Ezra Benson: Martin Luther King & Direitos Civis

Comemora-se, hoje, o Dia de Martin Luther King, Jr.

King foi um dos norte-americanos mais proeminentes no século XX, figurando entre os principais líderes do Movimento pelos Direitos Civis de Negros. Vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 1964, King foi o idealizador e principal proponente do conceito de protestar injustiças através da desobediência civil não-violenta, e uma das maiores figuras públicas a defender a proposição que o combate à pobreza seja um tema religioso Cristão predominante.

ETB MLK

King foi assassinado em 1968, aos 39 anos, e subsequentemente seu nome ficou eternizado como síntese dos princípios que esposava de justiça social e equalidade racial, além de um Cristianismo compassivo.

O Presidente Hugh B. Brown, da Primeira Presidência era um fã de King, sua filosofia, e o que ele representava. Contudo, o primeiro Apóstolo Mórmon a discorrer sobre King e sua filosofia de pacifismo ativista em plena Conferência Geral não foi Brown, mas sim Ezra Taft Benson.

O Apóstolo Benson proferiu um discurso em plena Conferência Geral explicando como a liderança do movimento para direitos civis de negros, e implicitamente Martin Luther King, representavam uma ameaça ao Evangelho e à Igreja, além de à liberdade e democracia. Benson, que escreveu e publicou um panfleto entitulado ‘Direitos Civis, Ferramenta da Mentira Comunista‘, e certa vez chamou Martin Luther King de “líder comunista do suposto movimento dos direitos civis” chega a aludir diretamente a política pacífica de protestos não violentos de King como uma farsa inculcada apenas a enganar e a secretamente incitar violência.

Tal conselho oportuno poderia ajudar a salvar nosso país do comunismo, como os mesmos mestres do engano estão mostrando a mesma prontidão falsa para o desafortunado em nome dos direitos civis.

Agora não há nada de errado com os direitos civis; é o que está sendo feito em nome dos direitos civis que é alarmante.

Não há dúvida de que o chamado movimento dos direitos civis, tal como existe hoje, é usado como um programa comunista para revolução na América, assim como a reforma agrária foi usada pelos comunistas para assumir a China e a Cuba.

Esta declaração chocante pode ser confirmada por um estudo objetivo da literatura e das atividades Comunistas e pelos negros experientes e outros que trabalharam dentro do movimento comunista.

Já em 1928, os comunistas declararam que as diferenças culturais, econômicas e sociais entre as raças na América poderiam ser exploradas por eles para criar a animosidade, medo e ódio entre grandes segmentos de nosso povo que formariam os necessários ingredientes iniciais para sua revolução.

Ataque Trino

Resumidamente, os três grandes objetivos foram e são os seguintes:

1. Criar ódio
2. Incitar violência
3. Derrubar o governo estabelecido

Primeiro, crie ódio. Usar todos os meios para agitar os negros a odiar os brancos e os brancos para odiar os negros. Trabalhar ambos os lados da divisão. Inventar e exagerar queixas reais. Se necessário, não hesitar em fabricar falsas histórias e rumores sobre as injustiças e brutalidade. Criar mártires para ambos os lados. Jogar com as emoções da massa até que eles ardam com ressentimento e ódio.

Em segundo lugar, desencadear violência. Coloque as massas emocionadas nas ruas, na forma de grandes multidões, quanto maior forem, melhor. Não faz diferença se a turba é orientada a demonstrar “pacificamente”, enquanto ela é colocada em confronto direto com o antagonista. Apenas trazendo os dois grupos emocionalmente carregados ao mesmo lugar é como a misturar oxigênio e hidrogênio. Tudo que é necessário é uma pequena faísca. Se a faísca não está próxima por causas puramente espontâneas, criar-la.

Este plano é o seguinte: Usando agentes comunistas não identificados e simpatizantes não-comunistas em posições-chave no governo, nos meios de comunicação, e em organizações de massa, como sindicatos e grupos de direitos civis, exigem mais e mais poder do governo como a solução para todos os problemas de direitos civis. Governo total é o objetivo final do Comunismo. Sem chamá-lo pelo nome, construir o comunismo peça por peça através de pressões de massa para decretos presidenciais, ordens judiciais e legislação que parecem estar destinados a melhorar os direitos civis e outras reformas sociais. Se houver discriminação social, econômica ou educacional, em seguida, defender mais programas de governo e controle.

 

Primeiro de tudo, não devemos colocar a culpa sobre os negros. Eles são apenas o infeliz grupo que foi selecionado por agitadores comunistas profissionais para ser usado como a principal fonte de carne para canhão. Não um em mil americanos – preto ou branco – realmente entende as implicações da agitação de hoje pelos direitos civis. O planejamento, a direção e a liderança vem dos comunistas, e a maioria deles são homens brancos que pretende totalmente destruir a América derramando sangue Negro, ao invés do seu próprio.

 

Para Ezra Taft Benson, Martin Luther King era um mentiroso inspirado por Satanás para derrubar o governo que Deus estabeleceu na Sua Terra para construir o Seu reino.

Passadas quase cinco décadas após o seu assassinato, o legado de King permanece vivo na luta pacífica de Negros contra persistentes violações de seus direitos civis, políticos, e econômicos.

A pergunta importante é se ainda há Mórmons, como Benson, que crêem que lutar por igualdade social, justiça racial, e o bem estar dos pobres é uma causa Satânica em pele de cordeiro?

Eis o discurso na íntegra:

Não Confiar no Braço da Carne

No Livro de Mórmon, o profeta Néfi exclama:. “Ó Senhor, eu confio em ti, e eu em ti confiarei sempre Eu não vou colocar a minha confiança no braço de carne, pois sei que maldito é aquele que põe sua confiança no braço de carne. Sim, maldito é aquele que confia no homem, ou faz da carne o seu braço”. (2 Ne. 4:34).

Profetizando do nosso dia, Néfi disse, “…eles todos se perderam, a não ser uns poucos, que são os humildes seguidores de Cristo; No entanto, eles são levados, que em muitos casos eles erram, porque eles são ensinados pelo preceitos dos homens”. (2 Ne. 28:14).

Preceitos dos homens ou princípios de Deus

Sim, é os preceitos dos homens contra os princípios de Deus. Quanto mais seguimos a Palavra de Deus, menos nós somos iludidos, enquanto aqueles que seguem a sabedoria dos homens são enganados mais e mais.

Cada vez mais os Santos dos Últimos Dias devem escolher entre o raciocínio dos homens e as revelações de Deus. Esta é uma escolha crucial, pois temos aqueles dentro da Igreja hoje que, com a sua sabedoria mundana, estão extraviando alguns de nossos membros. O Presidente J. Reuben Clark, Jr., advertiu que “os lobos vorazes estão entre nós a partir de nossa própria associação e eles, mais do que quaisquer outros, estão vestidos em pele de cordeiro, porque eles usam as vestimentas do Sacerdócio…. Devemos ter cuidado com eles. ” (The Improvement Era, maio de 1949, p. 268.)

O Senhor nem sempre dá as razões para cada mandamento. Às vezes, os membros fiéis, como Adão antigamente, são chamados a obedecer a uma ordem do Senhor, mesmo que eles não saibam a razão pela qual ela foi dada. Aqueles que confiam em Deus vão obedecê-lo, sabendo muito bem que o tempo irá fornecer as razões e validar sua obediência.

O braço de carne não pode aprovar nem entender por que Deus não concedeu o sacerdócio às mulheres ou à semente de Caim, mas os caminhos de Deus não são os caminhos do homem. Deus não tem que justificar todos os seus caminhos para a pequena mente do homem. Se um homem estiver em sintonia com o Senhor, ele vai saber que o curso de ação de Deus é correto, mesmo que ele não possa saber todas as razões.

O Profeta Joseph Smith entendeu este princípio quando disse, “… A maldição ainda não foi retirada dos filhos de Canaã, e nem será até que ele seja afetado por uma grande potência como a que causou que ela sobreviesse; e as pessoas que interferem o mínimo com os propósitos de Deus nesta matéria, estarão sob condenação diante d’Ele, e aqueles que estão decididos a prosseguir o curso, que mostra uma oposição e uma agitação febril contra os decretos do
Senhor, vão aprender, quando talvez seja tarde demais para seu próprio bem, que Deus pode fazer o Seu próprio trabalho, sem a ajuda daqueles que não são compelidos por Seu conselho. “(History of Documentary a Igreja, Vol. 2, p. 438.)

O mundo ignora em grande parte o primeiro e grande mandamento – amar a Deus – mas fala muito sobre amar o seu irmão. Eles adoram no altar do homem. Será que Néfi mataria Labão se ele tivesse colocado o amor ao próximo acima do amor a Deus? Será que Abraão teria tomado Isaque para sacrificá-lo se ele tivesse colocado o segundo mandamento em primeiro lugar?

A atitude do mundo é refletida em uma frase de falsidade que lê, “Presuma não Deus para fazer a varredura, o estudo adequado da humanidade é o homem.” Mas somente aqueles que conhecem e amam Deus podem amar e servir melhor seus filhos, pois só Deus entende perfeitamente os Seus filhos e sabe o que é melhor para o seu bem-estar. Portanto, é preciso estar em sintonia com Deus para melhor ajudar suas crianças. É por isso que a Igreja, sob a inspiração do Senhor, encoraja os seus membros a olhar primeiro para si mesmos, então à sua família, então à Igreja e, se for necessário, para outras agências de voluntários para ajudar a resolver os problemas da pobreza, do desemprego, da fome, da doença e de socorro. Aqueles que não são movidos por essa mesma inspiração buscam, ao invés, o governo. Esse curso de ação feito pelo homem faz pouco bem em comparação com a abordagem do Senhor e muitas vezes resulta em fazer um grande dano para filhos de nosso Pai, ainda que as intenções possam parecer ter sido nobre.

O primeiro mandamento em primeiro lugar

Portanto, se você deseja ajudar seu vizinho, então você deve colocar o primeiro mandamento em primeiro lugar.

Quando deixamos de colocar o amor de Deus em primeiro lugar, somos facilmente enganados por homens astutos que professam um grande amor pela humanidade, ao defender a programas que não são do Senhor.

Em 1942, os Presidentes Heber J. Grant, J. Reuben Clark, Jr., e David O. McKay nos advertiram sobre a crescente ameaça à nossa constituição causada por revolucionários a quem a Primeira Presidência acusaram de estar “usando uma técnica que é tão antiga quanto o ser humano – a prontidão fervorosa porém falsa para com o desafortunado, sobre os quais, portanto, ganham o domínio e, em seguida, escravizam. Eles moldam as suas abordagens para o grupo em particular a quem procuram enganar”. (The Improvement Era, maio de 1942, p. 343.)

Esse conselho oportuno sobre “a prontidão fervorosa porém falsa para com o desafortunado” poderia ter salvo a China e a Cuba se muita gente soubesse o que os mestres do engano comunistas realmente tinham em mente quando eles prometeram reforma agrária.

Falsa prontidão para com o desafortunado

Tal conselho oportuno poderia ajudar a salvar nosso país do comunismo, como os mesmos mestres do engano estão mostrando a mesma prontidão falsa para o desafortunado em nome dos direitos civis.

Agora não há nada de errado com os direitos civis; é o que está sendo feito em nome dos direitos civis que é
alarmante.

Não há dúvida de que o chamado movimento dos direitos civis, tal como existe hoje, é usado como um programa comunista para revolução na América, assim como a reforma agrária foi usada pelos comunistas para assumir a China e a Cuba.

Esta declaração chocante pode ser confirmada por um estudo objetivo da literatura e das atividades Comunistas e pelos negros experientes e outros que trabalharam dentro do movimento comunista. 1

Já em 1928, os comunistas declararam que as diferenças culturais, econômicas e sociais entre as raças na América poderiam ser exploradas por eles para criar a animosidade, medo e ódio entre grandes segmentos de nosso povo que formariam os necessários ingredientes iniciais para sua revolução. 2

Ataque Trino

Resumidamente, os três grandes objetivos foram e são os seguintes:

1. Criar ódio
2. Incitar violência
3. Derrubar o governo estabelecido

Primeiro, crie ódio. Usar todos os meios para agitar os negros a odiar os brancos e os brancos para odiar os negros. Trabalhar ambos os lados da divisão. Inventar e exagerar queixas reais. Se necessário, não hesitar em fabricar falsas histórias e rumores sobre as injustiças e brutalidade. Criar mártires para ambos os lados. Jogar com as emoções da massa até que eles ardam com ressentimento e ódio.

Em segundo lugar, desencadear violência. Coloque as massas emocionadas nas ruas, na forma de grandes multidões, quanto maior forem, melhor. Não faz diferença se a turba é orientada a demonstrar “pacificamente”, enquanto ela é colocada em confronto direto com o antagonista. Apenas trazendo os dois grupos emocionalmente carregados ao mesmo lugar é como a misturar oxigênio e hidrogênio. Tudo que é necessário é uma pequena faísca. Se a faísca não está próxima por causas puramente espontâneas, criar-la.

Em terceiro lugar, derrubar o governo estabelecido. Uma vez que a violência da multidão torna-se generalizada e comum, condicionar aqueles que estão emocionalmente envolvidos a aceitar a violência como a única maneira de “acertar as contas” de uma vez por todas. Fornecer liderança e treinamento para a guerra de guerrilha. Instuir disciplina e o terrorismo para garantir apoio, pelo menos do maior segmento passivo e inativo da população. Treinar e endurecer para batalha uma liderança através de revoltas esporádicas e batalhas com a polícia. Finalmente, na hora marcada, lançar uma ofensiva total simultânea em todas as grandes cidades.

Defesas prejudicadas

A polícia e unidades da Guarda Nacional nunca serão adequados para lidar com tal anarquia generalizada, especialmente se uma grande parte de nossos homens e equipamentos são drenados na luta em guerras estrangeiras. Em auto-defesa, números maiores são trazidos para lutar em ambos os lados. A aparência de uma guerra civil em todo o país toma forma. Na confusão, os líderes anti-comunistas potenciais de ambas as raças são assassinados, aparentemente, as vítimas acidentais de uma guerra racial.

Agendar o ataque para coincidir, se possível, com a sabotagem em grande escala de abastecimento de água, redes de energia, principais artérias de estradas ferroviárias e rodovias, centros de comunicação e prédios do governo. Com fogos em fúria em cada parte concebível da cidade, com saques acontecendo na escuridão de uma cidade grande sem proteção policial de rotina, sem a água potável, sem refrigeração elétrica, sem transporte ou rádio ou TV, o público vai entrar em pânico, bloquear as suas portas em tremendo medo, e torná-lo muito mais fácil para os pequenos, mas bem liderados e totalmente disciplinados bandos de guerrilha para capturar o poder nos centros de cada comunidade. Derrubar o governo! Após o controle completo estiver consolidado (o que pode levar muitos meses, como em Cuba), só então permitir que as pessoas descobram que era uma revolução comunista o tempo todo.

Revolução através da força e da violência

Se o comunismo vem para a América, ele provavelmente não vai acontecer bem assim. Mesmo que esta seja a fórmula básica usada em tantos outros países agora parte do império comunista, há uma diferença muito importante. Na China, em Cuba e na Argélia, o segmento da população que os comunistas usaram como “aríete” de sua revolução de força e da violência foi o segmento majoritário. Na América, porém, o Negro representa apenas 10 por cento da população. Em qualquer uma guerra racial que possa ser desencadeada, não há uma chance no mundo que as unidades de guerrilha de Negros comunistas poderiam manter permanentemente o poder sobre os centros do governo, mesmo se eles pudessem capturá-los em primeiro lugar.

Seria um assunto terrivelmente sangrento, todos os americanos sofrem muito, mas com os negros pagando o mais alto pedágio em vida humana. E os comunistas sabem disso melhor do que ninguém. Eles realmente não esperam tomar a América com uma “guerra de libertação nacional” (que é o termo para a conquista interna através da força e da violência) a menos que a revolução agressiva
revolucionária possa ser ampliado para incluir não só a minoria de negros, mas também trabalhadores rurais migratórios, os pobres, os desempregados, os que dependem de programas de bem-estar, outros grupos minoritários, os estudantes, os chamados “movimentos pela paz”, e qualquer um que possa ser endoutrinado em ação de turba contra o governo estabelecido. Mas, a menos e até que eles possam manipular uma esmagadora maioria da população em pelo menos simpatizar com suas atividades revolucionárias, eles vão usar a violência, anarquia, e sabotagem, e não como um meio de tomar o poder, mas apenas como uma operação de apoio ou um catalisador a um plano totalmente diferente.

Lutas internas e conflito

Em países como a Tchecoslováquia, os comunistas usaram um método inteiramente diferente de conquista interna. Ao invés da força e da violência de uma revolução sangrenta (a “guerra de libertação nacional”), meios parlamentares e políticos foram utilizados para alcançar uma transição mais pacífica ao comunismo. Os estrategistas comunistas chamam este plano alternativo uma revolução “proletária”. 3

Este plano é o seguinte: Usando agentes comunistas não identificados e simpatizantes não-comunistas em posições-chave no governo, nos meios de comunicação, e em organizações de massa, como sindicatos e grupos de direitos civis, exigem mais e mais poder do governo como a solução para todos os problemas de direitos civis. Governo total é o objetivo final do Comunismo. Sem chamá-lo pelo nome, construir o comunismo peça por peça através de pressões de massa para decretos presidenciais, ordens judiciais e legislação que parecem estar destinados a melhorar os direitos civis e outras reformas sociais. Se houver discriminação social, econômica ou educacional, em seguida, defender mais programas de governo e controle.

Se vierem motins

E se ocorrerem tumultos? Então, virão mais habitação popular do governo, bem-estar do governo, capacitação para o trabalho do governo, e, finalmente, o controle federal sobre a polícia. Assim, a estrutura econômica e política essencial do comunismo pode ser construída inteiramente “legalmente” e em aparente resposta aos desejos das pessoas que clamavam por algum tipo de solução para os problemas exagerados, agravadas ou criados inteiramente por comunistas para esse fim. Após a maquinaria do comunismo estiver firmemente estabelecida, em seguida, permitir que os comunistas escondidos um por um façam suas identidades conhecidas.

Liquidar primeiro os anti-comunistas e, em seguida, os simpatizantes não-comunistas que não são mais necessários no governo. O mecanismo total do Estado podem agora abertamente e “pacificamente” ser transferida para as mãos dos comunistas. Essa é a chamada revolução proletária. Tal aconteceu em outros, uma vez livres, países. E já começou aqui.

Fatores de conflito interno

Os comunistas não estão inteiramente certos se a força e a violência ou meios legais e políticos ou uma combinação de ambos seria melhor para a conquista interna da América. No início, havia uma conversa de dividir o “Cinturão Negro”, esses estados do sul em que o Negro é uma maioria [demográfica], e chamando-os de uma República Soviética Negra. Mas, como as condições mudaram e mais negros migraram para os estados do norte, eles aplicaram a mesma estratégia para os chamados guetos do Norte. Agora parece provável que os comunistas estão determinados a usar a força e a violência em sua plenitude, juntamente com o enfraquecimento da economia e reveses militares no exterior, em um esforço para criar o máximo de estragos possível para enfraquecer a América internamente e para criar o tipo de desespero psicológico nas mentes de todos os cidadãos que irá levá-los a aceitar cegamente a aplicação de meios legais e políticos como o golpe final.

Alguns se perguntam se isso pode acontecer aqui. Basta dar uma boa olhada no que vem acontecendo ao nosso redor nos últimos anos. Está acontecendo aqui. Se é para ser impedido de se executar o curso completo, temos de parar de fingir que ele não existe.

Vamos considerar algumas sugestões para a nossa sobrevivência. A hora é tardia.

Fatores de conspiração se tornando comuns

O programa comunista para revolução na América tem estado em curso há muitos anos e está muito avançado. Enquanto ele pode ser frustrado em um período relativamente curto de tempo apenas por exposição suficiente, os efeitos do mal do que já foi realizado não podem ser removidos de um dia para o outro. As animosidades, o ódio, a extensão de controle do governo em nossas vidas diárias – tudo isso vai levar tempo para reparar. As feridas já infligidas terão cicatrização lenta. Mas eles podem ser curados; esse é o ponto importante.

Negros vítimas não causa

1. Primeiro de tudo, não devemos colocar a culpa sobre os negros. Eles são apenas o infeliz grupo que foi selecionado por agitadores comunistas profissionais para ser usado como a principal fonte de carne para canhão. Não um em mil americanos – preto ou branco – realmente entende as implicações da agitação de hoje pelos direitos civis. O planejamento, a direção e a liderança vem dos comunistas, e a maioria deles são homens brancos que pretende totalmente destruir a América derramando sangue Negro, ao invés do seu próprio.

Cuidado com reações anti-Negro

2. Em seguida, não devemos participar de qualquer chamada atividade “blacklash” [N. do T.: Trocadilho entre “reações” e “negros”], que pode tender a intensificar ainda mais o atrito interracial. Ação anti-Negro vigilante, ou ação de turba, de qualquer tipo se encaixa perfeitamente no plano comunista. Esta é uma das melhores maneiras de forçar o decente Negro em cooperação com os grupos militantes negros. Os comunistas estão tão ansiosos para liderar estas ações anti-Negro como estão a organizar manifestações que são calculados para irritar as pessoas brancas.

Descoberta jurídica dos fatos

3. Devemos insistir que comissões legislativas devidamente autorizadas investiguem lançar um estudo ainda mais exaustivo e expor o grau em que os comunistas secretos têm penetrado no movimento dos direitos civis. Os mesmos precisam ser feito com grupos anti-Negro militantes. Esta é uma maneira eficaz para o povo americano de ambas as raças para descobrir quem são os falsos líderes entre eles.

Aumentar a polícia local

4. Devemos apoiar nossos polícias locais em sua difícil tarefa de manter a lei e a ordem nestes tempos difíceis. Polícias não devem ser sobrecarregadas com supervisão civil, ou servir como assistentes sociais. Eles têm as mãos cheias apenas tentando manter a paz. Decisões recentes do Supremo Tribunal Federal que abrandam punições contra criminosos, que prejudiquem a polícia em proteger os inocentes e levar o criminoso à justiça, devem ser revertidas. Gritos persistentes de “brutalidade policial” devem ser reconhecidos por aquilo que são – tentativas de desacreditar a nossa polícia e desencorajá-los de fazer o seu trabalho no melhor de sua capacidade.

Os salários devem ser suficientes para segurar e atrair os melhores homens disponíveis para o trabalho policial. Mas, em questões de dinheiro, deve ser tomado muito cuidado para não aceitar subsídios do governo federal. Junto com dinheiro federal, inevitavelmente haverá controles federais e diretrizes que não só podem atrelar a polícia local em política nacional, mas pode até mesmo levar à eventual criação de uma força policial nacional. Cada despotismo requer uma força policial nacional para manter as pessoas em linha. O comunismo não é exceção. Nossas polícias locais devem permanecer livre do controle federal.

5. Maior usurpação de governo deve ser interrompido e todo o processo revertido. A solução para a maioria, se não todos, os problemas atuais que envolvem direitos civis é menos governo, não mais.

Despertar os cidadãos para conhecer a ameaça

6. Por último, precisamos de um grande despertar do povo americano quanto à verdadeira natureza do plano comunista para revolução. Considerando o grau em que as influências de controlo do governo federal e muitos dos
meios de comunicação estão agora a aprofundar essa revolução comunista, não é realista esperar que a maioria dos nossos líderes atuais ou as redes de televisão possam trazer esse despertar. Na verdade, eles podem ser esperados resistir a ele. Isso significa que os cidadãos individuais devem levantar-se e assumir mais do que a sua quota de responsabilidade. Todos devem ser pressionados ao serviço – a distribuição de literatura pessoalmente, clubes de estudo, discussões em casa, ou mesmo a plataforma do orador. Todos nós devemos ler o novo livro ‘Revolução Comunista Nas Ruas’ escrito por Gary Allen, com uma introdução de W. Cleon Skousen. Cada um de nós deve estar disposto a discutir o problema abertamente com os nossos amigos – especialmente os da raça negra.

O sucesso ou o fracasso dos norte-americanos de todas as raças para enfrentar este desafio pode muito bem determinar o destino de nosso país. Se não conseguirmos, todos nós vamos perder nossos direitos civis, homem negro e homem branco juntos, pois viveremos sob a igualdade comunista perfeita – a igualdade de escravos.

Ameaça satânica para a paz, a liberdade e a obra de Deus

Como o Presidente McKay declarou: “A posição desta Igreja sobre o tema do comunismo nunca mudou. Consideramos que é a maior ameaça satânica para a paz, a prosperidade, e a disseminação da obra de Deus entre homens que existe sobre a face da terra.”

Ele também aconselhou que “após sermos um na adoração a Deus, não há nada neste mundo em que esta Igreja deva ser mais unida do que em manter e defender a Constituição dos Estados Unidos!” (The Instructor, Vol. 93 (1956), p. 94.)

Que possamos nos unir atrás do Profeta em oposição à conspiração comunista e a preservar nossa liberdade e nossa constituição divina, eu oro em nome de Jesus Cristo. Amém.

Notas de Rodapé [N. do T.: No artigo original]

1) J Manning Johnson, já falecido, explicou este projeto em seu livro ‘Cores, Comunismo e Senso Comum’ (Ilha Ocidental, Belmont, Massachusetts). Leonard Patterson, a Sra. Julia Brown, e a Sra. lolabelle Holmes estão atualmente ativas em palestras que detalham esta triste verdade sobre o movimento dos direitos civis para o maior número do povo americano quanto eles podem atingir.

2) Os dois manuais comunistas clássicos que explicam esta trama diabólica são ‘Problemas do Negro Americano’ por John Pepper (1928) e ‘Os Negros em uma América Soviética’ por James Ford e James Allen (1935). Ambos foram originalmente publicado pelo Partido Comunista e agora podem ser obtidos como reimpressões fotográficos da ‘Opinião Americana’, Belmont, Massachusetts, 02178.

3) Para a compreensão detalhada desta fase da estratégia comunista, o aluno é convidado a pesquisar pronunciamentos oficiais do partido sobre o tema da revolução proletária. Talvez o lugar mais fácil e melhor para começar, no entanto, é com um dos livros didáticos reais usados para ensinar quadros comunistas na Tchecoslováquia. Ele é entitulado ‘Sobre a Transição para o Socialismo Possível por Meio da Utilização Revolucionária do Parlamento’, escrito por Jan Kozak, historiador oficial do Partido Comunista Checo e membro da Assembleia Nacional. Reimpressões das partes pertinentes deste livro podem ser obtidos a partir do Escritório de Imprensa do Governo dos Estados Unidos sob a forma de um panfleto intitulado ‘O Novo Governo Rale de Órgãos Legislativos Nacionais na Conspiração Comunista’, publicado pelo Comitê da Câmara em Atividades Não-Americanas, 30 de dezembro de 1961.

 

5 comentários sobre “Ezra Benson: Martin Luther King & Direitos Civis

  1. Olha, creio que entre os que lêem (ou mesmo os que estudam), que parece não ser muitos entre os religiosos, incluindo nós mórmons, essa crença sim existe. Mas justamente entre a maior parcela, os que não estudam nem os livros da fé, parece ser bem o contrário. Ou seja, de acordo com Benson, hoje seríamos infiéis (grande parte dos membros, especialmente os menos abastados), pois apoiamos parte dessa revolução do proletariado. Mas em conta partida, sabemos bem ser contra outros grupos, como movimento pelas mulheres ou gays.

    Tenta falar mal de um partido de esquerda quando o assunto é ‘benfeitorias ao pobre’ perto de um mórmon. Em contrapartida, tenta falar de direitos das minorias ou das mulheres com essa mesma pessoa. E em tempo, dê uma lida em muitos discursos atuais e verás hoje a diferença entre esse citado e hoje.

    Isso é o que observo.

  2. Creio de dentro da autoridade SUD existe líderes que são de visão politica mais social e outros de ultra direita.No meu caso sou mais pelo social e não concordo com idéias ultra direitistas.Além da ameaça comunista, nós temos a ameaça do fascismo que é tão horrível quanto o comunismo.O Fascismo é atrai e pessoas fanáticas pelo governo e extremamente a favor de exclusões sociais.

      • Olá João, penso que são os homens que classificam a postura e ideologia.Jesus Cristo é mais de esquerda por pensar mais em repartir e não concentrar riqueza na mão de poucos e nem ter o lucro como objetivo final das atividades humanas.Mas penso que, os seus ensinamentos também defendem a livre iniciativa e o progresso e sucesso pessoal financeiro sem influencia do governo.Mas como te digo… difícil dar uma resposta visto que a classificação de esquerda ou direita é relativa, imperfeita e contraditória.Pessoalmente, vejo inúmeras falhas nestes rótulos que deveriam ser revistos ou até mesmos abolidos.

      • A começar que parecem ser definições bem mais modernas do que o tempo em que Cristo pisou na terra. Ou seja, ninguém sabia o que era socialismo ou capitalismo ou comunismo naqueles dias.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s