B. H. Roberts: Pedra de Vidente Radioativa?

Fotos da pedra de vidente usada por Joseph Smith  na tradução do Livro de Mórmon foram mostradas pela primeira vez  em agosto passado. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias divulgou as imagens como parte do  de lançamento do livro Revelações e Traduções, Volume 3: o Manuscrito do Tipógrafo do Livro de Mórmon (em tradução livre), publicado pelo Projeto Joseph Smith Papers.

Joseph ditando a Emma Smith a tradução do Livro de Mórmon. Arte de Anthony R. Sweat.

Joseph ditando a Emma Smith a tradução do Livro de Mórmon. Arte de Anthony R. Sweat.

Durante cerca de seis semanas em 1829,  para traduzir o Livro de Mórmon, Joseph Smith colocava a pedra de vidente dentro de um chapéu, e inseria seus rosto dentro dele para bloquear a luz e enxergar as palavras na pedra.

Radioatividade

O setenta e historiador da Igreja B. H. Roberts (1857-1933) descreveu em uma carta sua experiência ao manusear a pedra de vidente marrom. Nela, Roberts também oferece uma interpretação natural para o uso sobrenatural do objeto.

O Profeta continuou em posse da pedra de vidente que, evidentemente, por último, deu a Oliver Cowdery, em Richmond, Mo., [Cowdery] em 1848, que deu esta pedra de vidente para Lorenzo Young, irmão de Brigham Young, para entregar ao Profeta Brigham Young e ele a manteve ao longo de sua vida. A partir dele passou para o Presidente John Taylor, e de John Taylor a Wilford Woodruff, e quando o Templo de Manti foi dedicado, Wilford Woodruff tomou essa pedra de vidente e colocou-a sobre o altar e dedicou-a à Igreja. Do Presidente Woodruff a Pedra de Vidente passou para as mãos do Presidente Joseph F. Smith e eu tive várias entrevistas com ele acerca dela e, uma vez, ele prometeu trazê-la a seu escritório para que eu pudesse vê-la. Mas uma circunstância ou outra o impediu de fazer isso. Tendo traçado a pedra de vidente até sua posse, fiz mais perguntas questionando onde ela poderia estar. Uma vez que tinha sido dedicada pelo Presidente Woodruff à Igreja, pensei que poderia esperar que estivesse em posse do Presidente Grant. Isso, no entanto, no momento em que fiz a pergunta não era o caso. Mas inquirindo membros representativos da família Smith, fui informado de que eles ainda a tinham e [a pedra de vidente] foi trazida para o meu escritório por um deles e Presidente Ivins estava presente. Nós dois a examinamos por algum tempo e nos interrogamos a respeito. Enquanto a manuseávamos – é uma pequena pedra de cor de chocolate com estratos esbranquiçados por ela e, ao que parece, partículas de ouro aqui e ali – enquanto a manuseávamos, tive a impressão de que sem dúvida era rádio ou ela tinha sido feita radioativa pelo contato com rádio e, consequentemente, daí sua energia para se tornar luminosa quando colocada no escuro.¹

Urim e Tumim

Na região em que vivia o a família Smith, varas divinatórias e pedras de vidente eram utilizadas para busca de objetos perdidos, caça a tesouros e outras práticas mágicas.  A partir da década de 1820, Joseph Smith e seus familiares começam a utilizar a expressão bíblica Urim e Tumim para se referirem às pedras de vidente.

Pedra de vidente. Joseph Smith. Mormonismo.

A pedra tem tamanho próximo ao de um ovo. (Imagem: Rick Bowmer/AP)

A pedra de vidente branca

Depois da publicação do Livro de Mórmon, em março de 1830, Joseph Smith nunca mais utilizou a pedra marrom, dando-a a Oliver Cowdery. No entanto, Joseph Smith ainda utilizou outra pedra de vidente, de cor branca (ou esbranquiçada), com a qual ditou a tradução inspirada de Gênesis (o Livro de Moisés), deu uma revelação a Orson Pratt, deu bênçãos a Newel K. Whitney e sua esposa, e ditou o Livro de Abraão.

NOTA

1. B. H. Roberts, Carta a C. M. Dewsnup, 30 de março de 1933, fotocópia da transcrição original. Coleção de Pesquisa de Scott G. Kenney, MSS 2022,  Coleções Especiais Tom Perry, Biblioteca Harold B. Lee Library, Universidade Brigham Young.


Leia também

Ensinamentos de Joseph Smith sobre Sacerdócio, Templo e Mulheres

Textos antimórmons no site lds.org?

B. H. Roberts e sua reação ao Manifesto

B. H. Roberts sobre a verdade

O passado é prólogo

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s