Líderes da Igreja Mórmon Cedem a Pressão, Alteram Regras de Entrevistas

Em meio a intensa pressão pública sobre entrevistas sexualmente explícitas com crianças e acusações de abuso sexual e estupro de jovens acobertados pela liderança da Igreja, a Primeira Presidência d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias anunciou uma mudança nas regras para entrevistas pessoais de crianças e adolescentes, entre outras medidas para coibir o acobertamento de abusos.

Templo de Lago Salgado

O anúncio das novas diretrizes anteontem chegou após uma intensa semana de revelações de denúncias contra um ex-Presidente do CTM de Provo, Utah, que teria estuprado uma missionária e abusado sexualmente de outras, inclusive quando serviu como Bispo, Presidente de Estaca, e Presidente de Missão. Ainda mais explosivamente, as denúncias foram seguidas de testemunhos de acusações feitas durante décadas a vários líderes eclesiásticos como Bispos e Presidentes de Estaca, incluindo até dois Setentas Autoridades Gerais, que nada fizeram. E para piorar a semana da Igreja, múltiplas fontes jornalísticas denunciaram a Igreja por tentar silenciar denunciantes através de lobby político por um projeto-de-lei forçado com urgência na legislatura estadual de Utah.

Doravante, de acordo com as novas diretrizes anunciadas pela Primeira Presidência, qualquer indivíduo sendo entrevistado por um líder eclesiástico da Igreja SUD pode exigir a presença de outro adulto para servir como testemunha.

A Igreja vinha sendo severamente critica há anos por abusos em entrevistas eclesiásticas com crianças e jovens, as quais se intensificaram durante o crescimento do movimento #MeToo em 2017 contra violência a mulheres e as milhares de mulheres mórmons que prestaram testemunhos contra líderes SUD em seus passados pessoais que abusaram de suas posições para humilhar e abusar sexualmente delas quando crianças ou adolescentes.

Na época, em meio a torrente de novos testemunhos de tais abusos, surgiu um movimento para secretamente gravar suas entrevistas com líderes eclesiásticos como Bispos e expor tais líderes em casos de abusos.

“Tem havido um recente alvoroço por causa de bispos SUD perguntando a adolescentes sobre seus assuntos pessoais e condutas sexuais, perguntas feitas a portas fechadas durante entrevistas anuais. Sam Young, um ex-bispo SUD, iniciou uma petição pedindo que a igreja terminasse a prática. A petição já recebeu cerca de 14.500 assinaturas.”

O Bispo Sam Young, inclusive, fundou uma ONG chamada “Proteger Crianças SUD” para não apenas organizar tal petição, como para pressionar a Igreja a alterar tais práticas potencialmente abusivas.

A preocupação com esse novo ímpeto parece ter sido tamanha que o então Apóstolo (e agora Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência) Dallin Oaks foi gravado (secretamente) ordenando jovens da Igreja a nunca gravarem seus líderes, particularmente as Autoridades Gerais:

Ademais, há menos de 2 meses a Igreja SUD contratou um exército de lobistas políticas para intensamente pressionar legisladores de Utah a criminalizar tal prática de gravar secretamente conversas sem o consentimento de todas as partes.

Contudo, na última semana eclodiu o escândalo do Presidente de Missão que estuprou a missionária e foi protegido por décadas pela liderança com a publicação de justamente uma gravação secreta de uma entrevista (ouça a gravação em sua íntegra aqui). Após as primeiras reações oficiais da Igreja SUD em publicar notas tentando descreditar a vítima acusando-a de desonestidade, agora a Primeira Presidência emite diretriz (apenas para líderes nos EUA e no Canadá!) orientando a liderança para “acreditar nas mulheres” quando denunciam serem vítimas de abuso ou violência, afirmando que “a maioria, mas não todas, as acusações de abuso são verídicas, e devem ser levadas a sério e tratadas com grande cuidado.”

A nota oficial da Primeira Presidência:

Para: Autoridades Gerais e os seguintes líderes nos Estados Unidos e no Canadá: Setentas de Área; Presidentes de Estaca, Missão, e Distrito; Bispos e Presidentes de Ramo

Caros Irmãos:

Prevenindo e Respondendo a Abuso

Em 2008, a Primeira Presidência enviou uma carta encorajando líderes da Igreja extender-se com amor para ajudar aqueles que estão sofrendo com abuso. Essa questão global continua sendo uma fonte de tremenda preocupação para nós hoje. Nosso amor e nossas preces vão a todos que estão afligidos por este problema sério.

Para ajudar a garantir a segurança e a proteção de nossas crianças, jovens, e adultos, nós pedimos a todos os líderes do Sacerdócio e das auxiliares a se familiarizarem com as políticas e diretrizes da Igreja existentes para prevenir e responder a abuso. Uma declaração revisa destas políticas e diretrizes segue em anexo. Pedimos a todos os Bispos e Presidentes de Estaca que revisem o anexo em seus conselhos de Ala e Estaca e ensinem esta informação como orientada no pacote.

Que o Senhor os abençoe em seus esforços para proteger os filhos de Deus de abuso.

Sinceramente vossos,

[Assinado
Russell M Nelson
Dallin H Oaks
Henry B Eyring]
A Primeira Presidência

O “pacote” em “anexo” é um documento alterando e atualizando o Manual de Instruções da Igreja sob o título “Prevenindo e Respondendo a Abuso“.

Entre os pontos principais, a nova seção do manual oficial inclui estas diretrizes:

  • “Os líderes da Igreja nunca devem desconsiderar um relato de abuso ou aconselhar um membro a não denunciar atividades criminosas à polícia.”
  • “Os líderes e membros da Igreja devem cumprir todas as obrigações legais de denunciar abusos às autoridades civis.”
  • “Uma pessoa não deve receber um chamado ou designação da igreja que envolva trabalhar com crianças ou jovens se o registro de sua associação não estiver na ala ou se conter uma anotação por abuso.”
  • “Quando ocorre abuso, a primeira e imediata responsabilidade dos líderes da igreja é ajudar aqueles que sofreram abusos e proteger as pessoas vulneráveis de futuros abusos. Os membros nunca devem ser encorajados a permanecer em uma casa ou situação que seja abusiva ou insegura.”
  • “Aconselhamento profissional pode ser útil
    para as vítimas e perpetradores e suas famílias. Quase sempre é aconselhado em casos de abuso grave.”
  • “Quando um membro de uma presidência de estaca, ou de um bispado ou outro líder designado se reúne com uma criança, jovem ou mulher, ele deve pedir a um pai ou outro adulto que esteja em uma sala, saguão, ou salão adjacente. Se a pessoa que está sendo entrevistada deseja, outro adulto pode ser convidado para participar da entrevista. Os líderes devem evitar todas as circunstâncias que possam ser mal interpretadas.”

Leia mais detalhes sobre o caso do Presidente do CTM aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui.

Cultura de Estupro Mórmon

Essas novas diretrizes podem significar uma mudança em um problema crônico na cultura mórmon onde mulheres vítimas de abuso sexual ou violência sexual são ignoradas ou descreditadas em favor de homens “portadores do sacerdócio”.

Eis uma lista pública com mais de 400 casos (e milhares de vítimas) oficialmente documentados de abuso sexual, abuso sexual infantil, violência sexual, e estupros cometidos por membros da Igreja SUD entre os anos de 1959 e 2017, invariavalmente acobertados por líderes eclesiásticos da Igreja.

De acordo com a então diretora da força tarefa contra abuso sexual do Condado de Weber (Utah) Marilyn Sandburg:

“A maioria desses casos de abuso foram levados ao judiciário por indivíduos que não eram os líderes religiosos, apesar de que em muitos desses casos, o abuso havia sido inicialmente denunciado aos membros do clero muito antes de ser denunciados às autoridades… Em um caso de incesto específico no qual eu trabalhei, o abuso havia sido denunciado a 6 Bispos diferentes, e apenas 1 deles fez a denúncia às autoridades. O abuso continuou por um período de 11 anos.”

Por décadas, a Igreja manteve uma política de punir alunas de sua universidade que denunciavam sofrer estupros ou violência sexual, até o ano retrasado quando decidiu rescindir tal política misógina, e apenas após meses de severa repercussão negativa na mídia norte-americana. Naturalmente, tal política coibia vítimas de denunciar abusadores e estupradores, criando uma atmosfera propícia para violências sexuais nas faculdades da Igreja por décadas.

Ameríndios da tribo Navajo estão processando a Igreja SUD alegando que eles sofreram abusos sexuais e estupros durante a infância enquanto sob a tutela de famílias de mórmons, acusando a Igreja não apenas de saber dos crimes cometidos , como de retornar as crianças para os lares onde os abusos sexuais havia sido cometido, mas também de acobertá-los e proteger os culpados sob a guisa de não embaraçar a Igreja, instruindo líderes locais e membros a não cooperarem com oficiais da lei ou denunciarem os crimes.


Leia também

Fui Estuprada e a Igreja Mórmon Mandou Arrepender-me

Ex-Líder SUD Preso Por Estupros, Pedofilia

Prêmio Pulitzer à Cobertura de Estupros em Escola Mórmon

Juíz Autoriza Intimação de Profeta Mórmon em Caso de Abuso Sexual

Vítimas de Estupro: Mudanças nas Regras da Igreja SUD

Apóstolo Richard Scott: Vítimas de Abuso Podem Ter Culpa

Igreja Mórmon Critica Jornalistas Cobrindo Vítimas de Estupros em Suas Escolas

Estupro Não Engravida, Diz Legislador Mórmon

3 comentários sobre “Líderes da Igreja Mórmon Cedem a Pressão, Alteram Regras de Entrevistas

  1. Essa polêmica poderia muito bem estar encerrada se a igreja tomasse a providência logo no inicio quando mesmo confessou seus crimes.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s