Fascismo e Mórmons no Brasil

A julgar pelas mídias sociais, parece haver uma onda de apoio ao fascismo entre mórmons brasileiros.

O movimento fascista brasileiro dos anos 1930, a Ação Integralista Brasileira, e seu fundador Plínio Salgado. Sua saudação idiossincrática “Anauê” dizia-se de origem indígena e significaria “você é um irmão”.

Nós recebemos muitas mensagens de membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, tanto aqui no site, como nas mídias sociais. Recentemente, temos notado um aumento em manifestações de apoio ao fascismo nos perfis de um número alarmente desses.

Muitos desses membros da Igreja SUD levantam um banner em apoio aberto ao político brasileiro Jair Messias Bolsonaro.

Apoiar políticos sempre é uma postura pública divisiva, naturalmente. E ninguém se opõe a expressões públicas de preferência política ou ideológica. Considerando, contudo, que a ideologia preconizada pelo Bolsonaro é inquestionavelmente fascista, surpreende-se que seja esta uma abraçada por mórmons.

Por que Bolsonaro é fascista?

Vejamos, por exemplo, como Bolsonaro faz apologia à tortura como método ético, moral, e válido de coerção do Estado sobre o indivíduo. Ou como prega golpes de estado, ditaduras militares e violentas, guerra civil, e genocídio como expressões políticas louváveis:

[Atualização: Como o vídeo acima foi removido do canal de YouTube, repostamos outros links abaixo, consistindo os próximos dois clipes: O primeiro resumido, e o segundo com a entrevista em sua íntegra.]

Vejamos como ele abraça violência contra mulheres como uma postura socialmente aceitável e até jocosa:

Vejamos como defende o uso de violência física como método de “cura” para homossexualidade:

Vejamos como prega a violência contra crianças como metodologia didática, ou como separar sangues de heterossexuais e homossexuais em bancos de sangue e hospitais como medida de saúde pública:

O uso de violência física como método de luta política – terrorismo – também foi defendido por Bolsonaro. Em 1987, o então capitão da ativa conspirava para explodir bombas de baixa potência na Academia Militar das Agulhas Negras e outras dependências militares, a fim de protestar contra os baixos soldos e desestabilizar o ministro do Exército. O plano de atentados foi vazado em reportagem da revista Veja:

Bolsonaro bomba atentado

Reportagem da Veja em 28 de outubro de 1987, pp. 40-41.

Com sua cartilha estatista e nacionalista, Bolsonaro acredita tanto em barreiras comerciais para proteger o Brasil de uma economia globalizada, quanto em barreiras migratórias que nos protejam de etnias e nacionalidades que componham a “escória” da humanidade:

“(…) caso venham reduzir o efetivo [das Forças Armadas], é menos gente nas ruas para fazer frente aos marginais do MST, dos haitianos, senegaleses, bolivianos e tudo que é escória do mundo que, agora, está chegando os sírios também [sic]. A escória do mundo está chegando ao Brasil como se nós não tivéssemos problema demais para resolver”, afirmou em entrevista.

Como todo bom apologista de preconceito, ódio, discriminação, e violência, Bolsonaro ignora os fatos e o raciocínio lógico. Isso é óbvio a ponto de tautológico. Se fosse intelectualmente honesto e proficiente em raciocínio lógico, não defenderia tais mazelas.

A Suécia, sim, “baniu” violência contra crianças, mas não, não a tornou ilegal. Tampouco seja isso a causa de uma onda recente de violência. Mas é mais fácil mentir e distorcer os fatos para fazer seu argumento. Bolsonaro ignora, também, o acumulado de evidências científicas que demonstram que violência como método educativo é ineficaz, além de impor efeitos colaterais negativos. Ademais, ignora estudos científicos que demonstram que homossexualidade é característica inerente e não pode ser “curada”, mesmo com violência e tortura (lição que a Igreja SUD já aprendeu por experiência própria).

É necessário explicar porque violência contra mulheres, tortura, golpes de estado, genocídio, ditaduras militares, e suspensão da democracia são proposições imorais?

Mas o que é fascismo?

O fascismo é uma forma de nacionalismo autoritário radical que surgiu na Europa no início do século 20 e cresceu no período entre guerras.

O fascismo promove o estabelecimento de um estado totalitário. Ele se opõe à democracia liberal, rejeita sistemas multipartidários, e defende o conceito de um estado de partido único.

O fascismo prega que a democracia liberal é obsoleta, e considera necessária a mobilização completa da sociedade sob um estado que a prepare para conflitos armados e dificuldades econômicas. Tal estado é liderado por um líder forte, tal como um ditador ou um governo marcial composto por membros do partido único, para forjar unidade nacional e manter uma sociedade estável e ordenada. O fascismo rejeita as alegações de que violência seja algo negativo em si, e vê a violência política, guerra e imperialismo como meios válidos.

O nacionalismo ufanista é o principal fundamento do fascismo. A visão fascista de uma nação é de uma única entidade orgânica que une as pessoas pela sua ascendência, e é uma força unificadora natural das pessoas. O fascismo procura resolver os problemas econômicos, políticos e sociais através da realização de um renascimento nacional mileniarista, exaltando a nação e/ou raça acima de tudo, promovendo cultos de unidade, força e pureza. A perseguição a minorias raciais, ideológicas e sociais (e.g., homossexuais) traduz-se numa violenta forma de endoutrinar essa união e coesão nacionais.

Estados fascistas historicamente promoviam políticas de doutrinação social através da propaganda na educação e nos meios de comunicação, além da regulação da produção de materiais educativos e controle da mídia. Educação era projetada para glorificar o movimento fascista e informar os estudantes sobre a sua importância histórica e política para a nação, purgando idéias que não fossem consistentes com as crenças fascistas e ensinando os alunos a serem obedientes ao Estado.

Os exemplos históricos de estados fascistas mais proeminentes são os da Alemanha de Adolf Hitler e a Itália de Benito Mussolini. Devido a seus redundantes fracassos e o opróbio dos muitos crimes contra a humanidade, o termo fascista se tornou um epíteto no pós-guerra, comumente evitado por seus proponentes e apologistas.

Baseando-se em suas declarações públicas, e baseando-se no fatos históricos amplamente documentados, é claro para qualquer observador racional que Bolsonaro abraça e faz apologia a princípios e conceitos fascistas, protestações em contrário não obstantes.

Mas Mórmons apóiam isso?

Apenas a título de documentação evidenciaria, eis algumas das manifestações explícitas de apoio ao Bolsonaro que encontramos recentemente entre membros da Igreja SUD. Todos estes são membros da Igreja SUD, e sabemos disso pois vieram comentar na nossa página do Facebook justamente para “defender” a Igreja, especialmente algumas de suas posições homofóbicas ou racistas.

Mórmons Missionários do Fascismo Brasileiro

Mórmons Missionários do Fascismo Brasileiro

(Curiosamente, um desses membros da Igreja postava, até há alguns anos atrás, um banner em defesa do neofascista e genocida ditador sírio Bashar al-Assad. Ao menos pode-se elogiá-lo por sua consistência!)

Você é um Irmão?

Há um adágio famoso, mal atribuído a Sinclair Lewis, que encapsula de maneira sucinta esse tipo de mentalidade:

“Quando o fascimo vier à América, estará envolta em uma bandeira e carregando uma cruz.”

É o fascismo uma ideologia compatível com o mormonismo? Se for, o que se dirá da compatibilidade entre os preceitos Cristãos, supostamente abraçados pelo mormonismo, e a ideologia fascista? Se não for, o que se dirá da quantidade de mórmons que parecem enamorados do fascismo no Brasil? Ouviremos nos corredores das capelas a saudação “você é um irmão”?

Bolsonaro

Anauê!

53 comentários sobre “Fascismo e Mórmons no Brasil

  1. Sou Sud e apoio Bolsonaro é qualquer outra pessoa que defenda o conservadorismo, e outra que POST mais tendencioso, antes de tudo devia pesquisar a definição de facismo, 90% dos países do mundo tem ideologia faciais, incluindo os países mais democrático como; EUA, Japão, Inglaterra, Alemanha etc… Já o Brasil nem se fala, estudem sobre facismo, sobre Mussolini em 1919 e vieram que o facismo não é nada de negativo, os esquedinhas chingando os conservadores de facista e nem sabem qual é a definição…

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s