Gordon Hinckley: Faça Guerra, Não Sexo!

O então Apóstolo Gordon B. Hinckley, 15o Presidente d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, proferiu um discurso na Conferência Geral de abril de 1967 onde ele faz apologia à guerra como um chamado moral em contraste com a imoralidade do sexo pré-marital:

Gordon B. Hinckley, 15o Presidente d'A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (1995-2008)

Gordon B. Hinckley, 15o Presidente d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (1995-2008)

Um Desafio Do Vietnã
Élder Gordon B. Hinckley
Do Conselho dos Doze
Gordon B. Hinckley, Conference Report, abril de 1967, pp. 51-55

Meus irmãos e irmãs: Desde a nossa última conferência, o Élder Marion D. Hanks e eu visitamos o Vietnã e outras áreas do sudeste asiático. Nessa parte problemática do mundo tivemos muitas experiências inspiradoras e sóbrias, enquanto nos reunimos com nossos irmãos nas forças armadas – não apenas americanos, mas também alguns britânicos e australianos.

Uma visita com rapazes mórmons no Vietnã

Particularmente sérios foram os nossos encontros no Vietnã do Sul. Nossa primeira parada foi na grande base militar em Da Nang. Lá na capela da base fomos recebidos por nossos irmãos, a maioria dos quais parecia tão jovem. Seus rifles automáticos foram empilhados ao longo dos bancos traseiros, e eles se sentaram em suas fardas de batalha, muitos deles com uma pistola no quadril direito e uma faca na esquerda.

Eles tinham vindo para lá do Monte Rochoso, da Montanha de Mármore, e de outros lugares quentes e mortais cujos nomes são apenas palavras em nossos jornais, mas que para eles são campos de batalha onde a vida é sempre tão frágil e o cheiro da morte está no ar.

Não estou disposto a discutir os méritos da guerra, mas eu gostaria de dizer algumas coisas sobre alguns dos jovens envolvidos nela. Passamos uma tarde em Da Nang, em serviços religiosos, que incluiu um memorial para três de seus colegas recentemente mortos em ação. Após o que, nós falamos com eles individualmente por horas.

É uma experiência séria conversar com um jovem que cresceu em uma cidade tranquila do interior, não muito longe daqui, um menino que foi enviado para a guerra e que tinha acabado de passar 42 dias em batalha mortal. Ele tinha visto 68, de sua companhia de 70, morrerem. Ele havia sido enojado com as atrocidades infligidas pelo inimigo sobre a população nativa impotente. Ele, como a maioria de seus associados, não estava lá de seu próprio desejo, mas em resposta a uma obrigação imposta sobre ele, e, sem alarde ou heroísmo, estava fazendo seu dever com honra, como ele entendia aquele dever.

Virei-me para outro jovem que estava ao lado dele. Era um garoto bonito, alto, de rosto limpo, saudável em seu olhar. Na esperança de aliviar o tom sombrio da minha conversa com o primeiro, eu disse levemente e meio de brincadeira, “O que você vai fazer quando você voltar para casa? Você já pensou nisso?”.

Uma espécie melancólica de luz surgiu em seus olhos. “Se eu já pensei nisso? Eu não penso em outra coisa, senhor. Estamos nos movendo para o norte novamente amanhã, e se eu puder durar mais dois meses, eu sei exatamente o que vou fazer quando voltar para casa. Vou fazer três coisas. Primeiro, eu vou voltar para a escola e terminar meus estudos para que eu possa ganhar a vida com algo de valor.

“Eu também estou indo para trabalhar na Igreja e tentar fazer algo de bom. Eu vi o quão desesperadamente o mundo precisa o que a Igreja tem para oferecer.

“E então vou encontrar uma garota bonita e me casar com ela para sempre.”

Eu respondi com uma pergunta: “Você é digno desse tipo de menina?”.

“Eu espero que sim, senhor”, disse ele. “Não tem sido fácil percorrer essa imundície. Tem sido muito solitário às vezes. Mas sabe, eu não poderia desapontar meus pais.

Eu sei o que minha mãe espera de mim. Eu sei o que ela está dizendo em suas orações. Ela preferiria que eu voltasse para casa morto do que impuro.”

Eu não dormi bem naquela noite. Por um lado, estava terrivelmente quente e a cama não era confortável. Por outro lado, a cada poucos minutos um caça do tipo Phantom Jet rugia sobre nós. E, além disso estava a declaração desse jovem que estava prestes a ir para o norte novamente para enfrentar a morte.

Eu não sei se ele viveu ou morreu. Lamento que eu não me lembre o nome dele. Nós nos encontramos e conversamos com tantos e nossa programação era tão pesada que não me lembro do nome dele ou de onde ele era, mas eu não me esqueci dele. Pensei nele quando eu li recentemente da crescente multidão dos chamados hippies, beatniks, cheiradores-de-cola, viciados em barbitúricos, e fabricantes e usuários de LSD. Pensei nele quando eu falei com um rapaz que abandonou a escola que tinha chegado a pensar que é mais importante comprar um carro antigo do que continuar com a sua educação. Pensei nele quando eu falei com dois jovens, uma outrora menina bonita e o outro um outrora jovem bonito, que tinham arruinado suas vidas ao caminhar uma trilha sórdida de imoralidade.

Metas para a juventude

Gostaria que o Senhor me desse o poder de dizer algo direto das palavras daquele jovem fuzileiro para jovens onde quer que estejam ouvindo, aos homens e mulheres jovens desta geração desafiada neste e em outros países. Ele mencionou três coisas que ele queria fazer, e então falou indiretamente de outra que ele já estava fazendo. Destes, gostaria de formular um desafio, uma série de quatro desafios para a juventude. Eles são baseados em suas declarações e sobre o evangelho vital no qual ele e eu acreditamos. Embora esses desafios possam soar banais e antiquados, espero que você não vão fechar os ouvidos a eles. Tudo o que é velho não é necessariamente indigno, como este jovem tinha concluído durante as caminhadas em patrulhas na selva solitária de Vietnã. Também não é tudo o que é necessariamente bom, como já conclui, observando jovens jogando fora suas vidas em debilitantes práticas.

Por isso, ofereço-lhes estes desafios:

1. Que se preparem para serem úteis.
2. Que sirvam com fé.
3. Que andem na virtude.
4. Que se casem para a eternidade.

A primeira: Preparação para ser útil.

Se alguma vez houve um evangelho, é o evangelho do trabalho. O Senhor estabeleceu a lei quando ele declarou: “No suor do teu rosto comerás o teu pão” (Gn 3:19).

Sem trabalho não há nem riqueza, nem conforto, nem progresso. Foi dito no passado “o beberrão e o comilão caem em pobreza:… E sonolência os faz vestir-se de trapos” (Pv 23:21.).

“A glória da vinda do Senhor”

Comemoramos este ano o centésimo aniversário da conclusão desta grande Tabernáculo em que nos encontramos hoje. Pouco antes de sua morte, o falecido presidente John F. Kennedy falou deste pódio, tal como muitos dos seus antecessores. Na conclusão de seu discurso, o Coro do Tabernáculo cantou com uma majestade nunca antes destacada, “Meus olhos viram a glória da vinda do Senhor. . . Sua verdade está em marcha.”

Enquanto o som rolava através desta casa histórica, tocando as emoções de todos aqui reunidos, senti um nó em minha garganta e um arrepio na espinha, não só pela presença neste edifício do chefe do executivo da nação, não só pela magnífica música deste coro, porém mais especialmente pelos homens tranquilos de fé e visão que há um século lançaram a pedra dos grandes pilares que formam as paredes que nos rodeiam e suportam o telhado que nos abrigam. Eles eram pessoas possuídas de um sonho de destino. Esta é a sua obra, forjado em espírito de oração. Não obstante o fato de que eles estavam em grande parte isolados nesta terra deserta, não obstante o fato de que eles ergueram isto antes mesmo que a ferrovia viesse a esta parte deste país, eles construíram com uma excelência insuperável em nosso tempo. Eles possuíam a habilidade, eles alimentaram o sonho, e eles trabalharam com dedicação para fazer desta magnífica estrutura uma realidade.

Hoje não é preciso procurar muito nesta ou em outras terras para testemunhar uma tendência crescente para a superficialidade e irresponsabilidade.

Espero que todos os que estão dentro do som da minha voz, e particularmente a juventude, verão nesta grande e sagrada estrutura um exemplo dos frutos da excelência. Eu não espero que todos devam prosseguir formação acadêmica. Mas espero que todos irão procurar desenvolver competências e habilidades para fazer uma contribuição para o mundo em que vivem. Para o século durante o qual este tabernáculo tem sido um local de assembléia para o nosso povo, tem saído deste púlpito o conselho dos homens sábios e inspirados para cada nova geração para garantir a preparação que irá torná-los úteis para a sociedade, trazer satisfação a suas vidas, assegurar suas famílias o conforto e as graças que só vêm de esforços e dignificam a sua herança divina como filhos e filhas de Deus.

Sirva com fé

Agora, para o segundo item sugerido pelo meu jovem amigo no Vietnã – Trabalhar para ajudar a construir o reino de Deus. A todos digo: Sirvam com fé. O mundo precisa muito de homens e mulheres jovens que amam o Senhor e que irão trabalhar para construir o seu reino.

Uma ou duas noites atrás recebi um telefonema de um oficial recém-retornado do Vietnã. Ele esperava estar aqui hoje. Eu estive com ele durante o tempo que ficamos lá. Eu o ouvi falar de sua relutância em ir para a Ásia. Não foi fácil deixar sua esposa e sete filhos, incluindo filhos trigêmeos com três anos de idade. “Mas”, ele me disse, “Eu resolvi que eu daria à Força Aérea o melhor que eu tinha, e eu gostaria de tentar ajudar meus irmãos na Igreja.”

Ele passou a dizer em voz baixa, mas sinceramente, “Eu acho que teho feito um trabalho melhor aqui do que eu jamais fizera na minha vida.”

Posso testemunhar o grande bem que ele fez. Não só ele foi altamente honrado pelo seu governo e pelo governo do Vietnã do Sul; Seu bom exemplo e seu fiel serviço sob circunstâncias difíceis trouxeram atividade religiosa para a vida de centenas de homens. Tenho ouvido muitos destes testemunho do imenso bem que tem vindo a eles, da grande força que eles ganharam com essa atividade na Igreja.

A juventude precisa da Igreja

Para os jovens em todos os lugares eu gostaria de dizer que você precisa da Igreja, e a Igreja precisa de você. Não há melhor associação do que com outros homens e mulheres jovens de fé, que reconhecem a Deus como seu Pai Eterno, e Jesus Cristo como o Salvador vivo do mundo.

Essa associação lhe dará força. Ela lhe dará companheirismo. Ela vai desafiar suas habilidades. Ela irá permitir-lhe oportunidade de crescimento. Na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias há um ofício e uma responsabilidade para todos.

Já vi homens retrógrados se tornarem gigantes enquanto eles serviam na obra do Senhor. A causa de Cristo não precisa de críticos; ela precisa de trabalhadores. E para reafirmar uma citação antiga, “Se você pensa que pode, ou se você acha que não pode, você está certo”.

Para aqueles desta geração o Senhor disse: “não vos canseis de fazer o bem, porque estais lançando o alicerce de uma grande obra E de pequenas coisas provém aquilo que é grande… Eis que o Senhor requer o coração e uma mente solícita” (D&C 64:33-34).

Isso, meus jovens amigos, é a ponto principal: “o Senhor requer o coração e uma mente solícita”.

Andar em virtude

E agora para o terceiro desafio: Caminhar em virtude.

Recomendo-lhe a motivadora e inspirada mensagem do Presidente McKay na sessão de abertura desta conferência. Em nome do grande público que não ouviu essa mensagem, gostaria de ler um parágrafo deste homem a quem apoiamos como profeta:

“Neste dia em que a modéstia é empurrada para o fundo, e a castidade é considerada uma virtude fora de moda, faço um apelo aos pais, especialmente, e aos meus colegas professores, tanto dentro quanto fora da Igreja, para ensinar os jovens a manterem suas almas puras e imaculadas deste e de outros pecados degradantes, cujas consequências ferirão e persegui-los-ão intimamente até que sua consciência esteja cauterizada e seu caráter se torne sórdido. A vida casta, não a devassa, é a fonte da masculinidade viril. O teste da verdadeira feminilidade vem quando a mulher está inocente no tribunal da castidade. Todas as qualidades são coroadas por esta mais preciosa virtude da bela mulher. É a parte mais vital da fundação de uma vida conjugal feliz, e é a fonte de força e perpetuação da raça.”

Ao que gostaria de adicionar uma promessa divina proferida há muito tempo pelo Salvador do mundo, “Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus” (Mt 5: 8.).

Casar-se para a eternidade

E agora, finalmente: Casar-se para a eternidade.

Meu jovem amigo no Vietnã não estava simplesmente entregando-se a um sonho romântico quando ele disse que pretendia voltar e encontrar uma menina bonita e se casar com ela para sempre.

Uma das características distintivas da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é uma crença na natureza divina da família como uma instituição ordenada por Deus. Aqui centralizamos o mais sagrado de todos os relacionamentos humanos. A vida é eterna. Amor é eterno. E Deus nosso Pai Eterno desenhou e tornou possível para que as nossas famílias fossem eternas.

Naquela grande conversa entre os apóstolos e Cristo em que o Salvador perguntou: “Quem dizeis que eu sou?” e Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, Jesus passou a dizer: “E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado no céu “(ver Mt 16:15-19).

Essa mesma autoridade do sacerdócio foi restaurada à Terra por este mesmo Pedro, e ela é exercida hoje nos templos da Igreja. Aqueles que se ajoelham nos altares nestas casas santas não estão unidos apenas até a morte. Eles são selados por toda a eternidade como famílias.

Na segunda-feira estarei com um casal maravilhoso que veio da distante Coreia para entrar no templo que fica a poucos passos a leste de nós, para ali serem unidos para o tempo e para a eternidade sob a autoridade do Santo Sacerdócio. Sua fé, como a fé do jovem fuzileiro no sudeste asiático, é tal que nenhum sacrifício é grande demais, nem nenhum custo demasiado elevado, para vincular juntos para sempre aqueles a quem mais amam.

Eu lhes dou meu testemunho e meu testemunho de que esta autoridade está entre nós hoje. Eu lhes dou meu testemunho de que Deus, nosso Pai Eterno, vive e que Jesus é o Cristo. Invoco sobre vós, meus jovens amigos especiais, as bênçãos especiais do céu enquanto seguem adiante com suas vidas, que vocês possam escolher os valores que são duradouros, em nome de Jesus Cristo. Amém.”


Leia mais sobre o que Joseph Smith ensinou sobre negros

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre Expiação

Leia mais sobre o que Joseph Fielding Smith ensinou sobre negros

Leia mais sobre a proibição de ordenação de negros ao Sacerdócio

Leia mais sobre o que Joseph Smith ensinou sobre escravidão negra

Leia mais sobre o que Brigham Young ensinou sobre a semente de Cã

Leia mais sobre o que Brigham Young e John Taylor ensinaram sobre negros

8 comentários sobre “Gordon Hinckley: Faça Guerra, Não Sexo!

  1. Muito bonito o discurso do Pres Hinckley, só não achei compatível com o título do artigo …uma sugestão poderia ser :”Ir para Guerra sem perder a alma” me lembra até dos 2000 guerreiros de Helamã.

    • Em nenhum momento ele diz que apóia guerras, certamente. Contudo, ele passa um artigo inteiro supostamente direcionado a jovens enaltecendo serviço militar, especialmente contrastando-o positivamente com “beatniks” que na época formavam a base do movimento de oposição à Guerra do Vietnã.

      A apologia ao serviço militar é sutil, mas é inequívoco. A estrutura central do discurso gira em torno do jovem patriota, trabalhador e obediente que tem orgulho em sua posição militar defendendo Deus e país. Especialmente considerando que os EUA se rasgavam naquele momento em protestos e choques com as polícias para se opor à guerra no sudeste asiático.

      Na verdade, nós estávamos mais interessados para ver se alguém pescava a insinuação de que seria melhor morrer na guerra do que voltar pra casa “impuro”. A publicação do dia anterior havia gerado controvérsia ao citar essa ideologia, e aqui está um outro exemplo de outro Profeta abraçando-a.

      Por enquanto, ninguém mencionou nada aqui ainda! 😉

  2. Eu fico espantado com a facilidade que os membros da igreja, principalmente nos EUA que apoiam as guerras, a maioria dos membros sao republicanos e tanto na guerra do Vietnan, como nas guerras depois do 11 de setembro, eles apoiaram cegamente essas invasoes em terras estrangeiras, a propria igreja e proprio Gordon B. Hinckley declararam apoio a tais guerras, infelizmente ninguem lembrou dos avisos das escrituras sobre tal procedimento. Em D&C seção 98 o Senhor deixou bem claro sua posicao sobre guerras e vingancas, no versiculo 33 ele deixa claro qual e a sua lei sobre guerras:

    32 Eis que essa é a lei que dei a meu servo Néfi e a vossos apais, José e Jacó e Isaque e Abraão, e a todos os meus antigos profetas e apóstolos.

    33 E também, esta é a LEI que dei a meus antigos: Que não saíssem para batalhar contra nenhuma nação, tribo, língua ou povo, a não ser que eu, o Senhor, lhes ordenasse.

    Nao me recordo que o Senhor ordenou o Presidente Bush a invadir o Iraque ou nenhuma outra terra, Gordon B. Hinckley que supostamente deveria ser o porta voz do Senhor na terra tampouco recebeu qualquer revelacao sobre o assunto. Vale se lembrar tambem que os Nefitas foram destruidos pelos Lamanitas quando foram batalhar contra os Nefitas na terra deles, se os Nefitas nao tivessem ido atacar os Lamanitas o Senhor os teria poupado.

    4 E foi apor terem os exércitos nefitas atacado os lamanitas, que eles começaram a ser destruídos; porque, se tal não houvessem feito, os lamanitas não teriam tido poder sobre eles. (Mormon 4:4)

  3. Não vi nenhuma menção do título com o texto! As vezes acho que o site tente a ser um pouco tendencioso!
    Mas voltando ao que importa, americanos por si são uma coisa que não somos: PATRIOTISTAS! Quando morei nos EUA, não era de estranhar que o 4 de julho é mais importante que Natal! Creio que mais por uma questão cultural, de amar, honrar e defender o país do que uma questão religiosa! Alias é muito normal ver o juramento a bandeira nas formaturas de escoteiros dentro da capelas! E cá para nós todos americanos sabem o hino nacional e o juramento a bandeira!
    A minha pergunta é quantos brasileiros sabem o hino nacional? O dia da Proclamação da República?

    • Em nenhum momento ele diz que apóia guerras, certamente. Contudo, ele passa um artigo inteiro supostamente direcionado a jovens enaltecendo serviço militar, especialmente contrastando-o positivamente com “beatniks” que na época formavam a base do movimento de oposição à Guerra do Vietnã.

      A apologia ao serviço militar é sutil, mas é inequívoco. A estrutura central do discurso gira em torno do jovem patriota, trabalhador e obediente que tem orgulho em sua posição militar defendendo Deus e país. Especialmente considerando que os EUA se rasgavam naquele momento em protestos e choques com as polícias para se opor à guerra no sudeste asiático.

      A nossa pergunta é se Jesus Cristo gostaria que Seus discípulos fossem “patriotas” do tipo nacionalistas a ponto de guerrear e matar uns aos outros em nome de uma bandeira e uma nação?

      • Olha essa pergunta é bem interessante!

        Mateus 10: 34 Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;

        Comentários a parte, o versículo acima foi só para ilustrar! Mas convenhamos, que o Livro de Mormon é bem patriota em alguns aspectos, mas mais que ele é o povo judeu do velho testamento, mesmo em uma parte do novo quando houve certa apreensão sobre pregar o evangelho aos Gentios.

        Opinião minha, mas as vezes tenho a impressão que as coisas são um pouco seletista. A Idéia SUD de povo do convênio é bem mais antiga! Logo porque não matar os cananeus, mulheres, crianças, velhos, animais, queimar tudo e depois habitar. Algumas coisas eu não entendo da Divindade, nem o porque do propósito.

        Mas essa guerra a ponto de defender uma nação ou bandeira eu acho correto! Lembro de Moroni, e o estandarte de liberdade, e lembro dos próprios Estados Unidos e a luta pelos direitos ou a revolução francesa. Permitir ser mortos ou a perca de liberdade por grupos como o EI, a meu ver justifica esses atos. Afinal ninguém quer morrer parado.

        Acho que sempre vi isso nas escrituras “quem não é por nós é contra nós”. Acredito que até nós como brasileiros, se nos encontrássemos num meio onde nos sentimos ameaçados talvez tivesse-mos o mesmo sentimento de patriotismo. Mais do que uma nação e uma bandeira, é o que realmente esta por tras disso. Mas a muito não temos aula de moral e civismo nas escolas! Mas não quero desviar do foco.

      • Essa última parte do comentário me fez refletir sobre a frase que Cristo disse “Daí a César o que é César” Penso que Cristo deseja que devemos atender aos deveres cívicos que o Estado requer de nós.Não penso que qualquer pessoa se sinta culpado nos céus ao se portar como alguém que foi submisso aos governantes.Penso que a diferença está na retidão que vc faz isso.Exemplo ir para a guerra, roubar cometer libertinagens, crueldades…Acho que importante é orar muito para pedir orientação, porque deve ter muitos desafios ao cumprir certas ordens.

  4. Vocês que criticam e veem esse discurso como apologia, perderam a percepção de que não é a igreja que faz guerra, etc. Um líder que simplesmente no relato nos faz com sua palavras ver e sentir o momento daqueles jovens na guerra. A guerra que é algo que não podemos nos esquivar e nem podemos ser hipócritas em não achar que as vezes a guerra é necessária, mas depois que todas as medidas de evitá-las foram esgotadas e o mal tentar prevalecer, daí temos que nos defender. Vocês devem ter policiamentos em seus bairros, em suas casas muros com cerca elétrica, cachorro como cão de guarda, câmeras de segurança, etc. Agora deixa acontecer um crime onde sua família está envolvida como vítima, se vc não vai culpar a segurança pública, o sistema de justiça que não funciona, talvez queira até se armar ou mudar de País por causa da injustiça da violência. Vem morar aqui no morro do Jacaré-RJ. quero ver se você não vai clamar por soldados armados, com facas na cintura e com fardas do Bope e caveirão blindado, e desejar que o mal vizinho de fuzil esteja em novo endereço, no cemitério da baixada.
    Meu País mata mais que alguns países envolvidos em guerra, Quiça se pudêssemos eliminar todos os traficantes, estupradores, ladrões e etc.

    Nossos inimigos são nossos patriotas, as vezes um vizinho de fuzil. Não sou a favor da guerra e sim da paz mas, as vezes a guerra nos proporciona a paz, é estranho mas é nosso mundo ” Só se pacifica algo depois que a guerra acaba, Só se pacifica um morro depois que o Bope elimina a bandidagem, fazendo guerra” infelizmente é assim, pois o mal avança, agora se você não quer ver isso mais, vai para marte, para lua, etc… pois não sou bonifrate e nem nefelibata, demagogia com discursos de falso moralista. Paz só quando Cristo Reinar em toda a Terra, Mas Antes diz em Apocalipse,haverá guerra e destruição dos iníquos, e haverá muito pranto e ranger de dentes”. Está nas escrituras, está na Bíblia, “engraçado João, O Amado Apostolo de Cristo fazendo Apologia a guerra.”

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s