Neurocientistas Estudam Mórmons ‘Sentindo o Espírito’

O que ocorre no cérebro de um(a) mórmon durante suas experiências religiosas? Resposta curta: circuitos cerebrais de recompensa são ativados, de forma semelhante ao que ocorre com reações geradas por amor, sexo, jogos de azar, drogas e música.

vm-cerebro

Representação da atividade neural no cérebro humano. Fonte: Wikimedia Commons.

Em artigo científico publicado hoje, pesquisadores da Universidade de Utah divulgaram os primeiros resultados do projeto de pesquisa iniciado em 2014. “A neurociência da experiência religiosa e espiritual é um passo-chave para a compreensão da motivação do comportamento religioso e dos efeitos da prática religiosa em comunidades”, afirma o artigo publicado no periódico Social Neuroscience.

Para os autores, a experiência carismática que santos dos últimos dias geralmente descrevem como “sentir o Espírito” é central na religião mórmon e de seu proselitismo:

Identificar a experiência espiritual e religiosa em si próprio e ensinar esta habilidade a outros é um foco primário de conversão e dos esforços missionários na Igreja Mórmon, e uma atividade cotidiana durante o serviço missionário é a prática devocional do estudo das escrituras e oração durante a qual um indivíduo aprende a reconhecer tais sentimentos espirituais.

A pesquisa objetivou identificar se sentimentos espirituais nos participantes estariam associados à ativação de determinados circuitos neurais. Os pesquisadores acreditavam que a região do cérebro chamada de estriato ventral era ativada durante tais experiências, sugerindo uma relação entre “sentir o Espírito” e sensações de recompensa que fortaleceriam a manutenção de crenças religiosas e sentimento de vínculo a líderes religiosos.

Foram selecionados para o estudo 19 pessoas (12 homens e 7 mulheres) entre 20 e 30 anos de idade, que haviam trabalhado como missionários para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD) e frequentavam suas reuniões semanalmente.

A equipe de pesquisa liderada por Jeffrey Anderson escaneou a atividade cerebral dos participantes utilizando imagem por ressonância magnética funcional (fMRI).  [Assista oas procedimentos no vídeo abaixo.] “Nos últimos anos, as tecnologias de imagem cerebral amadureceram de forma que nos permitem abordar questões que estão aí há milênios”, afirmou Jefferson.

Durante o escaneamento fMRI, os missionários retornados recebiam estímulos religiosos como trechos de escrituras, citações de Autoridades Gerais SUD (Thomas Monson, Dieter Uchtdorf e Jeffrey Holland) e líderes religiosos não mórmons (Papa Francisco, Billy Graham e Desmond Tutu), e vídeos oficiais da Igreja SUD. Os participantes também foram requisitados a orar de olhos fechados. De acordo com cada estímulo, os participantes deveriam responder à pergunta “Você está sentindo o Espírito? ” em uma escala de “não sentindo” a “sentindo muito fortemente” e assinalar o momento máximo daquela sensação.

Os pesquisadores descobriram que os sentimentos espirituais intensos estavam associados à ativação de uma região crítica do cérebro para o processamento de recompensas, o núcleo accumbens, além de associados também ao córtex pré-frontal medial, região ativada por tarefas que envolvem avaliação, julgamento e raciocínio moral. Os resultados, alertam os autores, não devem ser generalizados para todos indivíduos e comunidades religiosas. Afirma o artigo:

A experiência religiosa é infundida com características socioculturais complexas que são heterogêneas tanto dentro dos indivíduos, dentro de qualquer comunidade religiosa determinada, quanto através das tradições da fé. Consequentemente, os mecanismos neurais da experiência religiosa são provavelmente multifatoriais, mesmo dentro dos indivíduos. 

A importância de pesquisas em neurociência sobre religiosidade e espiritualidade, afirma Anderson, tem uma ampla importância para a sociedade:

A experiência religiosa é talvez a parte mais influente em como as pessoas tomam decisões que afetam a todos nós, para o bem e para o mal. Compreender o que acontece no cérebro para contribuir com essas decisões é realmente importante.

O pesquisador também lembra que a neurociência ainda não estudou sentimentos e ideação violenta relacionados a doutrinas e práticas religiosas:

Se você tem uma luterana lendo a Bíblia em Minnesota, ou você tem um membro do ISIS contemplando violência religiosa, será possível que os mesmo circuitos no cérebro estejam envolvidos, das mesmas formas? E há a mesma sensação para os indivíduos? Realmente não sabemos. Mas é uma forte hipótese, ao colocarmos a religião no contexto dos circuitos de recompensa [do cérebro].

O estudo é a primeira iniciativa do Projeto Cérebro Religioso, da Universidade de Utah, que visa compreender como o cérebro opera em pessoas com profundas crenças religiosas e espirituais.

Assista ao vídeo sobre a pesquisa:

Leia também

Pornografia na Adolescência: Problema de Saúde Pública?

A Biologia Pode Explicar a Evolução da Ciência?

Entendendo Dissonância Cognitiva

Palavra de Sabedoria e a Ciência

DNA, Raças e Etnia

21 comentários sobre “Neurocientistas Estudam Mórmons ‘Sentindo o Espírito’

  1. Creio que o Espirito Santo transmite conhecimento e nao emocoes. Emocao e algo facilmente copiado por Lucifer, podemos ser enganados facilmente atraves de sentimentos e emocoes. Joseph Smith ensinou que o Espirito Santo dispensa luz e inteligencia para nossa mente, os Profetas recebiam revelacoes atraves do Espirito, ou seja eles recebiam conhecimento. Talvez seja por isso que muitas pessoas sao enganadas pelas igrejas e falsos ensinamentos, a maioria das igrejas usam de sentimentos e emocoes para manipular as pessoas, a igreja SUD gasta milhoes de dolares em campanhas publicitarias que tem como principal objetivo causar emocoes nas pessoas, as conferencias gerais da igreja tem o mesmo objetivo, mexer com os sentimentos dos membros, eles vem para a conferencia sabendo pouco, sentem emocoes e saem sabendo menos sobre a doutrina ou a historia da igreja, acham que foram edificados mas em alguns dias se encontram na mesma situacao que antes. Um ciclo vicioso que nao acrescenta conhecimento real sobre os fundamentos da doutrina ou o significado das profecias nas escrituras. Dessa forma os membros trasferem a responsabilidade de sua salvacao para as maos dos lideres em Salt Lake.

    • Eu tenho uma pergunta! Mas ate que ponto tu acha que isso é ou não verdade? Porque Lucifer pode influenciar mas não colocar sentimentos no coração das pessoas. Eu digo isso por exemplo porque algo que eu senti não é o mesmo que voce sentiu, logo quem esta errado e quem foi influenciado? Muitas religiões certamente induzem ao erro, mas não da para tirar o crédito das pessoas que realmente sentem algo, sentem a influência do Espírito e etc. Conforme tu disse conferencia geral. campanhas etc é para despertar o coração das pessoas.Tem aquela escritura que diz que nos últimos dias o coração dos homens esfriara! Creio que a parte lógica da igreja esta sendo ensinada nos institutos! Alias esse ano as classes são só sobre apostasia, sacerdócio aos negros, mulheres e sacerdócio etc.
      Mas voltando ao ponto, o que uma pessoa sente depende dela e do Senhor, Lucifer nao tem poder para implantar sentimentos, ele ´pode é mudar a realidade a volta das pessoas para tentar nos “influenciar”.

      • Sud, por razoes obvias Lucifer pode confundir nos com sentimentos, pelo simples fato de sentimentos estarem ligados com a carne. Na maioria das vezes que o Espirito Santo revelou se aos Profetas, eles tiveram sentimentos de angustia,temor, descomforto etc… O Espirito Santo revela a verdade e a verdade na maioria das vezes e dificil de aceitar. Imagine se o Espirito Santo te revelasse que voce deveria deixar sua casa e todas coisas que voce tem e partisse para o deserto sem saber onde exatamente ir ou imagine se o Espirito entao te revelasse que vc deveria cortar a cabeca de uma pessoa? Ou matar seu proprio filho como no caso de Abraao? Ha inumeras situacoes e a grande maioria a experiencia com o Espirito Santo nao e sempre de paz e comforto, muito pelo contrario. O papel do Espirito Santo e de revelar e testificar sobre Cristo, nos guiar de volta a presenca de Deus, esse nao e um trabalho facil, pois somos condicionados pela cultura onde nascemos, pelo inimigo e principalmente por religiao. Nas escrituras o Senhor quase sempre envia mensageiros fora do sistema religioso, mesmo Cristo foi rejeitado pela religiao da epoca.

  2. O homem seria uma besta de carga, conforme a concepção de Lutero, cavalgada ora pelo Diabo, ora por Deus?

    “a maioria das igrejas usam de sentimentos e emocoes para manipular as pessoas”

    Na verdade, o discurso religioso é essencialmente manipulativo, utilizando de técnicas que impedem o predomínio do pensamento crítico e estimulam o predomínio das emoções. O link aqui destrincha o discurso religioso.

  3. Afirmo e acredito, com base na minha própria experiência, que a companhia do Espírito Santo pode estar relacionada, unicamente, a um sentimento bom ou à aquisição de conhecimento e aos dois juntamente também. Com relação à fé, que é um sentimento não vejo como interligá-la à razão. É possível mensurar sentimentos como amor, felicidade, dor? Estou certa de que não, o mesmo ocorre com a fé individual de cada um. Para mim, o espírito tem a ver com fé, logo nada a ver com razão. Mesmo o conhecimento, ele pode vir por meio de um estímulo prévio que, novamente, na minha opinião, pode ter relação com um sentimento. Como em um vídeo compartilhado, aqui, por quintinomelo “não acredite em nada, tenha suas próprias experiências”. Isto é tudo.

    • Concordo. Porém, dificilmente a fé pessoal não transborda para o social, ou ainda, epistemológico. Nesses casos, a fé ultrapassa os sentimentos pessoais e passa a adotar a forma de uma proposição de verdade absoluta, inegociável, independentemente de quais sejam suas consequências – o dogma.

      Dogma é aquilo que é indiscutível, não pode ser questionado. confrontado ou sujeito a prova. Nesse ponto, Fé (dogma) e Razão são incompatíveis e autoexcludentes.

      O caminho básico da busca da verdade é o da LIBERDADE de pensar (sem medo) e de contestar (confronto das ideias).

      A fé religiosa não é algo inofensivo. Veja o caso de Abraão.

      Abraão é chamado o “Pai da Fé” pelos três grandes sistemas religiosos que originou: o judaico, o cristão e o islâmico. Porém, Abraão não é modelo ético. Para Abraão a fé era algo inteiramente pessoal.

      “Muitos teólogos e moralistas constituíram a figura bíblica de Abraão como modelo de fé, dada a sua fidelidade incondicional a Deus. Contudo, numerosas objecções quanto à moralidade ou exemplaridade do «caso Abraão» fizeram-se ouvir. Uma delas, publicada por Patrice Larroque, um ateu, em 1860, na obra Examen critique des doctrines de la religion chrétienne, dá o tom geral dessas críticas:
      «Deus ordena a Abraão que vá imolar o seu jovem filho Isaac numa montanha. Imediatamente, Abraão dirige-se para o local indicado com a vítima. Vai executar a terrível ordem quando um anjo enviado por Deus o faz parar. Então, em vez de Isaac, seu adorado filho, Abraão sacrifica um cordeiro. Abraão é louvado e abençoado por ter obedecido imediata e cegamente. Esta história que nos dizem muito edificante é-o excessivamente pouco. Podemos perguntar o que é mais imoral, se a ordem que Abraão recebe ou a rapidez ou prontidão com que este se dispõe a executá-la. O facto de um pai matar o seu filho, e um filho inocente, seria um crime de primeiro grau. Esse facto não mudaria de natureza quer fosse executado numa montanha ou numa planície, quer fosse ordenado por Deus ou por um homem; com efeito, as acções são boas ou más pela natureza das próprias coisas e não pela vontade divina.
      Diz-se que Deus queria somente pôr à prova a obediência de Abraão: Deus tinha a intenção de impedir a consumação do sacrifício que ordenava, como o acontecimento o prova. Tal justificação dá nisto: ‘Deus fingia querer o sacrifício que ordenava e que se propunha impedir’. Para além de dissimular e de se divertir a brincar com um homem crente como Abraão, Deus comportar-se-ia como um daqueles tiranos que exigem dos seus escravos que estejam sempre prontos, ao menor sinal, a fazer tanto o bem como o mal, dando assim prova de uma submissão absoluta e de uma obediência cega.»

      Veja aqui o apelo do ex-Presidente Obama para acalmar os ânimos religiosos nos Estados Unidos, pedindo que a Fé se submeta à Razão: https://www.youtube.com/watch?v=rDVfwRCYIHk

      Conclue-se que as religiões originadas da FÉ pessoal de Abraão é um mal grandíssimo à humanidade. Mesmo com seus programas de caridade, essas religiões fazem mais mal do que bem. A humanidade só será verdadeiramente livre com o fim das religiões abraâmicas (por serem dogmáticas).

      Toda verdade religiosa deveria ser apresentada como HIPÓTESE, isto é, a ser crida até prova em contrário. Se isso acontecesse:

      1. No âmbito pessoal, seria o fim do sofrimento causado pela dissonância cognitiva (porque eu não me forçaria a crer no que a porção racional de minha mente rejeita);

      2. No âmbito sócio-político, seria o fim das guerras religiosas, das disputas por prosélitos, e dos tribunais eclesiásticos para punir hereges e apóstatas.

      Finalmente, parece-me evidente que se formos tomar por base apenas sentimentos para fazermos nossas escolhas existenciais ficaremos sujeitos à todo tipo de manipulação.

      • ERRATA: Onde se lê “as religiões originadas da FÉ pessoal de Abraão É um mal grandíssimo à humanidade”, leia-se, “as religiões originadas da FÉ pessoal de Abraão SÃO um mal grandíssimo à humanidade”.

    • Sentimentos sao consequencias de ouvir ou seguir a voz do Espirito mas nao necessariamente o Espirito em si. Muitas pessoas sentem bem quando fazem varias coisas que nao tem relacao alguma com a voz do Espirito Santo. Da mesma forma que o fruto da arvore da vida nao e a barra de ferro e sim uma consequencia de seguir segurando na barra de ferro (Usando o sonho de Lehi como exemplo). No caso de sentimentos, ha tambem inumeras experiencias onde o Espirito Santo causou sentimentos opostos, como Nefi ao ouvir a voz do Espirito mandando cortar a cabeca de Labao ou quando Lehi ouviu e viu o Senhor mandando ele deixar Jerusalem, de acordo com ele, temor e descomforto foi o resultado. Ha muitas outras experiencias onde o Espirito traz sentimentos nada bom. Por isso ha unica maneira de saber se estamos sendo influenciados pelo Espirito e se estamos recebendo revalacoes e conhecimento. O trabalho do Espirito Santo nao e de nos fazer “sentir bem” ou nos dar emocoes, ha varias maneiras de sentir isso e muitas delas nao tem nada a ver com o Espirito Santo. (Ver Ensinamentos do Profeta Joseph Smith p.151 e p.154) Ele diz “que se nao obtermos conhecimento seremos escravizados por espiritos malignos no mundo espiritual, pois esses espiritos terao mais conhecimento que nos e consequentemente mais poder”.

      • Para mim, Fábio, a influência do Espírito Santo só pode estar relacionada à influência boa. Caso contrário, o mal, é qualquer outra coisa, menos do Espírito.

  4. Já acreditei que os sentimentos bons que sentia vinham do espirito, mas a liderança da igreja toma tantas decisões erradas, e dizem terem sido influenciadas pelo espirito! Meu pai é simples, caipira do interior, e ele diz que “este povo sente dor de barriga e diz que tá sentindo o espirito!”

    • Como eu disse, O Espirito de Deus e luz e transmite entendimento e inteligencia e nao sentimentos e emocoes, ha muitas atividades que podem te fazer sentir bem como assistir um bom filme, um evento esportivo ou mesmo uma missa ou conferencia da igreja e todas essas atividades podem muito bem na ter nenhuma relacao com o Espirito Santo, se as pessoas preferem seguir os sentimentos e emocoes, isso e por conta delas mas as escrituras confirmam o contrario. Toda vez que um mensageiro de Deus apareceu, seja ele um Profeta que prega entre o povo ou um ser Celestial, eles sempre trazem uma mensagem, um ensinamento, uma revelacao ou algo que as pessoas ainda nao sabiam, eles simplismente entregam a mensagem vinda de Deus, eles sao objetivos e diretos, nunca eles vao tentar estimular emocoes, por uma musiquinha ou causar algum tipo de sentimento a fim de emocionar seus ouvintes.

  5. “Por isso ha unica maneira de saber se estamos sendo influenciados pelo Espirito e se estamos recebendo revalacoes e conhecimento.”

    Concordo. Mas eu substituiria a palavra “conhecimento” por “razão”.

    “imagine se o Espirito entao te revelasse que vc deveria cortar a cabeca de uma pessoa? Ou matar seu proprio filho como no caso de Abraao?”

    Pois é, Fábio, esse é o ponto que faz com que a Fé não possa ser o critério a ditar a conduta de uma pessoa em TODAS as situações.

    O que Nefi fez com Labão, perante as leis de qualquer época, foi simplesmente um covarde latrocínio (matar para roubar). Veja aqui.

    O que Abraão fez com seu filho Isaac, foi simplesmente uma tentativa de homicídio qualificado, por qualquer ângulo racional.

    Como compatibilizar essas ações imorais/antiéticas praticadas em nome da fé com o que Joseph Smith, em raro momento de lucidez, disse em relação à obedecer aos líderes do sacerdócio? Veja aqui.

    Para abraçar o mormonismo você foi instruído por um anjo, ou apenas sentiu “um calorzinho no peito” ou “vontade de chorar” durante as palestras dos missionários, ou ao fazer a leitura de trechos do Livro de Mórmon, ou ainda quando ouve de seus líderes que “Deus te ama”?

    E se um anjo vindo da parte de Deus aparecer a você e lhe revelar que a igreja verdadeira é a Comunidade de Cristo? Mas o apóstolo Paulo não advertiu aos cristãos do seu tempo que mesmo que um “anjo do céu” aparecesse e ensinasse algo diferente do que Paulo ensinou deve ser rejeitado (Gálatas 1:8) ? Imagine o dilema: obedecer ao calorzinho no peito sentido durante a pregação de Paulo ou às ordens dadas pelo anjo do céu?

    Por favor, não pense que tenho por objetivo questionar sua fé ou experiência religiosa. Estão dentro da sua vivência enquanto ser, e como tal merecem e têm todo meu respeito.

    Mas o ponto que quero ressaltar é que as “revelações de Deus” devem ser constantemente submetidas à Razão, não apenas ao “conhecimento”. A fé deve se submeter à razão. Mas o que ensinam as religiões abraâmicas?

    O próprio JS não ensinou que “a obediência é a primeira lei dos céus? Essa frase encerra toda uma terrível concepção de Deus e do Homem.

    O fanatismo religioso caracteriza-se exatamente pela falta de espírito crítico (racional) diante de uma ideia ou concepção religiosa. Um fanático religioso tem “conhecimento” (da Bíblia, do Livro de Mórmon, do Alcorão, etc), age conforme esse conhecimento, mas não submete esse conhecimento a critérios racionais. Esse é o ponto.

    Por isso nada mais antinômico do que a frase “o justo viverá da fé”, pois justiça tem a ver com ética, não com fé.

    A fé cega. A fé É cega.

    • Verdade, o meu ponto e que o Espirito Santo nao e o que a maioria das pessoas acreditam ser, ele tem o trabalho de revelar a verdade e testificar de Cristo, a verdade vinda de Deus contradiz as nossas tradicoes, crencas e ate mesmo nossos principios. No caso de Nefi, ele havia sido criado na lei de Moises e matar era um pecado grave, por isso ele teve essa luta com o Espirito de Deus quando o mesmo o ordenou a matar Labao. As igrejas usam emocoes e sentimentos para manipular seus seguidores e ao estudar as escrituras vemos que Deus usa a verdade e o conhecimento para nos ensinar. A razao como voce disse e algo que Deus tenta nos ensinar mas as pessoas preferem a fe cega e o fanatismo como vc bem explicou.

  6. E quando o Espírito Santo inspira um homem a fazer o holocausto (sacrifício) de sua filha, como foi o caso de Jefté (Jz 11,29-40)?

    “Jefté
    Ele cumpriu o seu voto, mesmo sendo uma tarefa difícil.
    Esse homem não teve uma infância fácil. A mãe de Jefté era uma prostituta, e ele foi expulso de Gileade, sua terra natal, para que não formasse família por lá.
    Certa vez, os amonitas estavam em guerra contra Israel, que não conseguia combatê-los. Por isso, foram até Jefté pedir para que ele estivesse à frente da batalha (Juízes 11:1-11). Foi nesse momento que fez um voto ao Senhor: se ganhasse a guerra, entregaria como oferta a primeira pessoa que fosse cumprimentá-lo ao chegar em casa (Juízes 11:30-31).
    Porém, Jefté não imaginou o que aconteceria. Ao voltar da guerra, a primeira que saiu para comemorar com ele a vitória foi sua única filha. Mas, mesmo se entristecendo ao lembrar-se do voto, ele cumpriu.
    Fidelidade provada
    Podemos dizer que talvez Jefté não houvesse levado em consideração que alguém tão querido saísse de sua casa para recebê-lo de volta da guerra. Ele não mensurou como e de que forma ele teria que cumprir o seu voto. Será que ele pensou que seria fácil? Que sairia de sua casa um casal de porquinhos, de bezerros?
    Para ele não importou o voto que fez, mas sim o objetivo que ele queria alcançar, que era ganhar a guerra. Porém, Deus o fez lembrar o que prometeu assim que viu sua filha única sair de casa. E, assim, Ele provou a fidelidade de Jefté.
    Mesmo sendo algo inimaginável, Jefté teria que oferecer sua filha em sacrifício, assim como ele disse que faria em seu voto com Deus.
    Ele poderia desistir, ter feito outra oração pedindo perdão para Deus por não conseguir cumprir o seu voto, até mesmo porque a guerra já estava ganha. Porém, ele foi até o fim com sua palavra, provou que era fiel a Deus.
    Será que temos feito votos de tolo? Até onde temos sido fiéis a Deus? Ele tem se agradado de nossos votos?
    “Quando a Deus fizeres algum voto, não tardes em cumpri-lo; porque não se agrada de tolos. Cumpre o voto que fazes. Melhor é que não votes do que votes e não cumpras.” Eclesiastes 5:4-5.
    Mesmo que seu voto seja difícil de cumprir, de realizar, por razões humanas, limitações emocionais ou financeiras, vá em frente, faça como Jefté e entregue o que se propôs a Deus, com certeza, Ele verá o seu esforço. Seja aprovado por Deus!
    A Palavra diz que a filha de Jefté chorou sua virgindade e não conheceu homem (Juízes 11:38-40). Alguns estudiosos acreditam que ela foi sacrificada e morreu virgem. Outros afirmam que ela ficou virgem até o último de sua vida.
    De qualquer forma, a filha de Jefté foi obediente ao seu pai, se colocando para realizar o seu voto firmado. Assim, pai e filha são exemplos de obediência e fidelidade a Deus.”

    Fonte: https://pt-br.facebook.com/ComunidadeEvangelicaDependentesDeDeus/posts/580049252052400 (acessado dia 25/12/2016, às 05:04h

    Aqui um estudo erudito sobre o tema: http://www.unicap.br/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=612

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s