Neurocientistas Estudam Mórmons ‘Sentindo o Espírito’

O que ocorre no cérebro de um(a) mórmon durante suas experiências religiosas? Resposta curta: circuitos cerebrais de recompensa são ativados, de forma semelhante ao que ocorre com reações geradas por amor, sexo, jogos de azar, drogas e música.

vm-cerebro

Representação da atividade neural no cérebro humano. Fonte: Wikimedia Commons.

Em artigo científico publicado hoje, pesquisadores da Universidade de Utah divulgaram os primeiros resultados do projeto de pesquisa iniciado em 2014. “A neurociência da experiência religiosa e espiritual é um passo-chave para a compreensão da motivação do comportamento religioso e dos efeitos da prática religiosa em comunidades”, afirma o artigo publicado no periódico Social Neuroscience.

Para os autores, a experiência carismática que santos dos últimos dias geralmente descrevem como “sentir o Espírito” é central na religião mórmon e de seu proselitismo:

Identificar a experiência espiritual e religiosa em si próprio e ensinar esta habilidade a outros é um foco primário de conversão e dos esforços missionários na Igreja Mórmon, e uma atividade cotidiana durante o serviço missionário é a prática devocional do estudo das escrituras e oração durante a qual um indivíduo aprende a reconhecer tais sentimentos espirituais.

A pesquisa objetivou identificar se sentimentos espirituais nos participantes estariam associados à ativação de determinados circuitos neurais. Os pesquisadores acreditavam que a região do cérebro chamada de estriato ventral era ativada durante tais experiências, sugerindo uma relação entre “sentir o Espírito” e sensações de recompensa que fortaleceriam a manutenção de crenças religiosas e sentimento de vínculo a líderes religiosos.

Foram selecionados para o estudo 19 pessoas (12 homens e 7 mulheres) entre 20 e 30 anos de idade, que haviam trabalhado como missionários para A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD) e frequentavam suas reuniões semanalmente.

A equipe de pesquisa liderada por Jeffrey Anderson escaneou a atividade cerebral dos participantes utilizando imagem por ressonância magnética funcional (fMRI).  [Assista oas procedimentos no vídeo abaixo.] “Nos últimos anos, as tecnologias de imagem cerebral amadureceram de forma que nos permitem abordar questões que estão aí há milênios”, afirmou Jefferson.

Durante o escaneamento fMRI, os missionários retornados recebiam estímulos religiosos como trechos de escrituras, citações de Autoridades Gerais SUD (Thomas Monson, Dieter Uchtdorf e Jeffrey Holland) e líderes religiosos não mórmons (Papa Francisco, Billy Graham e Desmond Tutu), e vídeos oficiais da Igreja SUD. Os participantes também foram requisitados a orar de olhos fechados. De acordo com cada estímulo, os participantes deveriam responder à pergunta “Você está sentindo o Espírito? ” em uma escala de “não sentindo” a “sentindo muito fortemente” e assinalar o momento máximo daquela sensação.

Os pesquisadores descobriram que os sentimentos espirituais intensos estavam associados à ativação de uma região crítica do cérebro para o processamento de recompensas, o núcleo accumbens, além de associados também ao córtex pré-frontal medial, região ativada por tarefas que envolvem avaliação, julgamento e raciocínio moral. Os resultados, alertam os autores, não devem ser generalizados para todos indivíduos e comunidades religiosas. Afirma o artigo:

A experiência religiosa é infundida com características socioculturais complexas que são heterogêneas tanto dentro dos indivíduos, dentro de qualquer comunidade religiosa determinada, quanto através das tradições da fé. Consequentemente, os mecanismos neurais da experiência religiosa são provavelmente multifatoriais, mesmo dentro dos indivíduos. 

A importância de pesquisas em neurociência sobre religiosidade e espiritualidade, afirma Anderson, tem uma ampla importância para a sociedade:

A experiência religiosa é talvez a parte mais influente em como as pessoas tomam decisões que afetam a todos nós, para o bem e para o mal. Compreender o que acontece no cérebro para contribuir com essas decisões é realmente importante.

O pesquisador também lembra que a neurociência ainda não estudou sentimentos e ideação violenta relacionados a doutrinas e práticas religiosas:

Se você tem uma luterana lendo a Bíblia em Minnesota, ou você tem um membro do ISIS contemplando violência religiosa, será possível que os mesmo circuitos no cérebro estejam envolvidos, das mesmas formas? E há a mesma sensação para os indivíduos? Realmente não sabemos. Mas é uma forte hipótese, ao colocarmos a religião no contexto dos circuitos de recompensa [do cérebro].

O estudo é a primeira iniciativa do Projeto Cérebro Religioso, da Universidade de Utah, que visa compreender como o cérebro opera em pessoas com profundas crenças religiosas e espirituais.

Assista ao vídeo sobre a pesquisa:

Leia também

Pornografia na Adolescência: Problema de Saúde Pública?

A Biologia Pode Explicar a Evolução da Ciência?

Entendendo Dissonância Cognitiva

Palavra de Sabedoria e a Ciência

DNA, Raças e Etnia

22 comentários sobre “Neurocientistas Estudam Mórmons ‘Sentindo o Espírito’

Deixe uma resposta para Eduardo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.