos estava.).

    • Você “não consegu[ir] imaginar” é completamente irrelevante aos fatos. Você ignora-los também é igualmente irrelevante. Eles não deixam de ser fatos.

      Lynne Kanavel Whitesides foi excomungada (i.e., desassociada, que é uma forma técnica SUD de excomunhão) em Setembro de 1993 específicamente por publicar um artigo sobre a Mãe Celestial.

      Maxine Hanks foi excomungada em Setembro de 1993 específicamente por editar um livro que discute, entre outros temas pró-mulheres, a Mãe Celestial.

      Lavina Fielding Anderson foi excomungada em Setembro de 1993 específicamente por editar outro livro que discute, entre outros temas pró-mulheres, a Mãe Celestial.

      Janice M. Allred foi excomungada em Novembro de 1994 específicamente por escrever um artigo que discute a Mãe Celestial.

      Margaret Toscano foi excomungada em 2000 específicamente por escrever artigos e palestras sobre, entre outras coisas, a Mãe Celestial.

  6. A doutrina mórmon, pela sua característica de crer em revelação atual, está sempre “em aberto”. Por essa razão, não vejo maiores dificuldades na ordenação feminina do que foi na ordenação dos negros.

  7. As mulheres hj em dia de dentro ou fora da igreja, n estão mais preocupadas em ser o realmente são, nem em valorizar o q elas tem q faz parte da particularidade da mulher q o homem jamais pode ter, mas estão preocupadas em ser como os homens são, “se eles podem isso?pq eu n posso” as mulheres tem q entender q cada um tem suas limitações, e tudo faz parte do plano de Deus, por isso q existe profeta, se elas estão fazendo isso q é contra os ensinamentos é claro q elas estão indo contra Deus.

  8. Nossa, nunca tinha lido nada a respeito.
    Respeito a opinião de vocês. Mas discordo abertamente!
    Sou membro da Igreja desde que nasci, você pode ate pensar que sou manipulada e é dificil ter uma abertura para outra linha de pensamento. Mas eu sei que toda a certeza que eu obtive foi por meio do meu esforço pessoal em descobrir se é verdade ou nao!
    não acredito que em nada a nao ser que eu pesquise e tenha minha propria certeza.
    Não me sinto oprimida por não portar o sacerdocio, ja tive oportunidades maravilhosas de crescer e progredir, e tambem de certa forma de influenciar outras pessoas.
    As mulheres ja tem o nivel otimo de liderança, sensibilidade, obediencia… sera mesmo que nós precisamos do sacerdocio? Não sera os homens?

    • Obrigado, Natália. Nós também respeitamos a sua opinião, e respeitamos que você não se sente oprimida e não achamos que você é manipulada. É alegre saber que você é perfeitamente feliz com sua participação na Igreja.

      A questão, contudo, é que nem toda mulher se sente assim como você, e nem toda mulher se sente feliz e satisfeita com as suas participações na Igreja. Da mesma maneira que nem todo homem gostaria de ser Bispo, ou Presidente de Estaca, ou Setenta, ou Apóstolo. Mas todo homem tem essa opção, tem essa oportunidade, e tem o direito de tê-las. As outras mulheres, que não são como você, que gostaríam de desenvolver uma participação de liderança mais ativa e mais influente não tem opções, não tem direitos, não tem oportunidades. Essa é a questão.

  9. Papa quer criar comissão de estudo para ordenar diaconisas
    O papa Francisco anunciou nesta quinta-feira (12) sua intenção de criar uma comissão que estude a possibilidade de que as mulheres possam ser diaconisas.
    “É uma possibilidade nos dias de hoje”, respondeu Francisco à pergunta de uma religiosa durante a audiência que concedeu à União Internacional das Superiores Gerais.
    Perante as 900 superiores gerais de vários institutos e congregações religiosas reunidas hoje nesta audiência, Francisco mostrou sua disposição pela primeira vez a que também haja diaconisas
    Uma das superiores perguntou por que não instituir uma comissão oficial que estude esta possibilidade. Francisco explicou que comentou com um “sábio professor” o tema das “diaconisas nos primeiros séculos da Igreja, mas não se sabia realmente que papel desenvolviam e sobretudo se tinham sido ordenadas ou não”.
    Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/05/papa-quer-criar-comissao-de-estudo-para-ordenar-diaconisas.html

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s